Coleta e Análise de Amostras em Casos Ufológicos

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Durante uma pesquisa de campo, o ufólogo pode deparar-se com materiais e substâncias de origem desconhecida, as quais devem ser analisadas. Saiba como coletá-las e preparar para análise.

A análise de evidências físicas é uma das atividades mais interessantes da pesquisa ufológica. Com a análise das evidências encontradas é que se obtém subsídios para provar definitivamente a existência do fenômeno OVNI. Com a evidência a ser analisada deve-se ter todo o cuidado durante a coleta, para evitar contaminações; durante o transporte, para que esta não se danifique; durante seu armazenamento, pois ela não deve ser contaminada; e durante as análises para que não se perca o material.

As principais evidências coletadas por ufólogos de todo o mundo são:

Comprovações Visuais: Quando um testemunho pode ser confrontado e confirmado através de fotografia e filmagens

Comprovações Físicas: Quando o testemunho é respaldado por evidências físicas passíveis de análise

Comprovações Fisiológicas: Quando a testemunha sofre fisicamente efeitos verificáveis decorrentes do contato vivenciado

 

Fotografias:

A análise fotográfica compreende as seguintes etapas:

1° – A análise do negativo – Com a análise do negativo é possível descobrir alguns tipos de fraudes, como riscos ou amassados. Esse tipo de análise deve ser realizada em microscópio e com o tempo realizando testes com negativos queimados pode-se aprender a reconhecer esses tipos de erros ou fraudes, que muitas vezes podem ser acidentais. É interessante verificar os negativos anteriores e posteriores da foto em questão.

2° – A fotografia revelada – Analisando a fotografia já revelada pode-se fazer uma série de análises. As análises mais comuns são:

Sombra do objeto coincidente com a sombra do meio ambiente (faz-se necessário verificar o local de obtenção da fotografia). Verifique neste caso, o horário de obtenção da fotografia e posição do Sol.

Detalhes do objeto (é muito comum surgirem fotografias de OVNIs com a “marca da Wolkswaghen ou similares, impressa” ).

Comparações de luminosidade

Formato de discos podem ser reflexos na lente da câmara que podem ser facilmente identificados analisando cuidadosamente a fotografia ou se possível o local pessoalmente procurando fontes de luz, como postes, lâmpadas ou até o próprio sol. Algumas vezes esses reflexos são de outros reflexos em capôs de automóveis ou algum outro tipo de metal. Esse tipo de OVNI é facilmente identificável com um pouco de treinamento.

3° – Análise na máquina fotográfica – Deve-se analisar a lente utilizada, a sensibilidade do filme utilizado, a velocidade, a abertura e o foco utilizado.

Dica Importante: tome o depoimento do autor da foto e verifique posteriormente se o relato coincide com a fotografia.

 

Filmagens

A análise das filmagens de OVNIs é um ramo interessante da pesquisa ufológica. Antes um vídeo ufológico tinha muito valor como evidência mas hoje, é cada vez mais fácil forjar um vídeo ufológico. Para isso, basta ter um computador e programas específicos para se produzir uma boa filmagem. Devido a esse fato deve-se analisar outros dados como idoneidade do autor da filmagem, possíveis interesses comerciais ou pessoais por trás da filmagem, etc. Conhecimentos diversos (astronômicos, meteorológicos, tecnológicos, etc) ajudam na hora de validar ou não um vídeo ufológico.

 

Marcas de pouso

A análise de uma marca de pouso de OVNI é de máxima importância para a pesquisa ufológica. Deve-se tomar todo o cuidado para uma análise deste tipo de ocorrência. Abaixo seguem algumas dicas:

 

Equipamentos úteis

  • Contador Geiger e detectores eletromagnéticos como magnetômetros ou eletrosensores – Para verificar a presença de radiação ou de gaus nos vestígios encontrados. A radiação dependendo de seu grau, também pode ser letal para a saúde dos moradores da região, bem como do pesquisador em questão.
  • Máquina fotográfica e Filmadora – Utilizados para documentar o vestígio encontrado. Filmar os vestígios além do OVNI também são importantes. Procure filmar medidas e as alterações das bússolas ou equipamentos.
  • Gravador – Utilizado para a entrevista com as testemunhas (se houver), ou na melhor das sortes os ruídos de OVNIs.
  • Trena – Para medir marcas ou distanciamentos de sinais no solo tipo tripés, marcas de pés, ou saliências deixadas pelos objetos ou seus tripulantes.
  • Bússola – Para verificar a presença de variação magnética ou eletromagnética não esquecendo de verificar hora distante do local, hora bem próximo chegando a se agachar se for necessário.
  • Bloco de anotações e lápis – Para anotar os dados do vestígio ou para não esquecer detalhes e medidas.
  • Gesso e Água – Em caso de marca de sapata, trem de pouso, ou pegadas não identificadas convém fazer moldes em gesso para análises posteriores. Para isto basta misturar gradativamente o gesso com um pouco d’água.
  • Canivete e estiletes – Utilidades gerais.
  • Potes e luvas cirúrgicas para coleta – Coleta-se os seguintes materiais para exame posterior. Plantas, solo, animais mortos ou partes deles. Pode ser que se encontre elementos desconhecidos (líquidos, sólidos, gelatinosos ou outros). Neste caso recomenda-se o uso de luvas cirúrgicas encontradas facilmente em farmácias. IMPORTANTE : Efeitos no pesquisador podem ocorrer (formigamento, amortecimento da mão, sensação de calor). Portanto, TODO CUIDADO É POUCO.
  • Sacos para coleta – Idem ao anterior.
  • Tesoura e pinças para coleta – Utilidades diversas.

 

Cuidados antes de iniciar a pesquisa

Ao chegar ao local do vestígio deve-se em primeiro lugar verificar a presença de radiação elevada na região do suposto pouso. Para isso, deve-se ter em meio a seu material de pesquisa e coleta ufológica, um contador geiger. Caso você não possa adquirir um, pois seu valor no mercado brasileiro é elevado, procure emprestar de alguma Universidade local ou adquiri um no estrangeiro com algum conhecido. Voltando às universidades geralmente departamentos de Física os possuem. Em caso positivo deve-se verificar o nível de intensidade da radiação. CUIDADO: Deve-se evitar o máximo a presença de pessoas e animais nas proximidades da marca e procure cercar a área com algum tipo de fita plástica daquelas amarelas e pretas utilizadas por empresas de construções ou pela polícia. São facilmente encontradas no mercado e de custo baixo.

 

Procedimentos

Em seguida no máximo dois pesquisadores devem verificar as medidas da marca com uma trena. Após isso, coleta-se o material para estudos posteriores. Os materiais a serem coletados são: vegetação de dentro e fora da marca deixada; solo de dentro e de fora da marca(cerca de 10 metros ou mais). Se houver materiais dentro da marca, devem ser coletados também sempre tomando o cuidado de utilizar as luvas cirúrgicas. As amostras devem ficar separadas umas das outras. O pote ou saco de coleta deve ser fechado de modo que nada entre ou sai dele. Em caso de haver pegadas ou marcas de trem de pouso ou outros, recomenda-se antes de mexer nelas, documentá-las, medi-las e depois realizar moldes em gesso. Com eles é possível fazer uma série de análises. Procure entrevistar todas as testemunhas.

 

Procedimentos finais

Avise aos moradores locais para que evitem se aproximar da marca. Procure ser rápido ao realizar os estudos necessários nas amostras para que elas não percam a validade.

 

Área Verde (vegetação) afetada por energias desconhecidas

A vegetação pode ser afetada de diversas formas. Um OVNI próximo pode provocar leve chamuscamento, carbonização e/ou outros efeitos. Quando árvores ou plantas são afetadas nota-se uma pequena área em evidência enquanto o restante da árvore e/ou planta permanece inalterada. Abaixo descreveremos como podem ser encontradas plantas afetadas em diferentes situações:

  • Leve chamuscamento – Neste caso nota-se uma diferença de coloração na região afetada. Nas bordas das folhas existe uma leve carbonização. Em alguns casos ela apresenta-se retorcida, como uma folha de papel que foi molhada e logo em seguida secou.
  • Muito Chamuscada – A planta apresenta-se alterada, com as folhas carbonizadas.
  • Seca – A planta apresenta-se seca, enquanto a vegetação ao redor da marca permanece verde.
  • Cozida – A planta apresenta-se cozida por algum tipo de radiação. A radiação microondas é a mais comum. Ela caracteriza-se por cozinhar a planta de dentro para fora, isto é, o lado de dentro irá estar mais cozido que fora. Isso pode ser melhor observado em microscópio.
  • Queimada – A vegetação fica carbonizada, e é justamente este tipo o realizado por fraudadores de casos ufológicos.
  • Efeitos fisiológicos de adubação – As plantas afetadas apresentam-se mais férteis, crescem mais rápido, são mais vistosas e vigorosas. Este tipo de fenômeno também foi observado nos famosos círculos ingleses.

** Obs: Note que podem ocorrer dois ou mais tipos em uma mesma planta afetada.

 

Solo afetado por energias desconhecidas

Notadamente em um solo afetado por fenômenos ufológicos costuma apresentar características peculiares e anormais. É comum em locais onde os OVNIs pousam, ocorrer os seguintes fenômenos:

  • Solo totalmente esterilizado – é comum o solo manter-se estéril por vários anos. As plantas existentes no local no momento do pouso e morrem pouco tempo depois. Nenhuma outra planta vai nascer ali por muitos anos. Em alguns casos até mesmo neve não se deposita nestes locais. Nestes casos também são constatados altos índices de radiação.
  • Solo super adubado – Uma pequena parcela de casos apresentam este tipo de efeito. Geralmente plantas que nascem nessas marcas apresentam-se mais vistosas, crescem mais rápido e produzem mais do que as plantas de fora da região afetada (ninho).
  • Solo compactado – O solo pode apresentar-se extremamente duro e compactado. Em alguns casos para se reproduzir o efeito gerado pelo OVNI é preciso manter amostras de solo em fornos a mais de 10.000 graus Celsius, por várias horas.

 

Objetos afetados por energias desconhecidas

Objetos próximos ao local de pouso do OVNI podem apresentar alterações magnéticas ou eletromagnéticas. Convém medir índices de radiação e variações nestes objetos.

 

Efeitos fisiológicos observados em animais e seres humanos

Todo tipo de efeito na testemunha deve ser observado. Podem ocorrer diversos deles. Os mais comuns estão relacionados abaixo:

 

Contaminação por radiação

 

Alterações na saúde da testemunha

(diarréia, vômito, dores em algumas partes do corpo, etc.) 

Marcas no corpo de pessoas ou animais

( feridas, queimaduras, cicatrizes, estranhos sinais, hematomas, etc.) 

Pegadas não identificadas

No caso de encontrar-se pegadas não identificadas deve-se fotografá-las e/ou filmá-las, medi-las e imediatamente fazer moldes em gesso.

 

Animais mortos em circunstâncias estranhas

Deve-se em primeiro lugar verificar pegadas próximas ao corpo do animal e se possível documentando o fato. Procure filmar e/ou fotografar a posição inicial em que o corpo foi encontrado. Em seguida verifique dados como: condições do corpo; estado de putrefação; presença de odor; partes do corpo ausentes; marcas deixadas no corpo, tipo de corte. Outros dados devem ser observados, tais como: presença de animais carniceiros, presença de radiação. Se possível procure coletar material (sangue e tecidos) para análises posteriores e se puder acompanhar-se de um profissional veterinário, melhor.

Outras – Critérios variam conforme o caso.

Após realizar a investigação do vestígio físico, comentado no item anterior, deve-se coletar amostras de solo para análise. Elas devem ser coletadas dentro e fora do vestígio físico. A amostragem deve ser inserida em um pote de coleta, de preferência esterilizado (não se esqueça de identificar corretamente com uma etiqueta colocando data, local e seu nome e/ou nome, ou número do caso). Deve-se coletar o mesmo número de amostras para que o exame das amostragens de dentro do vestígio também sejam realizados nas amostragens de fora do vestígio para a devida comparação científica.

Teste Comparativo

Comparando-se amostras de dentro e de fora da marca (ninho) deixada pelo OVNI pode-se encontrar diversos dados interessantes. Geralmente um solo afetado por OVNI apresenta-se mais seco, duro, com características diferentes das amostras de fora das marcas. Algumas vezes, amostras separadas por apenas um metro, no local da coleta, podem apresentar-se distintas.

Análise de pH

Um dos testes mais importantes é a análise de pH. Deve-se coletar uma amostra de dentro e outra de fora da marca deixada e colocá-los em um recipiente de vidro. Em seguida, adicione um pouco de água destilada. Colocar uma tira de papel de tornassol (que pode ser adquirida em boas casas do ramo, laboratórios ou mesmo nas Universidades), deixando-as por 10 minutos. Se o papel tornassol adquirir uma coloração vermelha a amostra terá caráter ácido (pH entre 1 e 6). Se o papel tornassol adquirir uma coloração azul será de caráter básico (pH variando entre 8 e 14). Se for detectado pH básico provavelmente será natural, visto que cinzas originadas de queimadas propositais ou não apresentam pH básico. Essa é uma boa forma de eliminar-se os casos falseados.

Análise de Emissões Eletromagnéticas

A análise de emissões magnéticas também é um forte fator que descarta a possibilidade de fraude na maioria dos casos. Com uma simples bússola (que nunca deve faltar em seus apetrechos), podemos detectar alterações magnéticas nas amostras. Detectores de radiação e Contadores Geiger também podem detectar variações na taxa de radiação.

Teste de Fertilidade

Outro teste que é possível realizar com as amostras de terra coletadas são os testes de fertilidade. Em pequenos vasos separados com cada amostra planta-se sementes em cada uma delas. Deve-se plantar a mesma espécie de vegetal para poder fazer uma comparação mensurável. No caso de germinar plantas em amostras de dentro e de fora da marca deve-se observar e comparar os seguintes dados:

  • tempo necessário para germinação
  • características das plantas
  • altura
  • taxa de crescimento

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

13 − dois =