Comissão da Força Aérea Uruguaia Investigou 1.570 Relatos de OVNIs

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Desde 1979, a Comisión Receptora e Investigadora de Denuncias de Objetos Voladores No Identificados (CRIDOVNI), realiza investigações a nível oficial, dentro da Força Aérea do Uruguai.


Neste artigo


Introdução

Uma das primeiras coisas que Bill Clinton fez quando entrou na Casa Branca depois de prestar juramento foi pedir todos os arquivos Secretos sobre obietos voadores não identificados (OVNIS) que eles possuíam. Barack Obama fez a mesma coisa durante sua presidência.

Mas quem foi mais longe foi Donald Trump que, antes de deixar Washington, sancionou um projeto de lei de financiamento do governo com uma clausula que autorizava os serviços de inteligência a contar ao Congresso tudo o que sabiam sobre OVNIs. Alem disso, eles foram obrigados a identificar possíveis “ameaças aeroespaciais” ou relacionadas, determinando se essa atividade poderia estar relacionada a “um ou mais adversários estrangeiros”. 

A resposta veio em Junho de 2021, quando o Diretor de Inteligência Nacional publicou um relatório dizendo que não tinha explicação para dezenas de OVNIs ligados a 144 incidentes desde 2004. As repercussões das revelações fizeram com que a questão aterrasse pela primeira vez em 50 anos no Capitólio, quando em meados de maio altos funcionários do Pentágono revelaram as descobertas aos legisladores por várias horas o que possuíam sobre as investigações. Eles até mostraram vídeos de avistamentos feitos por oficiais da Marinha e concluiram que não tinham explicação cientifica para o que esta acontecendo no céu. Eles disseram que esses fenômenos são uma ameaça à segurança da aviação dos EUA e devem ser tratados dessa maneira. Oficiais do governo não encontraram evidencias de que a vida extraterrestre estava nesses objetos voadores, nem descartaram isso. Eles também não conseguiram reconhecer se foi um grande avanço tecnológico de um adversário, como Rússia ou China, mas e uma possibilidade que eles tratam.

Coronel Sanchez, presidente da CRIDOVNI. Créditos: CRIDOVNI

 

Alienigenas ou avanço tecnológico desconhecido? O fascínio por esse tipo de fenómeno se mantém há gerações em todo o mundo. Até no Uruguai. E a nível oficial, A Força Aérea (FAU) tem a mais antiga comissão de investigacão de OVNIs do mundo. Chama-se Comisión Receptora e Investigadora de Denuncias de Objetos Voladores No Identificados (CRIDOVNI) e trabalha continuamente desde Agosto de 1979.

Ate hoje “não conseguimos verificar o fenômeno diretamente, não conseguimos verificá-lo, estamos tentando fazê-lo. Em suma, chegamos às mesmas conclusões que os norte americanos em termos de velocidades, giros no ar interações com humanos e plantas em terra ou na agua“, comenta o coronel Ariel Sánchez presidente da CRIDOVNI, ao Búzqueda. Temos as mesmas conclusões, a única coisa é que as dissemos há 20 anos e com orçamento zero. Apesar de pertencer à FAU esta comissão funciona a titulo honorário.

Nunca, em seus mais de 40 anos, eles foram financiados para realizar suas investigações. Os trabalhos começaram a pedido dos Estados Unidos (EUA) e da Organizaçao das Nações Unidas (ONU) devido ao numero de denúncias sobre OVNIs que foram registradas na década de 1970. Em 1978,  em Granada (pais caribenho) se reuniu a ONU através do Comitê do Espaço Exterior e eles discutiam a questão da probabilidade de vida extraterrestre e OVNIs. Nesta reunião os países signatários foram convidados a criar comissões de inquérito sobre estas duas questões. O Uruguai pegou essa referência e um ano depois nasceu o CRIDOVNI, explica Sánchez.

Para ele, a opção de que o responsável por esses fenômenos seja uma potencia inimiga dos EUA tem pouca validade. “Se fossem países com supernaves voando nos espaços aéreos seria raro que se manifestassem com luzes. E algo que nos perguntamos muitas vezes. Se é visto um objeto que não pode ser identificado, é capturado por um radar ou um piloto, por que o outro aparelho vem com as luzes acesas? Se voce for violar o espaço aéreo de um país, por qualquer motivo, você não virá com as luzes da aeronave acesas. Isso já dá a diretriz de que não podem ser os chineses ou os russos, como dizem os Estados Unidos, porque eles não vão se mostrar para serem vistos“, diz.

Uma das imagens analisadas pela equipe da CRIDOVNI. Créditos: CRIDOVNI

 

Interesse Oficial

A palavra OVNI está ligada há anos à noção de uma espaçonave alienígena. E um termo popular que significa “objeto voador não identificado“. Esta não é uma questão de acreditar ou não acreditar em OVNIs. Não e uma questão religiosa, é uma questão cientifica. As pessoas associam a palavra OVNI com extraterrestre, mas o que você deve se perguntar é: Vosê acha que há vida inteligente extraterrestre vindo para a Terra?

Acho que deve haver. O universo e tão vasto que não podemos ser os únicos. Mas essa vida inteligente extraterrestre pode estar chegando a Terra? Poderia. Assim como enviamos sondas para outros sistemas solares, como a Voyager, eles também estão enviando sondas de exploracão de outros lugares“, diz Sánchez. De 1979 a 2021, o CRIDOVNI investigou 1.570 denúncias. Delas, há 47 casos (3o do total) considerados “não convencionais, casos que estão em aberto porque tem um nível de estranheza muito alto e não permitem concluir “em nada conhecido até agora. Dependendo da situação do caso ou se ele se tornar público, Sanchez deve denunciá-lo ao comandante em chefe da FAU e ele informa o ministro da Defesa.

Ao contrário do que acontece nos EUA em mais de 40 anos de existência, nenhum presidente, senador, deputado ou membro do governo uruguaio ligou ou consultou o CRIDOVNI. “Não sei se é que o poder politico em geral não tem visto importância para a questão. A questão passa pela segurança aeronáutica. Essa questão sempre foi levada a sério na Força Aérea por todos os comandantes em chefe que já tivemos e por toda a comunidade militar. A prova estão os resultados que temos. Agora, do lado do poder político nunca fomos chamados por nenhuma comissão, por exemplo, de Ciência e Tecnologia, para saber do que se trata. Nenhum ministro da Defesa jamais nos convocou para ser informado das tarefas que o CRIDOVNI realiza“, diz Sanchez. Também ninguém decidiu investir dinheiro público em pesquisa. “O Uruguai nunca se interessou pela pesquisa aeroespacial ou de CRIDOVNI, que hoje e coroada internacionalmente pelos eventos ocorridos nos Estados Unidos, que mostram que não estávamos tão errados nas avaliações que vínhamos fazendo sobre as características do Tema OVNI“.

O Método Científico

Até agora, em 2022, o CRIDOVNI investigou 13 casos, dos quais não teve grandes problemas. A maioria são casos de “confusão” com algumas estrelas, alinhamento de planetas ou câmeras de segurança que tem imagens gravadas que acabam por ser problemas de umidade ambiental, confusão com ótica infravermelha. A maioria das queixas que a comissão recebe são de uma única testemunha. A idade média dos observadores esta na casa dos 40 anos. Os avistamentos atingem o pico durante o verão porque é quando as pessoas passam mais tempo ao ar livre. Hoje a área do Uruguai onde se registra o maior numero de reclamações e a zona costeira. De Montevideu ao leste. Os departamentos de Canelones, Maldonado e Lavalleja são os principais. Sánchez atribui isso a densidade demográfica. A observação detalhada das formas luminosas é a mais relatada (49%) Em seguida, as formas opacas, com 45%. O que menos se vê são os objetos detalhados e a observação de seres (26). Entre oito e nove da noite e o pico do maior numero de avistamentos relatados.

Quando o CRIDOVNI inicia uma investigação, estabelece várias categorias para estudar os fenômenos relatados. Começa com o que é tráfego aéreo, meteorologia, fatos astronômicos, passagens de satélites, lixo espacial, e assim uma infinidade de detalhes determinados a buscar uma explicação. A comissão conta com equipes multidisciplinares com engenheiros, psicólogos, meteorologistas, astrónomos, geólogos e arqueólogos que ajudam a decifrar esses enigmas.

Assim como o Pentágono, CRIDOVNI tem suas próprias conclusões com base nas denuncias e investigações coletadas ao longo dos anos. Algumas velocidades superiores a 10 coincidem (10 vezes a velocidade do som) e curvas próximas a 90 graus sem desacelerar foram observadas no radar. “Um piloto não poderia lidar com isso. Não há corpo humano que resista a essa carga”, explica Sanchez. Durante a aceleração, os OVNIs mudaram sua cor de branco amarelado para laranja avermelhado. Queimaduras de primeiro grau ocorreram em encontros humanos.Temos relatos de esferas que apareceram na frente de testemunhas. Temos até fotos de pessoas queimadas como se estivessem sob uma espreguiçadeira há muito tempo, acrescentou

Interagindo com as residências, houve quedas de energia, distúrbios eletromagnéticos, mau funcionamento de televisores, rádios, telefones celulares e vibrações em estruturas. Em voos próximos a aeronaves, ocorreram superaquecimentos dos sistemas de iluminação e alterações nos instrumentos de navegação. A maioria das reclamações se deve a pequenas esferas luminosas noturnas.

Para o presidente da CRIDOVNI, “estas conclusões feitas no Uruguai coincidem, em ultima analise, com as dos americanos. A única diferença é que dizemos há muito tempo sem orçamento e que estão dizendo agora, depois de gastar milhões de dólares em pesquisas. A riqueza que temos são as nossas pessoas que trabalharam nestes mais de 40 anos. Nosso capital não e dinheiro, mas conhecimento, experiência e trabalhar com lógica cientifica“.

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.