Cientistas sugerem a possibilidade de detectar naves alienígenas

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Segundo o estudo, seria possível detectar ondas gravitacionais originadas por meganaves alienígenas.


Neste artigo:


Introdução

A questão de saber se existe vida alienígena inteligente em nossa galáxia poderia ser respondida por ondas gravitacionais.

De acordo com um novo artigo escrito por um grupo internacional de cientistas e engenheiros chamado Applied Physics, detectores terrestres como o Laser Interferometer Gravitational Wave Observatory ( LIGO ) deveriam – teoricamente – ser capazes de detectar as ondas gravitacionais geradas pela megatecnologia extraterrestre.

Isso, dizem os pesquisadores, estenderia a busca por inteligência extraterrestre além dos vizinhos mais próximos da Terra para todas as estrelas da galáxia.

O artigo, ainda a ser revisado por pares, será submetido ao  Royal Astronomical Society e já  pode ser encontrado no servidor de pré-impressão arXiv .

Se a Terra é a única no Universo a hospedar vida inteligente (ou mesmo vida) é uma das maiores questões em aberto que atormentam a humanidade. Mas nossa capacidade de procurar tecnologias reconhecíveis é limitada a apenas algumas dezenas de milhares de estrelas. Os tipos de ondas eletromagnéticas que usamos para nos comunicar enfraquecem, ou atenuam, à medida que se espalham, tornando praticamente impossível filtrar o ruído além de algumas centenas de anos-luz.

Mas os sinais das ondas gravitacionais são diferentes. Eles não atenuam da mesma forma que os sinais eletromagnéticos e podem ser detectados em distâncias maiores. Então, se houvesse uma civilização alienígena inteligente com tecnologia capaz de gerar ondas gravitacionais poderosas, talvez pudéssemos detectá-la.

As ondas gravitacionais são praticamente a única ferramenta que temos para sondar o cosmos que não depende da luz. Eles são gerados por eventos maciços. Aqui na Terra, as ondas gravitacionais que detectamos foram produzidas por colisões entre objetos compactos massivos, buracos negros e estrelas de nêutrons. Quando esses cadáveres estelares se fundem, a inspiração e a colisão enviam ondulações no próprio tecido do espaço-tempo – um pouco como a maneira como uma pedra jogada em um lago gera pequenas ondas, exceto em todas as direções e na velocidade da luz.

Na verdade, qualquer objeto com massa que acelera produz ondas gravitacionais. Mas as ondas gravitacionais produzidas por algo tão poderoso quanto um grande foguete ainda seriam muito pequenas para nossas atuais capacidades de detecção. Então, se uma civilização alienígena tivesse tecnologia capaz de produzir ondas gravitacionais que pudéssemos detectar, teria que ser impressionante.

Liderados pelo físico Luke Sellers, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, os pesquisadores começaram a calcular o tamanho e a velocidade de uma espaçonave alienígena que seria detectável pelo LIGO – o que eles chamaram de espaçonave de aceleração rápida e/ou maciça (RAMAcraft).

Eles determinaram que o LIGO é capaz de detectar um RAMAcraft em torno da massa de Júpiter ( 317,8 massas terrestres , então podemos descartar a possibilidade de fazer um em breve), com um motor de dobra que pode acelerar a 10% da velocidade da luz. Se tal espaçonave operasse a cerca de 100 quiloparsecs, ou 326.000 anos-luz, da Terra, poderíamos detectá-la.

Como o disco da Via Láctea tem um diâmetro de até cerca de 260.000 anos-luz , isso cobriria confortavelmente as estrelas de nossa galáxia.

Nosso estudo de motores de dobra abriu caminho para a detecção de ondas gravitacionais“, diz o físico Gianni Martire , CEO da Applied Physics.

Este novo método não se limita à faixa tradicional de sinais eletromagnéticos. Portanto, já temos a capacidade de sondar todas as milhares de estrelas da Via Láctea em busca de motores de dobra e, em breve, a capacidade de sondar milhares de outras galáxias.”

Os detectores de ondas gravitacionais propostos para desenvolvimento futuro, como o DECi-hertz Interferometer Gravitational Wave Observatory e o Big Bang Observer, devem ser 100 vezes mais sensíveis que o LIGO e podem, portanto, expandir o volume de pesquisa em milhares de vezes, dizem os pesquisadores.

Todos esses são grandes SEs. Mas agora que as bases foram lançadas, a equipe espera generalizar seus métodos para procurar objetos menores perto de casa. Essas buscas transformariam as ondas gravitacionais em unidades RAMAcraft Detection And Ranging (RAMADAR).

A detecção de ondas gravitacionais é uma ciência sofisticada, embora ainda esteja em sua infância”, escrevem os pesquisadores em seu artigo .

Conforme a metodologia é desenvolvida, a sensibilidade dos detectores pode se tornar tal que a detecção desses objetos seja uma ocorrência regular. Nesse espírito, seria interessante concluir uma busca completa por esses objetos… Convidamos a comunidade científica para se juntar a nós.”

A pesquisa será submetida à Royal Astronomical Society e está disponível no arXiv .

 

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − dois =