Caso Thomas Mantell

Por: Fenomenum Comentários: 0

Trágico caso de perseguição de um caça P-51 Mustang à um grande UFO sobre o estado de Kentucky e que resultou na morte do piloto. O piloto, Thomas Mantell era um herói de guerra de 25 anos quando morreu durante a perseguição.

Neste artigo:

Introdução

Em 8 de janeiro de 1948 ocorreu um dos mais trágicos registros ufológicos da Ufologia Mundial. Neste dia vários pilotos de caças P-51 Mustang, do 165º Esquadrão de Caça, estavam em treinamento no estado do Kentucky, nos Estados Unidos. Ao final do exercício o Centro de Controle solicitou aos pilotos que investigassem a presença de um estranho objeto que estava sendo captado por radar. O objeto surgiu por volta das 13h15min, sendo avistado por policiais e aviadores da Godman Army Airfield em Fort Knox. A aparição alarmou os militares americanos pois dirigia-se para Fort Knox, local onde são guardadas as reservas de ouro dos Estados Unidos.

Thomas Mantell morreu em 7 de janeiro de 1948, quando seu avião de combate caiu do céu em Kentucky.

 

A Esquadrilha era composta inicialmente por quatro aviões. Um deles estava com combustível no fim e Mantell que ele voltasse à base e armasse seu avião com “armas quentes” para se preparar para o combate. Os outros três caças dirigiram-se para o local determinado. Quando chegaram aos 7.000 metros de altitude dois caças precisaram retornar, pois não possuíam equipamentos para grandes altitudes. Apenas o capitão Thomas Mantell permaneceu na perseguição ao objeto. Através do rádio Mantell relatava o desenvolvimento da perseguição. Ele relatou que o objeto era de grande porte (aproximadamente 70 metros de diâmetro), tinha superfície metálica e deslocava-se a aproximadamente 350 Km/h. Os outros pilotos que participaram da perseguição declararam posteriormente que o OVNI tinha formato de cone branco na parte de baixo e vermelho na parte de cima. Outras testemunhas descreveram a forma no céu como um “disco de 300 pés”, enquanto outros disseram que era um “cone vermelho flamejante arrastando uma névoa verde gasosa”.

Mantell permaneceu sozinho na perseguição e informou que abandonaria o objeto quando atingisse a altitude de 6.000 metros. Pouco depois perdeu-se o contato por rádio com Mantell. Menos de uma hora depois os destroços do avião são encontrados. Eles estavam espalhados em um raio de vários quilômetros indicando que o avião desintegrou-se durante o voo.

Os destroços do avião de Mantell que caiu no chão em terras agrícolas perto de Franklin.

 

O Governo Americano rapidamente colocou em funcionamento seu sistema de acobertamento de fatos. Eles explicaram o incidente como fruto de erro de interpretação dos pilotos que teriam confundindo Vênus com um OVNI e tentado persegui-lo. Quando atingiram mais de 6.000 metros sofreram os efeitos da altitude. Mantell teria subido demais e em determinado momento perdeu os sentidos perdendo o controle de seu avião. Ufólogos rapidamente contestaram os fatos, pois o objeto havia sido captado pelo radar o que exclui a possibilidade de o objeto ser o Planeta Vênus. Foi então alegado que o mesmo seria um balão Skyhook da Força Aérea Americana (USAF). Esta explicação também não faz sentido, pois Mantell e sua esquadrilha eram veteranos da Segunda Guerra Mundial tendo participado das mais importantes batalhas travadas pelos americanos na Europa. Ele e sua equipe tinham condições de identificar um balão. Além disso, a USAF não lançaria balões em área de treinamento militar no momento em que houvessem aviões em manobras. E se por acaso houvesse um lançamento o controle local seria informado dos testes com balões. E não houve qualquer comunicação neste sentido.

P-51 Mustang do Capitão Mantell ele estava voando no dia da perseguição.

 

Para Terry Mantell, neto do piloto, as explicações da Força Aérea dos Estados Unidos não se sustentam. “[O governo] tentou dizer que ele era um garoto voador, que ele era como Maverick em Top Gun, mas ele estava apenas fazendo o que lhe disseram para fazer. Ele tinha dois filhos, era casado com sua namorada do ensino médio, era um piloto experiente e morreu perseguindo algo que pensava ser uma ameaça para a América. O que foi? Não tenho certeza.“, disse Terry ao jornal The Sun Online.

Algumas dessas pessoas tiveram que conviver com isso por tanto tempo, deve ser gratificante para elas se apresentarem e compartilharem sua história. Por que eles mentiriam? Esses são grandes pilotos, o que eles têm a ganhar? E isso contrasta com investigações anteriores do governo dos EUA – como o Projeto Blue Book – que descartou totalmente os relatórios com OVNIs.”, disse Terry ao The Sun Online.

Capitão Mantell foi um herói de guerra condecorado – e para sua família a história ‘oficial’ do acidente nunca fez sentido.

 

Terry afirma que os controladores da torre de controle da Base da Força Aérea que testemunharam o encontro de Thomas com um OVNI “em forma de disco” foram instruídos a não falar sobre o que viram e se o fizessem, “perderiam suas pensões” – e, eventualmente, a tripulação foi dispersada pelos EUA. A família conseguiu localizar um dos aviadores que confirmou essa história para eles.

Thomas Mantell era um herói de guerra condecorado que voou no Dia D enquanto ajudava a enviar tropas para a Normandia. Ele ganhou uma coleção de medalhas, mas a que mais orgulha sua família é a Distinguished Flying Cross. O piloto foi premiado com a fita vermelha, branca e azul para uma missão que desafia a morte na Holanda em setembro de 1944. Voando no transporte C-47 Skytrain chamado “Vulture’s Delight”, ele estava rebocando um planador cheio de soldados. As armas antiaéreas nazistas abriram fogo contra a aeronave – quebrando o leme, incendiando a cauda e desativando alguns dos controles. Mantell tinha uma escolha – soltar o planador atrás das linhas inimigas, potencialmente condenando os soldados, ou arriscar a morte certa enquanto continuava a missão para deixar sua marca. Ele continuou sob a chuva de granizo do tiroteio alemão – e conseguiu manter o curso e liberar o planador com segurança. O avião de Mantell estava danificado e machucado, mas ele conseguiu carregá-la de volta ao mar até a base na Inglaterra. As fotos mostram o quanto o Vulture’s Delight foi danificado por ter sido destruído pelo tiroteio. O C-47 parecia que não deveria ter sido capaz de permanecer no ar, mas de alguma forma Mantell a manteve na longa jornada de volta. Foi um milagre ele ter chegado em casa. Seu neto Terry Mantell disse ao The Sun Online: “Seu avião foi atingido e, em vez de soltá-los e retornar, ele manteve o curso e atingiu sua marca no lançamento e voltou para a base com aquele avião. “Então ele salvou muitos caras no planador de serem soltos onde eles teriam sido destruídos, pois estavam atrás das linhas inimigas.”

 

 

A morte de Thomas Mantell foi amplamente divulgada pelos jornais dos Estados Unidos.

 

Thomas Mantell, que faleceu enquanto perseguia um grande disco voador sobre o estado do Kentucky, nos Estados Unidos.

 

Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.
Os destroços do avião ficaram espalhados por uma grande área.

Referências:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =