O Fantástico Caso Delphos

Por: Fenomenum Comentários: 0

Um dos mais importantes casos de pouso de OVNIs ocorreu no começo da noite de 2 de novembro de 1971, na pequena cidade de Delphos, no estado americano de Kansas, nos Estados Unidos. O conjunto de evidências associados ao caso o tornam um dos mais sólidos casos ufológicos já registrados.


Neste artigo:


Introdução

Delphos é uma pequena cidade localizada  no estado do Kansas, região central dos Estados Unidos. Ela está situada 11 milhas a nordeste de Minneapolis, no Condado de Ottawa. Foi nesta cidade, atualmente com menos de 500 habitantes, que ocorreu um dos mais interessantes casos ufológicos, com vestígios físicos muito interessantes.

O local da observação foi na fazenda Durel Johnson, meia milha ao norte e meia milha a leste de Delphos. Uma área permeada de campos e linhas de árvores, em uma área bastante plana do estado. Ali, foi observado um objeto luminoso pousando no solo, por volta das 19 horas de 2 de novembro de 1971.

A testemunha principal do caso chama-se Ronald Johnson, na época com 16 anos de idade. Além dele, outras pessoas estiveram no local, acompanhando os desdobramentos do caso nos minutos seguintes ao aparecimento do objeto.

A testemunha principal do caso, Ronald Johnson, com 16 anos na época.

 

A Observação

Por volta das 19h00 (hora local) de 2 de novembro de 1971, Ronald Johnson cuidava das ovelhas, acompanhado de seu cachorro. A Sra. Johnson chamou da porta dos fundos da casa pedindo a Ronald que viesse jantar e ele respondeu que estava terminando o trabalho e já entraria. Depois que o Sr. e a Sra. Johnson terminaram a refeição, a Sra. Johnson chamou o menino novamente, mas desta vez ele não respondeu e embora não tenha visto ou ouvido nada de anormal ali, achou estranho.

Enquanto o casal jantava na casa, Ronald terminava seus trabalhos no curral e foi quando ouviu um som estrondoso e repentinamente surgiu um objeto luminoso e multicolorido. Sua luz não vinha de luzes individuais, mas sim de uma massa de cores variadas sobre toda a superfície. Embora uma superfície metálica real não pudesse ser vista, o menino pôde distinguir uma forma definida. O objeto parecia ligeiramente abobadado no topo e na base, com uma ligeira protuberância no centro e pairou 60 cm acima do chão, emitindo um brilho intenso em direção ao solo.

A testemunha estava a aproximadamente 23 metros de distância do misterioso aparelho e tinha uma visão bastante clara dele. Ao vê-lo, ele ficou parado e notou que o cachorro estava muito quieto. Ronald declarou posteriormente que as cores eram azul, vermelho e laranja e que elas não mudaram em nenhum momento. Ele estimou que tinha um diâmetro estimado de aproximadamente 3 metros e parecia ter pouco mais de 3 metros de altura.

Ele não conseguia ver nenhum detalhe da sua superfície por causa do brilho, que era bastante forte, chegando a iluminar as árvores da área, assim como o solo. O brilho era tão intenso  que seus olhos doíam quando olhava diretamente para o aparelho.

As ovelhas ficaram obviamente perturbadas pela presença do objeto, ou talvez pelo som por ele emitido, pois ficaram agitadas, berrando. Ronald comparou o som ao de uma velha máquina de lavar que vibra.

Depois de vários minutos, o OVNI emitiu forte brilhou na sua região inferior e começou a subir com velocidade considerável, passando pouco mais de um metro acima de um galpão próximo. Assim que passou o galpão, o objeto emitiu um som agudo, como o de um avião a jato.

Quando o som mudou, o menino ficou subitamente incapaz de enxergar, pois sua visão havia sido completamente ofuscada pela luz do objeto. E embora não pudesse ver, ele ainda podia ouvir o som do objeto, que se afastava rumo ao sul. Foi neste momento que a Sra. Johnson chamou-o novamente para o jantar.

Depois do que pareceram vários minutos, o menino começou a recuperar a visão. Ele viu o objeto no céu e correu para a casa. Ele disse a seus pais que um disco voador ou algo assim havia pousado e ainda era visível no céu. Os pais do menino puderam ver que ele estava assustado e excitado quando entrou na casa, entretanto não acreditaram no seu relato, a princípio, deixando-o muito irritado.

Então todos saíram ao quintal e avistaram uma grande luz brilhante, com metade do tamanho da Lua cheia no céu, ao sul. Ela estava visivelmente em movimento, afastando-se da casa da família. Assim que o objeto desapareceu, eles foram até o local de pouso apontado pelo menino. No local havia um círculo luminescente branco acinzentado, que brilhava na escuridão. Partes de árvores próximas também brilharam. O Sr. e a Sra. Johnson tocaram a superfície do anel, e perceberam que não estava quente. A textura da superfície do solo parecia estranha, como uma crosta lisa, como se o solo estivesse cristalizado.

A Sra. Johnson notou um entorpecimento imediato nas pontas dos dedos. Ela esfregou a mão na perna na tentativa de remover a sujeira e essa parte da perna também ficou dormente. Mais tarde, ela comparou a dormência à de um anestésico local. Por cerca de duas semanas, essa condição impediu a Sra. Johnson de fazer leituras de pulso em pacientes na casa de repouso onde ela trabalha, pois ela simplesmente não conseguia sentir nada com as pontas dos dedos. O Sr. Johnson também notou dormência em seus dedos, embora por um tempo menor. Apesar do evidente  e desconfortável efeito fisiológico, o casal não procurou um médico.

Verificando a marca, a sra. Johnson lembro que tinha uma câmera polaroid em casa e correu buscá-la para fotografar a marca. Pouco depois, o Sr. Johnson ligou para o Sr. Willard Critchfield, editor do jornal Delphos Republican.

Fotografia da estranha marca deixada pelo objeto, feita 10 minutos depois de sua passagem.

 

No dia seguinte, 3 de novembro de 1971, o Sr. Johnson e Ronald dirigiram até Delphos e conversaram com a Sra. Thaddia Smith, repórter do Delphos Republican, que redigiu um relatório para o xerife do condado de Ottawa, Enlow na tarde daquele mesmo dia:

Durante visita, o Sr. Johnson e Ronnie, mais cedo nesta quarta-feira, 3 de novembro, fiquei sabendo de alguns detalhes da noite anterior. Foi assim que me foi dito:

Ronnie, de 16 anos, acompanhado de seu cachorro, cuidava de seu rebanho de ovelhas por volta das 19 horas  quando de repente ele viu uma luz ofuscante e brilhante e ouviu um som alto e estrondoso que se transformou em um som semelhante ao de um motor a jato, e então a luz ascendeu aos céus na direção sul de uma área em um cinturão de árvores protegidas atrás de um casa de porco perto do curral de ovelhas.

Ele ficou quase paralisado de medo, mas finalmente conseguiu correr para casa e chamou seus pais para fora de casa para olhar a luz que ainda era visível no alto do céu ao sul de sua casa.

O menino e seu cachorro ainda estavam com medo. O cachorro perambulava pelo quintal com a cabeça erguida como se ainda procurasse o objeto.

A família foi até a área de onde o objeto foi visto subindo [sic]. Lá eles encontraram um grande círculo no chão que tinha um brilho fluorescente no escuro. A Sra. Johnson tirou uma foto da área.

Eu, depois de ouvir a experiência deles, um pouco cético, tendo minha curiosidade despertada e sendo repórter de jornal, resolvi ir até a casa da fazenda Johnson para tirar uma foto do local onde esteve o objeto.

Eu estava acompanhada de meu marido, Lester Smith, e de meu genro, Kenneth McCullick, que também estavam curiosos. Ao chegar ao local, soube instantaneamente que algo havia deixado evidências de que esteve lá.

O círculo ainda era muito distinto e fácil de ver. O solo estava seco e com crostas. O círculo ou anel tinha aproximadamente 3 metros de diâmetro, o centro do anel e a área externa ainda estavam lamacentos devido às chuvas recentes. A área do anel que foi seca tinha cerca de trinta centímetros de diâmetro e era de cor muito clara.

O objeto esmagou uma árvore morta no chão quando pousou ou decolou e, aparentemente, quebrou um galho de uma árvore viva quando pousou. O galho quebrado era muito incomum, ele se partia e quebrava como se estivesse morto há algum tempo, mas era verde sob a casca e a área superior ainda tinha folhas verdes agarradas aos galhos. No entanto, a área inferior estava livre de todas as folhas e parte da casca nas áreas inferiores parecia ter bolhas e um tom esbranquiçado.

Tirei uma foto da área e voltei para a redação do jornal para escrever minha história. Pensando nas coisas quase inacreditáveis que eu tinha visto, decidi ligar para o Concordia Weather Bureau para descobrir se eles tinham visto algum objeto não identificável no radar, e fui informado de que o radar não havia sido ligado e eles me aconselharam a notificar o xerife do condado de Ottawa. Liguei para KSAL em Salina para relatar o incidente. Eles também me aconselharam a comparecer ao escritório do xerife, o que eu fiz”.

 

Fotografia da marca, feita no dia 3 de novembro, por ocasião da visita da repórter Thaddia Smith e do xerife Harlen Enlow, ao local.

 

O subxerife Harlen Enlow também este no local e redigiu um relatório:

AVISO DE OVNI NA RESIDÊNCIA DE DUREL JOHNSON | N. 4 E. DE DELPHOS

Em aprox. 13h30 03/11/71, este oficial recebeu uma ligação de Thaddia Smith, repórter do Delphos Republican, avisando que um OVNI havia sido relatado às 19h00, 02-11-71, na fazenda Durel Johnson, 1 milha ao norte e 4 milhas a leste de Delphos. A Sra. Smith informou que havia relatado o incidente ao Weather Bureau em Concordia, Kansas, e à KSAL Radio em Salina, Kansas, e que ambos a aconselharam a relatar a este escritório.

Em aprox. 14h00 03/11/71, o xerife Ralph Enlow, o patrulheiro rodoviário do Kansas Kenneth Yager e o subxerife Harlan Enlow foram à fazenda Johnson e conversaram com o Sr. e a Sra. Johnson e seu filho Ronnie, que observaram o OVNI na noite anterior.

Fomos informados por Ronnie que em aprox. 19h00, 11-02-71, enquanto estava no curral com as ovelhas, ele ouviu um barulho alto e viu uma luz brilhante vindo de um cinturão de abrigo atrás do galinheiro. Enquanto ele observava, a luz subiu no céu e partiu na direção sul. Ronnie correu para dentro de casa e chamou seus pais, que saíram e viram o objeto no céu ainda indo para o sul.

Senhor. Johnson nos levou para trás da casa dos porcos, onde observamos um anel em forma de rosquinha com um buraco no meio. O anel estava completamente seco com o buraco no meio e fora da lama do anel. Havia galhos quebrados de uma árvore e uma árvore morta quebrada ali. Houve uma leve descoloração nas árvores. Recebemos uma foto tirada na noite anterior pela Sra. Johnson, que mostrava que o anel brilhava no escuro. O subxerife Enlow pegou uma amostra de solo do anel seco e a fotografou.

A amostra de solo coletada era quase branca e muito seca. Usamos um Monitor Radiológico da Defesa Civil para determinar que o solo não era radioativo. A amostra de solo e as fotografias estão guardadas no cofre do Gabinete do Xerife, aguardando uma investigação mais aprofundada pelas autoridades competentes.

Em 11-03-71, o Sr. Lester Ernsbarger, da 416 Argyle St. em Minneapolis, informou ao xerife Leonard Simpson que em aprox. 19h30 11-02-71 ele observou uma luz brilhante descendo no céu na área de Delphos.

Assinado: Harlan Enlow, Subxerife.

 

A Investigação

A investigação no local ocorreu na manhã de 4 de dezembro de 1971, conduzida pelo ufólogo Ted Phillips, especialista na análise de vestígios físicos.

Quando cheguei à pequena cidade de Minneapolis, no Kansas eu encontrei o xerife Enlow em seu escritório esperando minha chegada. Discutimos brevemente os detalhes do caso e recebi uma amostra de solo coletada pelo xerife em 3 de novembro de 1971, no dia seguinte ao suposto pouso. O xerife Enlow e eu fomos à fazenda Johnson, localizada 11 milhas ao norte de Minneapolis. 

Quando chegamos na fazenda a temperatura a neve estava derretendo. Na fazenda, a condição do lote era de um pântano. O Sr. Johnson e Ronnie nos encontraram no carro e fiquei impressionado com o interesse sincero deles no incidente ocorrido ali 32 dias antes. Comecei conversando com o jovem Ronald. Eu os descreveria simplesmente como moradores típicos do centro-oeste, com antecedentes rurais. O menino e seu pai são muito agradáveis e calmos, não muito entusiasmados com sua experiência incomum, mas bastante curiosos sobre o que o OVNI pode ter sido e o que poderia ter produzido uma marca no solo como a encontrada no suposto local de pouso.

Discuti a observação com Ronald enquanto o tempo limitado permitia, ele parecia sincero e não muito interessado em OVNIs ou voos espaciais. Ronald afirmou que havia lido alguns livros sobre OVNIs no passado; que fazia pelo menos um ano que não ouvia ou lia nada sobre o assunto; que ele esperava ver um OVNI algum dia, mas não acreditava que veria. Que eu saiba, não houve avistamentos de OVNIs na área central do Kansas durante o ano passado. Em nenhum momento ele tentou embelezar sua história com comentários ou teorias selvagens, e parecia que ele se esforçou muito para responder a cada pergunta corretamente e com o melhor de sua capacidade.

Durel Johnson afirmou que ele e a Sra. Johnson realmente correram para fora para ver o objeto brilhante no céu do sul. Infelizmente, nem o Sr. Johnson nem o menino foram capazes de fazer estimativas realmente sólidas dos períodos de tempo durante as observações. Como eles não são observadores treinados, havia muitos detalhes que eles não podiam fornecer com certeza.

Após a discussão do avistamento, fomos ao local de pouso. Para chegar ao local é preciso atravessar o lote da fazenda que já estava extremamente lamacento. A neve derretida havia deixado muita água parada junto com a lama. Ao nos aproximarmos do local, contornamos um pequeno galpão e passamos por árvores esparsas. Para minha surpresa lá estava o anel, com a neve derretendo do chão em toda a área ao redor, ainda visível após 32 dias. Estava perfeitamente delineado pela neve não derretida. Embora o solo circundante fosse extremamente úmido, descobrimos que, se a neve fosse removida de qualquer parte do anel, o solo diretamente abaixo da neve ficaria seco e de cor marrom claro, em contraste com o solo preto e úmido no centro e ao redor do anel.

Removemos a neve de uma seção da marca e introduzimos água na área exposta do anel: o solo não permitia que a água passasse pela superfície. Isso foi notável, pois houve vários centímetros de chuva e neve entre 2 de novembro e 4 de dezembro.

Em seguida, o Sr. Johnson e eu removemos uma amostra do anel. A amostra continha uma alta concentração de uma substância branca, e esse material branco era evidente em todo o solo anelar que expusemos. As partículas não foram encontradas no solo no centro do anel ou no solo circundante. O solo anelar estava bastante seco a uma profundidade de pelo menos trinta centímetros. O solo fora do anel também foi amostrado e era simplesmente preto e úmido a uma profundidade de pelo menos 20 centímetros. Não consigo imaginar o solo exposto aos elementos permanecendo tão seco por um período de tempo tão longo.

O local está localizado a cerca de 76 metros ao norte da fazenda. O solo no local é desprovido de toda a vida vegetal. Um galpão está localizado a 7 metros do centro do anel, uma borda do galpão estando a 140° S. a 8.22 metros, o outra borda 200° S. a 7.62 metros. O galpão tem 8.22 metros comprimento e 1.21 metros de altura no lado em direção ao anel e 1.52 metros de altura no lado sul. Uma cerca de madeira vai do galpão para o aprisco de ovelhas onde a testemunha estava, e o comprimento da cerca é de 15.54 metros. O menino parou 10 metros ao sul da cerca.

Entre o anel e o galpão existe uma árvore morta, localizada a 145° S. a uma distância de 4.87 metros do centro do anel. Esta árvore estava morta antes do incidente, mas estava de pé. O toco possui 17,78 centímetros e 17,78 centímetros de diâmetro e a quebra indica que a árvore pode ter sido quebrada quando o objeto desceu ao longo da sua trajetória.

Parece que a árvore foi empurrada em direção ao anel, mas caiu, possivelmente devido a uma seção fraca no lado leste do tronco, em ângulo reto com a trajetória de vôo. A árvore caída tem 3.35 metros e um exame longo e cuidadoso não revelou nenhuma marca em nenhum ponto ao longo de seu comprimento. Esta árvore poderia ter sido puxada com um trator e uma corrente, mas seria de se esperar encontrar marcas de correntes. O xerife Enlow e eu discutimos essa possibilidade e achamos que não era esse o caso.

Também adjacente à trajetória de vôo, encontram-se outras duas árvores com 15 cm de diâmetro: 125° S. a 6 metros e 180° S. a 4 metros de distância. A trajetória de voo teria sido entre essas duas árvores, cujos galhos se estendem em direção à trajetória de voo, sendo 3.35 metros separados sobre o chão. Duas árvores estão localizadas a 325° N. a 1.5 metros do centro do anel (30 cm da borda do anel) e a 35° N. em 1.5 metros do centro do anel. Essas árvores supostamente brilhavam e mostram uma leve descoloração no lado do anel.

Um grande membro quebrado é encontrado ainda curvando-se a 260° W a uma distância de 3.35 metros do centro do anel. O membro está quebrado em um ponto de 26 metros acima do solo. O membro foi quebrado para baixo e o diâmetro na quebra é de 7.62 centímetros. Quando estendido para sua posição original, o membro estaria bem próximo da borda do anel.

Um exame minucioso deste membro mostrou várias possíveis marcas de impacto. Uma marca em particular é interessante – em uma seção do galho que estaria muito perto do círculo – e tem cerca de 2.54 centímetros em comprimento: a casca foi descascada expondo uma superfície verde. Esta área definitivamente não era uma falha natural na casca. Este membro estava vivo no momento do suposto pouso, e teria sido necessária uma pressão considerável para o quebrar.

A entrada no local não teria sido possível ao norte ou leste, pois essas áreas contêm inúmeras árvores intocadas. Uma descida ou subida vertical estaria fora de questão, pois os galhos das árvores diretamente acima do anel não foram danificados. O galho quebrado mostrou o que pareciam ser bolhas de calor, enquanto os galhos eram verdes no centro, mas estalavam com a menor pressão. A trajetória de vôo parece ter sido como Ronald a descreveu: entre duas árvores, sobre a árvore caída, sobre o galpão baixo e para o sul. Um objeto com as dimensões descritas pela testemunha poderia ter entrado e saído do local de pouso. Um pouso de qualquer aeronave convencional está completamente fora de questão.

Depois de fazer as medições e fotografias apropriadas, voltamos para casa e novamente discutimos brevemente a observação.

Em seguida, voltei para Delphos e conversei com um representante do Concordia Weather Bureau por telefone. Ele afirmou que o meteorologista visitou o local e fez uma verificação de radiação, e que os resultados foram negativos. O meteorologista não pôde oferecer nenhuma explicação para o anel e sentiu que era realmente incomum.

Recebi fotos do local tiradas pelo Delphos Republican, em 3 de novembro de 1971, e uma pequena ramificação tirada no mesmo dia“.

 

Fotografia da marca, feita pelo ufólogo Ted Phillips, em 4 de dezembro de 1971.
O tronco quebrado, em fotografia feita pelo ufólogo Ted Phillips, em 4 de dezembro de 1971.

 

O galho quebrado, em fotografia feita pelo ufólogo Ted Phillips, em 4 de dezembro de 1971.

 

Uma segunda investigação de campo foi feita por Ted Philips, em 11 de janeiro de 1972, visando complementar as informações já obtidas sobre o caso. Novamente em Delphos encontrou-se com o xerife Enlow discutindo longamente sobre a possibilidade de o caso ter sido uma fraude. Ao final, concluíram que a possibilidade de fraude seria quase nula. Enlow redigiu uma declaração de confiabilidade sobre as testemunhas:

A QUEM POSSA INTERESSAR:

Em referência ao avistamento de OVNI na residência Durel Johnson perto de Delphos, Kansas, em 2 de novembro de 1971. Os Johnsons são residentes vitalícios do Condado de Ottawa e da Comunidade Delphos. Eles são bem conhecidos e respeitados pelos Oficiais deste Departamento. É a opinião deste Diretor que as informações fornecidas por eles seriam precisas com o melhor de seu conhecimento.

Em referência ao avistamento de OVNI em 2 de novembro de 1971, pelo Sr. Lester Ernsbarger de Minneapolis, Kansas. O Sr. Ernsbarger é funcionário do Departamento de Ruas de Minneapolis e policial reserva do Departamento de Polícia de Minneapolis. Eu sinto que suas informações seriam precisas com o melhor de seu conhecimento.

Assinado: Ralph Enlow, Xerife, Condado de Ottawa, Kansas.

 

Após a conversa com o xerife Enlow, Phillips foi até o escritório do jornal Delphos Republican, onde converseou novamente com o editor, Willard Critchfield e a repórter Thaddia Smith. Ali ele obteve uma declaração assinada da Sra. Smith, que havia ido ao local em 3 de novembro de 1971 e obtido amostras de solo e fotografias do galho caído. Ela também redigiu um relatório sobre o caso.

Depois de receber informações no final da tarde de 3 de novembro de 1971, que o pessoal do Gabinete do Xerife do Condado de Ottawa, da Patrulha Rodoviária e do Departamento Meteorológico do Condado de Cloud havia visitado o local e coletado amostras do solo e das árvores, eu, com meu marido retornamos para a fazenda Johnson naquela noite para obter mais informações que eles possam ter para o meu artigo de jornal sobre o misterioso OVNI.

A família Johnson, meu marido e eu, sem luzes, caminhamos no escuro até o local.

Quando vimos a área, pudemos ver muito distintamente o anel brilhante. Na área ao redor e dentro do círculo, não havia nada além de escuridão, dando à pessoa uma sensação estranha.

A família Johnson, tendo vivido na comunidade Delphos durante toda a sua vida, é respeitada, verdadeira, conscienciosa, confiável e uma típica família trabalhadora de fazenda do Kansas.

Assinado: Thaddia Smith, Repórter, Delphos Republican.”

 

A seguir, ele voltou para a fazenda Johnson para encontrar o Sr. Johnson e Ronnie. Ali revisaram o caso mais uma vez e não foram encontradas contradições. O Sr. Johnson acrescentou que o cão evitou o anel na noite seguinte ao avistamento, e ele retornaria à área somente depois que várias pessoas tivessem visitado o local no dia seguinte. O Sr. Johnson afirmou que morou na fazenda nos últimos 14 anos e que o local nunca teve nenhuma estrutura construída.

O Sr. Johnson afirmou que as ovelhas pulariam do curral todas as noites durante uma semana após o incidente. Além disso, por vários dias após o incidente, olhos de Ron Johnson ficaram doloridos e ele teve dores de cabeça.

Por ocasião da segunda investigação, o solo estava seco. O anel era levemente visível, pois era de uma cor ligeiramente mais clara que o solo ao redor. Os três regaram a área com vários baldes de água e, à medida que despejavam a água no solo, o anel tornou-se bastante proeminente. Como o solo ao redor absorveu imediatamente a água, ele ficou preto escuro, mas o solo anelar não permitia a penetração da água e simplesmente ficou com uma cor mais clara. A água permaneceu brevemente no solo anelar e de repente escorreu da superfície para uma seção inferior do solo no centro, ao fazê-lo, a superfície parecia seca. Era como se a água tivesse sido derramada sobre uma superfície de vidro.

A marca, fotografada pelo ufólogo Ted Phillips, 71 dias após o pouso do objeto.

 

Croqui, baseado no relato de Ron Johnson, representando a passagem do objeto e sua decolagem.

 

Croqui da área indicando a passagem do objeto.

 

 

Croqui indicando a passagem do objeto sobre a propriedade dos Johnson

 

Essa investigação ocorreu 71 dias após o fato e os efeitos provocados pelo estranho aparelho eram ainda muito significativos. Phillips e o Sr. Johnson reviraram o solo em várias áreas ao longo do anel, percebendo que o solo estava seco e continha ainda a substância branca. Eles conseguiram expor o solo a uma profundidade de 35 centímetros, constatando que o solo naquele ponto estava igualmente seco. Ele repetiu o processo nos limites da borda, até a profundidade de 15 centímetros, identificando que o solo de dentro do anel ainda permanecia seco e com a substância branca, contrastando com o solo úmido e escuro que o envolvia.

Na borda oeste do anel havia uma área que não foi seca e não continha nada do material branco. Nas medições, se constatou que o anel tinha um diâmetro irregular de 2.44 centímetros no diâmetro menor e com 3.66 centímetros no diâmetro maio, voltado para o leste. Isso é interessante, pois teria sido a favor do vento do centro do anel, sendo possível que o vento tenha agido como um agente de propagação.

Depois de passar várias horas na fazenda Johnson, Phillips voltou para Delphos e conversou com a Sra. Johnson em uma casa de repouso onde ela trabalhava. Ao relatar os acontecimentos da noite de 2 de novembro de 1971, ela confirmou a informação que foi dada pelo Sr. Johnson e Ronnie, declarando que o objeto visto no céu era bastante grande e brilhante e que estava se afastando deles, ficando menor. Ela disse que, ao tocar o solo anelar minutos após a alegada ascensão, sentiu-o frio. Parecia estranho, com uma sensação escorregadia e crocante. Ela sentiu o entorpecimento nos dedos e tentou remover a terra esfregando a mão na perna. Essa parte da perna também ficou dormente, uma condição que persistiu por mais de duas semanas.

A marca deixada pelo objeto, fotografada 42 semanas após a passagem do objeto.

 

Ron Jonhson e seus pais, diante da marca produzida pelo OVNI na propriedade da família, em Delphos, Kansas, em reprodução de jornal da época.

 

Análise das amostras

Phillips enviou amostras de solo para vários laboratórios. Um deles emitiu nota informando:

No recebimento, o solo do anel foi imediatamente verificado quanto à sua hidrofobicidade relatada pela adição de água a uma amostra à temperatura ambiente. Descobriu-se que o material se comportava quase como vidro, com a água simplesmente respingando em sua superfície. Uma espátula foi usada para quebrar à força a mistura aquosa, o que eliminou a hidrofobicidade para deixar uma suspensão avermelhada.

A mistura foi centrifugada para dar uma solução vermelha límpida que contrastava com a solução incolor obtida a partir de amostras de solo de controle tratadas de forma semelhante. Notou-se que todas as amostras de solo do anel eram igualmente resistentes à água.

Os espectros visíveis foram obtidos para o material do anel de superfície e sub-superfície, que mostraram uma maior absorção na região de 286-333 nm do espectro (Fig. 5). Cada curva foi registrada após a extração de 70 mg da amostra de solo relevante com 0,5ml de água. A maior absorção dos extratos de solo do anel em direção à região visível do espectro ilustra o grau de impregnação do solo do anel com o composto, em comparação ao solo controle“.

Apesar de tais características intrigantes, a natureza precisa do composto não revelou a identificação adequada.

No final dos anos 1970, o Battelle Memorial Institute em Dayton, Ohio, inesperadamente solicitou o material do solo do anel para análise.

O instituto conduziu isso com outro laboratório na cidade de Saint Louis nos meses seguintes. Mas, apesar dos vários pedidos de informação, nenhuma informação sobre estas análises foi divulgada ao público. Apesar dos contratempos envolvendo o Instituto Battelle, outros estudos científicos foram conduzidos. No final de 1977, o Dr. Erol Faruk conduziu uma importante análise química orgânica do material. Faruk descobriu que o solo do local do encontro estava contaminado com um composto semelhante a um sabão altamente solúvel em água; que paradoxalmente levou à sua hidrofobicidade (ou seja, uma capacidade física de repelir água) e, após o isolamento e caracterização, revelou propriedades quimioluminescentes (significando a emissão de luz de uma reação química). Mais tarde, Faruk declarou ao jornal Liberation Times:

Há esperança de que o caso possa render uma análise mais aprofundada. Em 2020, uma equipe de estudo da Kansas State University visitou a fazenda Delphos e desenterrou parte do material afetado, supervisionado por Ronald Johnson, que aos 16 anos testemunhou o incidente. 

Johnson enterrou a superfície do anel com mais solo normal após o incidente, o que significa que o material contaminado pode ter sido protegido de qualquer oxidação posterior.

A equipe KSU foi capaz de reproduzir a hidrofobicidade do solo do anel, em vídeo, que é uma anormalidade chave associada ao caso de 1971.

O estudo científico adicional poderia, portanto, ser potencialmente conduzido em amostras de solo isoladas recentemente, o que poderia render uma maior compreensão do que aconteceu naquele dia de novembro de 1971.

Uma possibilidade é isolar uma quantidade suficiente do sal de prata de cor vermelha e realizar uma análise isotópica dos elementos que o compõem.

Outra é verificar se o composto está presente como seu sal de cálcio quando o solo do anel é simplesmente extraído com água. Este resultado não seria esperado da extração de solo normal e sugeriria que o composto foi colocado lá de uma fonte externa.

Comparação entre solo afetado (à esquerda) e solo normal de fora da marca (à direita).

 

Gota d’água sobre uma amostra de solo afetado. Percebe-se que a água não penetra na amostra.

 

Testes de germinação em amostras afetadas (à esquerda, e não afetadas (à direita).

 

O anel em si era composto de uma substância esbranquiçada que foi levada para análise. A análise identificou um tipo de organismo intermediário entre bactérias e fungos que da família actiniomycete, gênero Nocardia, que quando estimulado por radiação ultravioleta emite luz junto com um fungo da ordem Basidomycetes.

Nas amostras de terra foram encontrados grandes variações nos minerais básicos.

Elemento Fora do círculo Dentro do Círculo Porcentagem de Variação
Zinco (Zn) 0.18 20.00 11111%
Manganês (Mn) 5.52 56.00 1014%
Magnésio (Mg) 87.00 730.00 839%
Ferro (Fe) 28.00 6.80 411%
Cálcio (Ca) 921.00 2400.00 263%
Cobre (Cu) 1.00 2.48 248%
Potássio (K) 940.00 1680 178%

As quantidades se expressam em partes por milhão.

O que poderia ter provocado tamanha alteração em uma área tão pequena?

Possíveis testemunhas de confirmação

Elton Smith trabalha no Centro de Atendimento Delphos como Principal-Educador. Em entrevista à Phillips, Smith relatou um avistamento ocorrido em Delphos, por volta das 18h20 de 2 de novembro de 1971:

Eu vi apenas um raio de luz descendo, ao norte de mim (na área aproximada de Delphos) enquanto eu caminhava para o norte do prédio da escola para o campo de futebol em Bennington, Kansas. Eu não vi um objeto, mas apenas pensei que era uma estrela cadente.

Outra possível testemunha chama-se Lester Ernsbarger, um funcionário do Minneapolis Street Department e policial da reserva, que observou uma luz brilhante no céu em direção a Delphos às 19h30. Phillips não conseguiu entrevistá-lo.

Casos semelhantes

Em seu estudo sobre o Caso Phillips identificou outros casos semelhantes. São eles:

Tucuman, Argentina, 31 de janeiro de 1963. Foram encontrados 2 anéis chamuscados, cada um 3.66 metros de diâmetros conectados, formando uma figura “8”. A polícia e os pesquisadores fizeram análises na superfície e abaixo dela, constatando que a 10 centímetros de profundidade as raízes também estavam queimadas “como se secassem a uma temperatura superior a 2.000 °, mas sem combustão ou chamas”. Nos anéis, foi encontrado um pó branco semelhante a cinzas. Mais tarde, Juan G. Perea, superintendente da fazenda vizinha “El Trenzel”, declarou que ele, sua esposa e filhos viram um objeto em forma de ovo passar por cima da fazenda e descer em direção à área exata onde as marcas foram encontradas. O objeto estava viajando a uma velocidade muito lenta.

Outro caso semelhantes ocorreu em Standoff, Alberta, Canadá, em maio de 1968. A Sra. Hoeffer observou um objeto circular e brilhante pousar a cerca de 300 metros de distância. Assustada, a testemunha fugiu. No dia seguinte, duas áreas queimadas de formato oval foram encontradas. Cavando no círculo maior, que tinha 2.74 metros de diâmetro e 1.88 de profundidade, revelou-se que havia sido queimado cerca de 0,91 metros. O centro do círculo não estava tão queimado quanto o perímetro externo. A grama cresceu na área queimada no ano seguinte, mas as ovelhas não a comeram. Além disso, o crescimento das plantas dentro do círculo era mais evidente, sendo mais verde e mais alto do que na área circundante. O segundo círculo tinha 60 centímetros de diâmetro.

Phillips apontou mais um caso, ocorrido em Boggabri, Austrália, em 19 de outubro de 1970. Marcas de solo incomuns foram encontradas na propriedade do Sr. W. Erratt, dentro de uma área cercada. O solo estava úmido e tinha as propriedades coesivas da argila, pois havia chovido intensamente sobre a região pouco antes da investigação do local, tornando o local bastante lamacento no momento da observação. No entanto, as porções iniciais de todos os furos foram endurecidas por dentro, como se tivessem sido submetidas a um grande calor. Isso contrastava marcadamente com o solo macio ao redor. Anéis de compressão foram encontrados em algumas seções transversais dos furos. Uma incrustação foi encontrada no interior dos orifícios ao longo do comprimento que foi endurecida e também foi encontrada na superfície, esta área também parecia seca e dura. O orifício central tinha cerca de 1.12 metros de diâmetro, com lados afiados e parecia ser cortado com um trado. Ele estava inclinado em cerca de 20° em relação à vertical e com 41 centímetros de. Uma incrustação branca foi encontrada em todos os orifícios. As marcações consistiam em uma “cratera” de 20 centímetros de profundidade e 1.83 metros diâmetro. Dentro da cratera haviam buracos, dispostos aparentemente simetricamente em torno de um buraco central.

O ultimo caso citado por Phillips ocorreu em Waihoke, Nova Zelândia, em janeiro de 1965. Ross Liverton relatou ter encontrado um anel em um cercado de ovelhas em sua fazenda. O círculo de terra nua tinha 2.44 metros de diâmetro. A área era pantanosa, mas depois de uma chuva forte o círculo reapareceu como se o solo abaixo fosse poroso. O resto do solo estava coberto de grama, mas o círculo não produziu nenhum crescimento. O anel tornou-se mais fraco até desaparecer após 4 anos.

Além dos casos citados por Phillips, a equipe de investigação do nosso grupo, o CIPEX, registrou um caso semelhante, ocorrido no distrito de Biscaia, em Ponta Grossa. Em março de 1988, dois geólogos da Companhia de Mineração do Paraná descobriram duas marcas circulares em uma estrada rural da região. Eram duas marcas carbonizadas, com evidente carbonização abaixo da superfície e a presença de uma substância oleosa que não pôde ser identificada. O caso está relatado neste link.

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =