5.000 exoplanetas já descobertos: Um marco para a Astronomia

Por: Fenomenum Comentários: 0

Há 40 anos atrás, os astrônomos ainda debatiam se existam outros planetas orbitando outras estrelas. Hoje, já se sabe que existem, e foram descobertos aproximadamente 5.000. E esse número vai aumentar.


Os astrônomos adicionaram o 5.000º mundo alienígena ao Arquivo de Exoplanetas da NASA, anunciaram funcionários do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL), na segunda-feira (21 de março).

O marco ocorre em meio a uma onda de descobertas recentes e outras a serem anunciadas, à medida que o Telescópio Espacial James Webb de US $ 10 bilhões da NASA se prepara para operações de observação de planetas no espaço profundo.

“Os mais de 5.000 planetas encontrados até agora incluem mundos pequenos e rochosos como a Terra, gigantes gasosos muitas vezes maiores que Júpiter e ‘Júpiteres quentes’ em órbitas extremamente próximas em torno de suas estrelas”, disseram autoridades do JPL em comunicado na segunda-feira.

“Existem ‘super-Terras’, que são possíveis mundos rochosos maiores que o nosso, e ‘ mini-Netunos ‘, versões menores de Netuno do nosso sistema”, acrescentaram os funcionários do JPL. “Adicione à mistura planetas orbitando duas estrelas ao mesmo tempo e planetas obstinadamente orbitando os restos colapsados ​​de estrelas mortas.”

O Arquivo de Exoplanetas da NASA está alojado no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech). Para serem adicionados ao catálogo, os planetas devem ser confirmados independentemente por dois métodos diferentes, e o trabalho deve ser publicado em um periódico revisado por pares.

Os primeiros exoplanetas foram encontrados no início dos anos 90. Enquanto os telescópios no solo e no espaço permitiram a descoberta de 5.000 planetas desde então, Jessie Christiansen, líder científico do Arquivo de Exoplanetas da NASA, afirmou no site da Caltech que os mundos encontrados até hoje estão “principalmente nesta pequena bolha ao redor de nosso sistema solar, onde são mais fáceis de encontrar.”

“Dos 5.000 exoplanetas conhecidos, 4.900 estão localizados a alguns milhares de anos-luz de nós”, acrescentou Christiansen. “E pense no fato de que estamos a 30.000 anos-luz do centro da galáxia; se você extrapolar da pequena bolha ao nosso redor, isso significa que há muito mais planetas em nossa galáxia que ainda não encontramos, algo como 100 a 200 bilhões. É alucinante.”

A primeira descoberta planetária confirmada ocorreu em 1992, quando os astrônomos Alex Wolszczan e Dale Frail publicaram um artigo na revista Nature. Eles avistaram dois mundos orbitando um pulsar (um cadáver estelar denso e em rápida rotação) medindo mudanças sutis no tempo dos pulsos quando a luz atingiu a Terra.

Telescópios terrestres fizeram o trabalho pesado naqueles primeiros anos, e foram necessárias várias outras pesquisas para finalmente descobrir o primeiro planeta em torno de uma estrela parecida com o Sol em 1995. Aquele mundo não era hospitaleiro para a vida como a conhecemos; era um gigante gasoso escaldante que girou em torno de sua estrela-mãe em apenas quatro dias terrestres.

Os astrônomos descobriram esses mundos detectando oscilações (movimentos induzidos gravitacionalmente para frente e para trás) das estrelas à medida que os planetas as puxavam. Mundos maiores eram mais fáceis de detectar, pois induziam oscilações maiores. Para encontrar mais planetas do tamanho da Terra, disseram os astrônomos na época, eles precisariam tentar algo chamado método de “trânsito”. Isso avaliaria a luz de uma estrela e procuraria pequenas flutuações à medida que um planeta passasse pela face.

O astrônomo William Borucki ajudou a realizar essa visão como o principal investigador do telescópio espacial Kepler da NASA, que foi lançado em 2009 e ultrapassou sua missão principal por vários anos até que finalmente ficou sem combustível em 2018. Kepler acumulou mais de 2.700 descobertas de planetas até o momento, muitos deles mundos do tamanho da Terra ou menores, e ainda tem um banco de dados gerando novas descobertas até hoje.

Os mundos já descobertos são de diferentes tipos e tamanhos, orbitando em estrelas próximas à Terra.

 

Muitos outros instrumentos se juntaram à caça ao planeta desde o lançamento do Kepler. No solo, o espectrógrafo HARPS, que faz parte do telescópio de 3,6 metros no Observatório La Silla do Observatório Europeu do Sul, no Chile, é um caçador de planetas adepto por si só.

Em 2011 (oito anos após a primeira observação), o HARPS havia descoberto mais de 150 exoplanetas. Embora o acesso tenha sido restringido periodicamente nos últimos anos devido à pandemia de coronavírus, o HARPS permanece operacional e continua a buscar novos mundos com alta precisão.

No espaço, vários observatórios também auxiliam na busca de planetas, entre eles o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA, o Telescópio Espacial Hubble da NASA-European Space Agency (ESA) e o Characterizing Exoplanet Satellite (CHEOPS) da ESA. Vários outros telescópios enormes em construção no solo, incluindo o Telescópio Gigante de Magalhães e o Telescópio Extremamente Grande no Chile, estão programados para entrar em operação no final desta década, adicionando outros olhos poderosos à busca em andamento.

O Webb ajudará a aumentar a contagem de exoplanetas estudando detalhadamente as atmosferas de vários mundos relativamente próximos. Embora esse trabalho possa se concentrar principalmente em gigantes gasosos, os cientistas dizem que as observações do James Webb serão úteis para uma futura geração de observatórios com ótica ainda mais potente, pronta para ver planetas mais próximos da Terra.

O número de planetas pode chegar a bilhões apenas em nossa Galáxia, segundo os astrônomos.

Com informações de:


  1. https://www.space.com/nasa-confirms-5000-exoplanets-milestone

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

cinco × 1 =