Avistamentos em Clifton Campville

Em dezembro de 1977, a região de Clifton Campville foi palco de avistamentos ufológicos envolvendo crianças.


Equipe CIPEX

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Na Ufologia Mundial existem diversos casos tendo crianças como testemunhas. A investigação de casos desta natureza apresentam aspectos interessantes que os tornam especiais e exigem um esforço maior de análise, visando identificar os aspectos fantasiosos, comuns em narrativas infantis. Dada a pureza infantil, uma criança não mente deliberadamente.

Quando o relato de uma criança pode ser comparado com o de outras testemunhas, tanto infantis quanto adultas, é possível obter detalhes mais apurados do caso investigado. Além disso, se o relato vier corroborado por provas e impactos emocionais teremos então um panorama mais completo do fato.

Em dezembro de 1977, nas vizinhanças de Clifton Campville, um vilarejo situado 8 Km ao norte de Tamworth, em Staffordshire, Inglaterra, ocorreram dois fatos ufológicos dignos de nota. O primeiro avistamento ocorreu em 7 de dezembro, tendo como testemunhas quatro pessoas. Pauline Broadhurst, mãe de uma das testemunhas, e as crianças Allison, Wendy e Peter, todas com menos de 10 anos de idade, na ocasião. Eles retornavam, a pé, para Lullington quando, por volta das 16 horas, observaram uma luz alaranjada aproximando-se pelo Leste. Ela chamou a atenção das crianças para o estranho objeto. Todos continuaram a caminhar, olhando para o misterioso aparelho que parecia um pouco mais brilhante do que a lua cheia quando vista em condições ideais.

O objeto mantinha baixa velocidade, mas constante. Repentinamente, o objeto mudou sua trajetória e seguiu paralelamente à estrada, voando a aproximadamente 20 cm de uma cerca, que na época tinha quase um metro de altura. O aparelho seguiu sobrevoando a cerca ao longo de 100 metros até desaparecer repentinamente. Segundo a senhora Broadhurst era como a luz fosse simplesmente desligada. Nenhum efeito eletromagnético ou fisiológico foi percebido pelas testemunhas e nenhum som foi ouvido. Naquele momento, já escurecia e fazia muito frio, com temperaturas próximas à 0º C.

O segundo avistamento ocorreu em 12 de dezembro, por volta das 16h30 e envolveu quatro testemunhas, todas crianças. Sally Johnson, Linda Broadhurst, Gina Ward e Lynne Watkins estavam cuidando do pônei de propriedade Sally no campo da família de Ward, ao Sul de Clifton Campville.

Sally havia acabado de montar sobre o animal, quando Lynne observou um misterioso objeto metálico, em forma de disco, aproximando-se pelo Norte. Ao avistar o objeto, Sally assustou-se e caiu do pônei, que mostrou-se assustado.

Rapidamente o objeto, que tinha em torno de 2.5 metros de diâmetro, passou a aproximadamente 6 metros acima do grupo, permitindo às crianças observarem vários detalhes. Em sua parte central havia duas áreas, nas cores vermelha e azul. Na parte superior havia duas luzes piscantes e cilindros acinzentados. Na parte inferior havia uma protuberância curvada, feita do mesmo metal do resto do aparelho. Havia também quatro protuberâncias como se fossem sapatas para pouso do aparelho.

Durante a observação, as crianças ouviram um zumbindo insistente, semelhante ao de uma colmeia. Além disso, o aparelho fazia um movimento de rotação, em completo silêncio, no sentido anti-horário. Após passar sobre as crianças o objeto seguiu na mesma direção de onde veio, descendo próximo à um bosque. Em seguida, disparou para o céu e desapareceu em grande velocidade.

O avistamento deixou as crianças assustadas, que correram para a casa de Sally e Lynne. A mãe de Sally, espantada com o relato da filha visivelmente nervosa, telefonou para a polícia de Tamworth, que enviou um policial ao local. Sally passou mal após esse avistamento, mas pouca atenção foi dada à esse fato.

Os ufólogos Martin Keatman e Stephen Banks estiveram na região para investigar o caso. As quatro testemunhas foram entrevistadas separadamente, para assegurar um grau maior de objetividade. Além dos depoimentos, as crianças fizeram desenhos representando o que avistaram. Uma reconstituição foi feita, sendo tudo documentado pelos investigadores. As investigações junto aos órgãos de tráfego aéreo mostraram que nenhuma aeronave civil ou militar, notadamente helicópteros, sobrevoaram a região naquele dia.


Mapa da região, disponível no relatório do caso, publicado da Flying Sauver Review, V26 nº 4, de novembro de 1980.

Croqui indicando o local do avistamento, disponível no relatório do caso, publicado da Flying Sauver Review, V26 nº 4, de novembro de 1980.

Mapa atual da região onde o caso aconteceu.

Vista norte da vila de Clifton Camperville, na época do caso.

As quatro crianças envolvidas no encontro principal. Da esquerda para a direita: Linda Broadhurst, Sally Johnson, Gina Wars e Lynne Watkins.

Objeto desenhado por Linda Broadhurst.

Objeto desenhado por Sally Johnson.

Objeto desenhado por Gina Ward.

Objeto desenhado por Lynne Watkins.

Baseado no padrão comum dos relatos das testemunhas, o ufólogo Martin Keatman fez o que seria a versão correta do objeto.


Comentários

Sem comentários.

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros

 


- Boletins
  • Revista Flying Saucer Review, V26 nº 4, de novembro de 1980.

 


- Artigos de Revistas
  •  

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

 


- Outros