Cientistas se reunem para debater OVNIs

Por: Fenomenum Comentários: 0

Astronautas, autoridades e cientistas se reuniram em um simpósio para discutir a realidade dos fenômenos aéreos não identificados e sua investigação nos tempos atuais.


Neste artigo:


Introdução

O evento aconteceu no UAP International Research Symposium, evento virtual organizado pela empresa Vertical Project Media, que aconteceu no dia 16 de outubro de 2022.

O fenômeno UAP é real, foi comprovado, é uma realidade“, disse Jean-François Clervoy, astronauta condecorado da Agência Espacial Europeia (ESA), veterano e engenheiro da NASA, durante o evento. Questionado pelo anfitrião Nagib Kary sobre o que ele esperava da pesquisa atual no campo UAP, Clervoy respondeu que o campo é de grande interesse porque levanta questões ontológicas e filosóficas sobre quem somos como espécie e se os humanos estão sozinhos no universo.

Existem casos de eventos aeroespaciais não identificados em que sabemos, com evidências de apoio, que o evento ocorreu”, disse Clervoy. “Não é pura imaginação colectiva de todos, temos testemunhos de pilotos, de pessoas no terreno, detecções de radares, filmagens; os eventos ocorreram.”

Astronauta Jean-François Clervoy.

O astronauta culpou a falta de recursos dedicados a esta área pelo lento progresso obtido ao longo dos anos, apontando a criação do comitê técnico SIGMA 2 dentro da Associação Aeronáutica e Aeroespacial Francesa como exemplo para outras associações nacionais, que podem realizar estudos destes fenômenos.

Clervoy expressou sua opinião de que a hipótese extraterrestre continua sendo “a hipótese mais simples” no que diz respeito às possíveis causas subjacentes dos OVNIs, embora tenha acrescentado que “só porque é a mais simples, não significa que seja a explicação real“.

Meu sentimento é que provavelmente não é o único, mas estou totalmente aberto ao fato de que poderia ser“, disse ele durante o evento, acrescentando que os UAPs podem representar “algo mais que não podemos explicar e, portanto, nossa imaginação não pode.” Ele é capaz de apresentar outras ideias.

O astrônomo de Harvard Avi Loeb, que também foi entrevistado durante o evento, enfatizou que ainda não aprendemos sobre o universo, citando uma avaliação preliminar de Junho de 2021 do Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional da UAP como um ponto de inflexão.

As agências de inteligência e os militares dos EUA têm dados indicando que existem objetos reais“, enfatizou Loeb, acrescentando que os UAPs foram observados em vários instrumentos, citando declarações anteriores de John Ratcliffe; do administrador da NASA, Bill Nelson e do ex-presidente Barack Obama em torno do assunto, o que serviu de impulso para a fundação de seu próprio Projeto Galileo.

Avi Loeb, Astrônomo de Harvard .

 

O historiador militar Alexandre Sheldon-Duplaix também falou sobre objetos subaquáticos não identificados, ou OSNIs, citando vários casos apoiados por depoimentos de militares e altos funcionários. Sheldon-Duplaix argumentou que os relatórios do OSNI datam de meados do século 19, citando um relatório do oficial da Marinha Real e hidrógrafo Sir Frederic John Owen Evans.

Dos 258 relatórios submetidos ao Projeto Livro Azul da Força Aérea entre 1952 e 1969, 43% vieram da Marinha dos Estados Unidos, observou Sheldon-Duplaix.

O historiador militar Alexandre Sheldon-Duplaix

 

Entre as outras entrevistas apresentadas durante o evento, a palestrante Leslie Kean destacou a recente legislação aprovada pelo Senado dos EUA para promover a pesquisa UAP e a implementação de um Escritório do Departamento de Defesa (AARO). Embora ambas as iniciativas forneçam um 2023 promissor, o pesquisador também alertou que a circulação de teorias da conspiração ainda impede que muitos funcionários do governo arrisquem suas reputações e carreiras ao se envolverem na discussão.

Durante as entrevistas subsequentes, o cientista e ufólogo Jacques Vallée falou principalmente sobre que tipo de banco de dados poderia ser usado para procurar padrões nos relatórios UAP, enquanto o engenheiro e físico Philippe Guillemant propôs uma interpretação dos padrões nos relatórios como indicativo de seu mecanismo de propulsão.

Jacques Vallé, Astrofísico.

 

Mais tarde, o especialista da GEIPAN, Michael Vaillant, apresentou um modelo estatístico demonstrando como as ondas OVNIs ao redor do mundo têm uma distribuição e progressão exponencial semelhante àquela usada no cérebro humano para treinamento repetitivo ideal; uma estratégia que se enquadrava num processo educativo que julguei estar em curso para diminuir o choque cultural pela aceitação de uma civilização não-humana visitante.

Inimigos ou amigos?

Em outra parte do simpósio, Jean-Pierre Troadec, auditor do Instituto Nacional de Estudos Avançados de Defesa (IHEDN) conhecido por sua influência no relatório COMETA, conversou com o ex-diretor de Inteligência para Segurança Externa (DGSE, França) Alain Juillet, onde a questão era sobre a ameaça que os UAPs poderiam representar.

Até onde sabemos, nenhuma agressão foi demonstrada“, disse Juillet. “Claro, existem algumas histórias de OVNIs pairando sobre foguetes, mísseis de longo alcance, mísseis desativados, e é aí que dizemos, bem, talvez haja um pequeno problema aqui porque isso afeta a defesa”.

Para mim, é aqui que chegamos ao cerne do problema“, disse o ex-dirigente. “Se os OVNIs se tornassem hostis, o que aconteceria? A questão é: o que são e o que pode acontecer se o que temos visto esconde intenções bélicas?“.

Jean-Pierre Troadec, auditor do Instituto Nacional de Estudos Avançados de Defesa (IHEDN)

Juillet alertou que, embora não esteja ciente de nenhum comportamento abertamente agressivo observado em relatórios de UAPs, é importante garantir que os militares levem os relatórios deles a sério o suficiente para facilitar a preparação para essa possibilidade.

Este é o cerne da questão do ponto de vista da defesa“, concluiu Juillet.

Mais informações sobre o evento UAP de outubro, juntamente com gravações de entrevistas com seus participantes, podem ser encontradas online AQUI (embora você tenha que pagar para ver os vídeos, daí a pouca cobertura até agora).

 

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + 1 =