Estudo sugere que exoluas podem abrigar vida alienígena

Por: Fenomenum Comentários: 0

Uma nova análise revela que exoluas distantes são candidatos surpreendentes na busca por vida extraterrestre.


Neste artigo:


Introdução

Uma equipe liderada pelo Instituto Max Planck de Física Extraterrestre (MPE) acredita que luas orbitando planetas desonestos – planetas que se libertaram de sua estrela hospedeira e estão vagando pelo espaço profundo – podem ser um candidato surpreendentemente interessante na busca por vida alienígena.

Em um novo estudo, publicado no International Journal of Astrobiology , os pesquisadores analisaram as propriedades necessárias para uma lua orbitando um planeta flutuante (FFP) para reter grandes quantidades de água líquida.

Investigando exoluas

Nenhuma exolua foi detectada diretamente até o momento, embora os cientistas acreditem que sejam abundantes em todo o universo devido ao fato de os planetas do Sistema Solar hospedarem muitas luas.

A comunidade astronômica espera que os próximos observatórios, como o Nancy Grace Roman Space Telescope (RST) e o Extremely Large Telescope (ELT) do European Southern Observatory (ESO), sejam capazes de detectar e lançar nova luz sobre as primeiras exoluas.

Ao mesmo tempo, a descoberta de inúmeros planetas desonestos, ou FFPs, em nossa galáxia desafiou nossa compreensão da evolução planetária. Acredita-se que esses planetas tenham se formado em um sistema estelar antes de serem ejetados devido a instabilidades dinâmicas. Se algum desses planetas tivesse luas em órbitas estreitas, eles provavelmente continuariam a orbitar seus planetas enquanto viajavam para longe de sua estrela.

Nova análise mostra que exoluas podem abrigar vida

Os pesquisadores desenvolveram um modelo que lhes permitiu calcular a evolução das órbitas lunares ao longo de bilhões de anos. Por fim, eles descobriram que exoluas com órbitas estreitas em torno de FFPs têm uma chance razoável de sustentar vida.

“Descobrimos que as exoluas com raios orbitais pequenos não apenas têm a melhor chance de sobreviver à ejeção de seu planeta de seu sistema planetário, mas também permanecem excêntricas por um período mais longo de tempo”, Giulia Rocetti, astrofísica do European Southern Observatory (ESO) e o líder do estudo, explicado em um comunicado à imprensa .

“Assim, eles podem produzir o calor das marés de maneira ideal. Além disso, as atmosferas densas favorecem a preservação da água líquida”, continuaram. “Assim, luas do tamanho da Terra com atmosferas semelhantes a Vênus com órbitas próximas em torno de seus planetas órfãos são bons candidatos a mundos habitáveis”.

A equipe por trás da nova análise não é a única que acredita que os FFPs podem abrigar vida alienígena. De fato, uma equipe sugeriu em um estudo no ano passado que civilizações extraterrestres avançadas podem ter descoberto como conduzir planetas desonestos para viagens interestelares. Contra essa hipótese, a ideia de que a vida alienígena pode evoluir em exoluas orbitando planetas desonestos não parece tão improvável.

Resumo do estudo

Planetas flutuantes (FFPs) podem resultar de processos dinâmicos de dispersão que ocorrem nos primeiros milhões de anos da vida de um sistema planetário. Vários modelos prevêem a possibilidade, para esses objetos isolados de massa planetária, de reter exoluas após sua ejeção. O mecanismo de aquecimento das marés e a presença de uma atmosfera com espessura óptica relativamente alta podem favorecer a formação e manutenção de oceanos de água líquida na superfície desses satélites. Para estudar as escalas de tempo nas quais a água líquida pode ser mantida, realizamos simulações dinâmicas do processo de ejeção e inferimos as estatísticas resultantes da população de exoluas sobreviventes em torno de FFPs. A subsequente evolução das marés dos parâmetros orbitais das luas é um passo fundamental para determinar quando as órbitas circularão, com consequente decaimento do aquecimento das marés. Descobrimos que luas com massa terrestre próximas (𝑎≲25�≲25 RJ) com atmosferas dominadas por dióxido de carbono podem reter água líquida em suas superfícies por longos períodos de tempo, dependendo da massa do envelope atmosférico e da pressão superficial assumida. Atmosferas massivas são necessárias para reter o calor produzido pela fricção das marés que torna essas luas habitáveis. Para condições de pressão semelhantes à da Terra (p0 = 1 bar), os satélites podem sustentar água líquida em suas superfícies até 52 milhões de anos. Para pressões de superfície mais altas (10 e 100 bar), as luas podem ser habitáveis ​​até 276 Myr e 1,6 Gyr, respectivamente. Os satélites próximos experimentam condições habitáveis ​​por longos períodos de tempo e, durante a ejeção do FFP, permanecem ligados ao planeta que escapou, sendo menos afetados pelo encontro próximo. Descobrimos que luas de massa terrestre próximas (𝑎≲25�≲25 RJ) com atmosferas dominadas por dióxido de carbono podem reter água líquida em suas superfícies por longos períodos de tempo, dependendo da massa do envelope atmosférico e da pressão superficial assumida. Atmosferas massivas são necessárias para reter o calor produzido pela fricção das marés que torna essas luas habitáveis. Para condições de pressão semelhantes à da Terra (p0 = 1 bar), os satélites podem sustentar água líquida em suas superfícies até 52 milhões de anos. Para pressões de superfície mais altas (10 e 100 bar), as luas podem ser habitáveis ​​até 276 Myr e 1,6 Gyr, respectivamente. Os satélites próximos experimentam condições habitáveis ​​por longos períodos de tempo e, durante a ejeção do FFP, permanecem ligados ao planeta que escapou, sendo menos afetados pelo encontro próximo. Descobrimos que luas de massa terrestre próximas (𝑎≲25�≲25 RJ) com atmosferas dominadas por dióxido de carbono podem reter água líquida em suas superfícies por longos períodos de tempo, dependendo da massa do envelope atmosférico e da pressão superficial assumida. Atmosferas massivas são necessárias para reter o calor produzido pela fricção das marés que torna essas luas habitáveis. Para condições de pressão semelhantes à da Terra (p0 = 1 bar), os satélites podem sustentar água líquida em suas superfícies até 52 milhões de anos. Para pressões de superfície mais altas (10 e 100 bar), as luas podem ser habitáveis ​​até 276 Myr e 1,6 Gyr, respectivamente. Os satélites próximos experimentam condições habitáveis ​​por longos períodos de tempo e, durante a ejeção do FFP, permanecem ligados ao planeta que escapou, sendo menos afetados pelo encontro próximo.

 

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + 5 =