Estudo modela potencial gêmeo da Terra em torno de Alpha Centauri

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Pesquisadores criaram um modelo preciso do que seria um planeta rochoso, capaz de abrigar vida, em Alfa Centauri.


Zurique (Suíça) – Embora ainda não se saiba se as duas estrelas duplas Alpha Centauri A e B, nossos vizinhos espaciais, são orbitadas por um (ou mais) planetas semelhantes à Terra, cientistas suíços agora têm uma ideia baseada em modelos sobre como um hipotético planeta seria e como ele poderia ter evoluído.

Como a equipe internacional liderada pelo astrofísico Haiyang Wang, da ETH Zurich (Instituto Federal de Tecnologia de Zurique), relatou antecipadamente via ArXiv.org e atualmente no “The Astrophysical Journal“, o objetivo de seus modelos e simulações era prever o composição elementar de um planeta rochoso hipotético na zona habitável do sistema Aslpha-Centauri A/B.

Esta modelagem é baseada nas composições químicas medidas espectroscopicamente das duas estrelas Alpha Centauri A e B, para as quais uma riqueza de informações está disponível tanto para elementos formadores de rochas, como ferro, magnésio e silício, quanto para elementos voláteis, como hidrogênio, carbono e oxigênio.

Usando esses dados, os pesquisadores agora foram capazes de tirar conclusões sobre possíveis composições de um possível corpo planetário orbitando uma das duas estrelas e, assim, chegaram a previsões detalhadas sobre as propriedades do planeta modelo, que eles chamaram de “α-Cen-Terra “. Essas previsões agora incluem declarações sobre a estrutura interna, mineralogia e composição atmosférica deste modelo. Esses traços, por sua vez, são fundamentais para entender sua evolução a longo prazo e potencial de habitabilidade, de acordo com os autores do estudo.

O resultado é a imagem intrigante de um possível exoplaneta semelhante à Terra nas órbitas do sistema Alpha Centauri Centauri A/B, com um manto dominado por silicatos, mas rico em espécies carbonáceas como grafite e diamante. A capacidade de armazenar água em seu interior rochoso provavelmente corresponde à do nosso planeta natal.” De acordo com o estudo, a Terra α-Cen também difere de maneiras interessantes da Terra, com um núcleo de ferro um pouco maior, menos atividade geológica, e uma possível ausência de placas tectônicas. “A maior surpresa, no entanto, foi que a atmosfera primitiva do hipotético planeta de dióxido de carbono.

 

“Estes são tempos emocionantes para a pesquisa de exoplanetas, passando da demografia para a caracterização detalhada. O Telescópio Espacial James Webb (JWST), que decolou com sucesso em dezembro de 2021, visa detectar as atmosferas de exoplanetas rochosos orbitando anãs M – estrelas que brilham mais fracas que o sol – em sua “zona habitável”. Espera-se que o Extremely Large Telescope (ELT), atualmente em construção no Chile, fotografe diretamente exoplanetas rochosos perto de estrelas semelhantes ao Sol até o final da década. Olhando ainda mais para o futuro, conceitos ambiciosos para futuras missões espaciais estão sendo explorados, incluindo o Large Interferometer for Exoplanets (LIFE), que visa exoplanetas rochosos na zona habitável e suas atmosferas. A ETH Zurich está encarregada ou significativamente envolvida nesta e em outras infraestruturas de observação. A pesquisa complementar do Instituto de Física de Partículas e Astrofísica trata de modelos numéricos, essenciais para a compreensão de exoplanetas na zona habitável e para o desenvolvimento de futuras missões e instrumentos. (Fonte: ETH Zurique)”.

 

Renderização artística do planeta “Proxima d”, um candidato a exoplaneta identificado no início deste ano, orbitando a tênue estrela anã vermelha Alpha Centauri C (Ilustração). Créditos: ESO/L.

 

Como explica o comunicado de imprensa da ETH sobre o estudo, o que diferencia o estudo é que ele faz previsões sobre elementos voláteis em um exoplaneta rochoso. Embora se saiba que a composição química de planetas “terrestres” (ou seja, semelhantes à Terra), como aqueles compostos predominantemente de rocha e metal, geralmente reflete suas estrelas hospedeiras, isso só é verdade para os chamados elementos refratários, ou seja, os principais componentes de rocha e metal. Isso não ocorre com os elementos voláteis (elementos que evaporam facilmente, como hidrogênio, carbono e nitrogênio), que são a chave para determinar se um planeta é potencialmente habitável”.

Mesmo que nenhuma Terra α-Cen tenha sido descoberta ainda, os pesquisadores avaliam a probabilidade de realmente encontrar um irmão mais velho de nossa Terra – o sistema α Centauri A/B é 1,5-2 bilhões de anos mais velho que o Sol.

Imagem do Hubble das duas estrelas Alpha Centauri A e B, que juntamente com a anã vermelha Alpha Centauri C formam um sistema estelar triplo e também são as estrelas mais próximas do nosso sol. Créditos: ESA/Hubble & NASA

 

Com informações de:


  1. https://www.grenzwissenschaft-aktuell.de/studie-modelliert-potenziellen-erdzwilling-um-alpha-centauri20220316/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro × dois =