Contatos Ufológicos na Missão Apollo 14

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Fotos e documentos oficiais comprovam que nunca estivemos sós na exploração espacial.

A Apollo 14 foi lançada às 16 horas e 3 minutos de 31 de janeiro de 1971, entrando em órbita 12 minutos depois. Após um breve descanso e adaptação à gravidade zero, os astronautas iniciaram as checagens dos sistemas da nave, em preparação para a entrada na trajetória de injeção translunar.

Os astronautas da Apollo 14 portavam duas câmeras modelo Hasselblad 70mm no Módulo de Comando Kitty Hawk e outras duas no Módulo Lunar Antares. Além destas, eles portavam também três câmeras Maurer 16mm, para fazer filmagens das diferentes etapas do voo. Assim, ao longo da missão, eles obtiveram 1.342 fotografias e várias dezenas de horas de filmagens. Entre estas, existem dez imagens bem interessantes do ponto de vista ufológico. Nelas, podemos observar objetos luminosos na órbita da Lua ou acima de sua superfície. As fotografias AS14-66-9286, AS14-66-9295 e AS14-66-9301, por exemplo, foram obtidas durante as atividades extraveiculares. Elas registram um objeto luminoso, de cor azulada e formato esférico, sobre o local de pouso do Módulo Antares. Este objeto também foi registrado nas fotografias AS14-66-9290 e AS14-66-9297, acompanhado de outro objeto igualmente luminoso. Já a fotografia AS14-66-9342 mostra um objeto brilhante, de cor prateada, sobrevoando a superfície, também acima do local de pouso da missão.

Em órbita e durante as fases translunar e transterrena, outras fotografias foram obtidas. A fotografia AS14-72-9918, por exemplo, mostra parte da Apollo, iluminada pelo Sol, tendo ao fundo um objeto luminoso de cor clara e em formato de barril, não muito longe da cápsula com os astronautas.

Outras duas fotografias, identificadas como AS14-72-9923 e AS14-72-9925 são muito interessantes, pois apresentam um objeto em forma de disco, com coloração clara, quase branca, próximo a Apollo 14. A fotografia AS14-72-9930, por sua vez, apresenta um objeto esférico prateado em órbita, não muito longe da cápsula espacial.

Os arquivos contendo as transcrições das conversas ocorridas ao longo da missão também revelam eventos ufológicos. O documento Apollo 14 Technical Air-to-Ground Voice Transcription reúne alguns diálogos, envolvendo avistamentos de objetos espaciais não identificados. Na página 127, do referido documento, observamos um evento ocorrido no segundo dia da missão, ainda à caminho da Lua. O astronauta Stuart Roosa utilizava o sextante e o telescópio de bordo e com estes instrumentos observou dois objetos luminosos aos quais ele não pôde identificar. Em conversa com o Centro de Controle, em Houston, ele tentou informar o fato aos controladores, mas foi interrompido devido às situações do momento. Aproximadamente 1 hora e 30 minutos depois, ele foi questionado pelos controladores se ele observava algo fora da cápsula.

Centro de Controle – Você vê alguma coisa lá fora, Stu?
Stuart Roosa – Bem, agora estamos saindo atrás do Módulo Lunar. Parece que eu tenho algo aqui no sextante. Deixe-me puxá-la para o centro e ver como ela se parece.
Stuart Roosa – Bem Bruce, tenho duas coisas no sextante e… Você sabe, pode ser uma estrela fraca… Fraca… Eu não vejo nenhum… Nenhum balanço nelas ainda, porém quatro minutos e meio também não é tão rápido.
Centro de Controle – Entendido. Nós anotamos.
Stuart Roosa – Ok, perdi uma delas devido à luz que entra no sextante. E estou prestes a perder… Perder o outro objeto, seja lá o que for.

Este diálogo está disponível na página 132 do já citado Apollo 14 Technical Air-to-Ground Voice Transcription. Ainda no mesmo documento, existe outro trecho com conversas entre piloto Stuart Roosa e os controladores, comentando o fato. O diálogo, disponível na página 162, ocorreu no dia seguinte e nele percebe-se que tais objetos permaneceram sem identificação:

Centro de Controle – Ainda teremos alguns minutos. Nós acabamos de receber o artigo aqui, e nós estamos editando agora.
Stuart Roosa – Ok… IVB, Bruce. Eu estava pensando sobre isso o que você… Eu poderia ver através do sextante. Você sabe… Eu tinha duas… Pareciam duas estrelas fracas no… no sextante naquela atitude indicadora. E, na verdade, não vi nenhum movimento de balanço em qualquer um deles. E eles estavam separados provavelmente por cerca de meio a três quartos de grau. Eu diria 0.5 a 0.6 de uma separação de graus entre os dois, mas eu realmente não podia ver nada que determinasse se eu estava olhando para o S-IVB ou uma estrela, uma estrela fraca.
Centro de Controle – Entendido. Nós anotamos, Stu…
Stuart Roosa – Eu realmente esperava o… Eu acho que eu realmente esperava que o S-IVB fosse mais brilhante do que qualquer um destes dois objetos que eu vi.

Vale lembrar que os astronautas das Apollo passavam por rigoroso treinamento para todas as etapas e circunstâncias da missão. O conhecimento e a experiência adquirida pelos tripulantes e pela NASA em uma missão era aplicado já na missão seguinte. Dessa forma, a cada nova missão, os astronautas estavam mais preparados e treinados do que na missão anterior. Um dos treinamentos visava a identificação de objetos espaciais, sejam eles planetas, estrelas, satélites ou lixo espacial. A bordo da cápsula, havia cartas celestes para identificação de cada planeta ou estrela observáveis pelos astronautas. O astronauta Stuart Roosa era responsável pela navegação e, portanto o mais capacitado a reconhecer objetos espaciais. O fato de ele não ter identificado ambos os objetos é muito sugestivo.

Objeto luminoso, de cor azulada, sobre o local de pouso da missão Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor azulada, sobre o local de pouso da missão Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor azulada, sobre o local de pouso da missão Apollo 14.

 

Objeto luminoso, sobre o local de pouso da Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor azulada, sobre o local de pouso da missão Apollo 14.

 

Objeto luminoso, sobre o local de pouso da missão Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor clara, nas proximidades do Módulo de Comando da Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor clara, nas proximidades do Módulo de Comando da Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor clara, nas proximidades do Módulo de Comando da Apollo 14.

 

Objeto luminoso, de cor clara, nas proximidades do Módulo de Comando da Apollo 14.

 

Objeto alongado, nas proximidades da Apollo 14, em uma região entre a Terra e a Lua.

 

Trecho do documento Apollo 14 Technical Air-to-Ground Voice Transcription, contendo comunicações travadas durante avistamento ufológico.

 

Trecho do documento Apollo 14 Technical Air-to-Ground Voice Transcription, contendo comunicações travadas durante avistamento ufológico.

 

Astronautas da Apollo 14. Stuart Roosa (esquerda), Alan Bean (centro) e Edgar Mitchell (direita).

 

Este estudo resultou na obra imperdível intitulada UFOs no Espaço e na Lua, de autoria de Jackson Luiz Camargo. O livro pode ser adquirido pelo Whatsapp/Telegram: (41) 98893-0383.

 

Referências:


  1. CAMARGO, Jackson. Entre o Céu a Terra – Uma história de aventura, mistérios e UFOs. Curitiba: Clube de autores, 2018.
  2. CAMARGO, Jackson. UFOs no Espaço e na Lua. Curitiba: Coleção Biblioteca UFO, 2020.
  3. CAMARGO, Jackson Luiz. Intrusos na Lua. Revista UFO, Campo Grande, nº 107, p. 21-21, fevereiro 2005.
  4. Transcrição das comunicações – Jhonson Space Center
  5. Apollo 14 Onboard Voice Transcription-Command Module
  6. Apollo 14 Onboard Voice Transcription-Lunar Module
  7. Apollo 14 Mission Commentary-Voice Transmissions
  8. Apollo 14 PAO Mission Commentary Transcript
  9. Apollo 14 Technical Air-to-Ground Voice Transcription

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

2 × 5 =