Descoberta científica fortalece possibilidade de vida fora da Terra

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Descoberta extraordinária sobre as origens da vida: ‘A possibilidade de aumento da vida extraterrestre’.


Existem muitas formas de vida microbiana na Terra há pelo menos 3,75 bilhões de anos. Isso é sugerido por um novo estudo realizado por pesquisadores da University College London, que desafia a teoria tradicional do início da vida. Para o estudo, publicado em Science predecessor, a equipe de pesquisa analisou uma rocha do tamanho de um punho, vinda do Quebec, Canadá, estimada em 3,75 a 4,28 bilhões de anos. Em um artigo anterior publicado na Nature, a equipe encontrou minúsculos filamentos, saliências e tubos na rocha que parecem ter sido produzidos por bactérias. No entanto, nem todos os cientistas concordam que essas estruturas – que datam de cerca de 300 milhões de anos atrás do que é geralmente aceito como o primeiro sinal de vida antiga – eram de origem biológica.

Agora, após uma análise minuciosa da rocha, a equipe descobriu uma estrutura maior e mais complexa – um tronco com galhos paralelos em um lado de cerca de uma polegada de comprimento – bem como centenas de bolas deformadas, ou elipsóides, ao lado de tubos e filamentos.

A amostra analisada, que revelou os fósseis mais antigos já registrados na Terra.

 

Os pesquisadores explicaram que, embora algumas estruturas possam ter sido criadas por meio de reações químicas aleatórias, o tronco “em forma de árvore” com galhos paralelos provavelmente é de origem biológica, pois nenhuma estrutura criada apenas pela química foi encontrada.

A equipe também forneceu evidências de como as bactérias obtêm sua energia de diferentes maneiras. Eles descobriram produtos químicos metálicos nas rochas que correspondem a micróbios antigos que subsistiam de ferro, enxofre e possivelmente até dióxido de carbono e luz através de uma forma de fotossíntese que não incluía oxigênio.

Essas novas descobertas, de acordo com os pesquisadores, sugerem que um grupo diversificado de vida microbiana pode ter existido na Terra no início de apenas 300 milhões de anos após a formação do planeta .

O autor principal Dominic Papineau (UCL Earth Sciences, UCL London Center for Nanotechnology, Center for Planetary Sciences, China University of Geosciences) disse: Usando muitos tipos diferentes de evidências, nosso estudo sugere fortemente que diferentes tipos de bactérias existiam na Terra entre 3,75 e 4,28 bilhões de anos atrás.

Isso significa que a vida começou apenas 300 milhões de anos após a formação da Terra. Geologicamente falando, velocidade: uma revolução do sol ao redor da galáxia. Esses resultados têm implicações para a possibilidade de vida extraterrestre. Se a vida é relativamente rápida para surgir, sob as condições certas, isso aumenta as chances de a vida ser encontrada em outros planetas“.

Para o estudo, os pesquisadores examinaram rochas do Cinturão Supracrustal Nuvvuagittuq de Quebec (NSB) que Babineau coletou em 2008. O NSB, que era um pedaço do fundo do mar, contém algumas das rochas sedimentares mais antigas conhecidas na Terra, que se acredita terem sido depositadas próximo ao sistema de ventilação hidrotermal, onde rachaduras no fundo do mar permitem a passagem de água rica em ferro aquecida pelo magma.

A equipe de pesquisa cortou a rocha em seções de papel grosso (100 mícrons) para ver mais de perto as minúsculas estruturas semelhantes a fósseis, que são compostas de hematita, uma forma de óxido de ferro ou ferrugem, e revestidas com quartzo. Essas “fatias” de rocha tinham mais que o dobro da espessura das seções anteriores que os pesquisadores haviam cortado, permitindo que a equipe observasse estruturas maiores de hematita dentro delas. Eles compararam as estruturas com fósseis e bactérias mais recentes encontrados hoje perto de sistemas de fontes hidrotermais. Eles descobriram equivalentes modernos de filamentos torcidos, estruturas de ramificação paralelas e esferas deformadas (elipsóides irregulares), por exemplo, perto do vulcão submarino Loihi, perto do Havaí, bem como em outros sistemas no Ártico e no Oceano Índico.

Além de analisar as amostras de rochas usando vários microscópios ópticos e microscópios Raman (que medem a dispersão da luz), a equipe de pesquisa também recriou digitalmente seções das rochas usando um supercomputador que processou milhares de imagens de duas tecnologias de imagem de alta resolução. A primeira técnica foi a tomografia computadorizada, ou microimagem, que usa raios X para observar a hematita dentro das rochas. O segundo é o feixe de íons focado, que penetra em pequenas seções de rocha – com 200 nanômetros de espessura – usando um microscópio eletrônico integrado que tira uma imagem entre cada seção.

Ambos os métodos produziram inúmeras imagens usadas para criar modelos 3D de diferentes lentes. Os modelos permitiram aos pesquisadores confirmar que os filamentos de hematita eram ondulantes, torcidos e continham carbono orgânico, características compartilhadas com micróbios modernos comedores de ferro.

Imagem do local de extração das amostras analisadas.

 

Na análise, a equipe concluiu que as estruturas de hematita não poderiam ter sido criadas por compressão e aquecimento da rocha (metamorfose) ao longo de bilhões de anos, observando que as estruturas parecem estar melhor preservadas em quartzo mais fino (menos afetado pelo metamorfismo) do que nas matérias-primas (que sofreram mais metamorfismo).

Os pesquisadores também analisaram os níveis de oligoelementos nas rochas cheias de fósseis e descobriram que eles apresentavam os mesmos níveis de outras amostras de rochas antigas. Isso confirmou que os sedimentos do fundo do mar eram tão antigos quanto as rochas vulcânicas circundantes e não eram intrusões tão menores quanto alguns esperavam.

Antes dessa descoberta, os fósseis mais antigos relatados anteriormente foram encontrados na Austrália Ocidental e datados de 3,46 bilhões de anos, embora alguns estudiosos também tenham contestado o status do fóssil, argumentando que eles não são de origem biológica.

 

 

Com informações de:


  1. https://www.newsnetnebraska.org/extraordinary-discovery-of-the-origins-of-life-the-possibility-of-extraterrestrial-life-increasing/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

14 + dez =