Gases metilados podem ser um indicador de vida alienígena

Por: Fenomenum Comentários: 0

Cientistas afirmam que gases metilados podem ser um indicador inequívoco de vida alienígena. Na Terra, esses gases quase sempre são produzidos apenas por organismos.


Neste artigo:


Introdução

Os gases que os organismos produzem enquanto limpam seus ambientes podem fornecer sinais claros de vida em planetas que orbitam outras estrelas, anunciaram os pesquisadores em 9 de janeiro na reunião da American Astronomical Society. Tudo o que precisamos fazer para encontrar indícios de vida alienígena é procurar esses gases nas atmosferas desses exoplanetas, em imagens provenientes do Telescópio Espacial James Webb ou de outros observatórios que podem entrar em operação em breve.

Salvo uma transmissão de rádio interestelar, a química de um planeta remoto é uma das maneiras mais promissoras pelas quais os pesquisadores podem detectar vida extraterrestre. Na Terra, a vida produz muitas substâncias químicas que alteram a atmosfera: as plantas produzem oxigênio, por exemplo, e uma série de animais e plantas liberam metano. A vida em outros lugares da galáxia pode fazer a mesma coisa, deixando uma assinatura química que os humanos poderiam detectar de longe.

Mas muitos dos gases da vida também são liberados em processos que nada têm a ver com a vida. Sua detecção pode levar à falsa impressão de um planeta vivo em um sistema solar distante, quando na verdade é apenas uma rocha estéril.

Pelo menos um tipo de composto que alguns organismos produzem para se proteger de elementos tóxicos, no entanto, pode fornecer indicações inequívocas de vida.

Os compostos de afirmação da vida são chamados de gases metilados. Micróbios, fungos, algas e plantas estão entre os organismos terrestres que criam os produtos químicos ligando átomos de carbono e hidrogênio a materiais tóxicos, como cloro ou bromo. Os compostos resultantes evaporam, varrendo os elementos mortais.

O fato de que as criaturas vivas quase sempre participam da produção de gases metilados significa que a presença dos compostos na atmosfera de um planeta seria um forte sinal de algum tipo de vida, disse a astrobióloga planetária Michaela Leung, da Universidade da Califórnia, em Riverside, na reunião.

O mesmo não se aplica ao oxigênio e ao metano. O oxigênio, em particular, pode se acumular quando uma estrela quente aquece os oceanos de um planeta. “Você tem uma atmosfera de vapor e a radiação [ultravioleta] da estrela divide a água em suas partes constituintes, oxigênio e hidrogênio“, diz Leung. “O hidrogênio é leve, muito dele é perdido no espaço em pequenos planetas. O que resta é todo esse oxigênio”, o que, segundo ela, leva a “sinais de oxigênio realmente convincentes nesse processo que em nenhum momento envolveu vida”.

A luz que passa pelas atmosferas de planetas em sistemas solares distantes (ilustrado) pode revelar compostos que organismos alienígenas podem produzir para se protegerem de elementos tóxicos. GODDARD SPACE FLIGHT CENTER DA NASA.

 

Da mesma forma, enquanto os organismos vivos produzem metano em abundância, fenômenos geológicos sem vida, como vulcões, também o fazem.

Nas concentrações de gases metilados típicos da Terra, esses gases serão difíceis de ver nas atmosferas de planetas distantes, mesmo com um instrumento tão poderoso quanto o telescópio Webb. Mas Leung tem motivos para acreditar que pode haver planetas onde a abundância de gás é milhares de vezes maior que a da Terra.

Os ambientes mais produtivos [para liberar gases metilados] que vemos aqui na Terra”, diz ela, “são coisas como estuários e pântanos”. Um planeta aquoso com muitos pequenos continentes e correspondentemente mais litoral, por exemplo, pode estar repleto de organismos que limpam produtos químicos tóxicos com gases metilados.

Um dos benefícios de olhar para os compostos como um sinal de vida é que não requer que a vida se pareça com o que temos em nosso planeta. “Talvez não seja baseado em DNA, talvez haja outra química estranha acontecendo”, diz Leung. Mas, assumindo que o cloro e o bromo provavelmente são tóxicos em geral, os gases metilados oferecem o que Leung chama de bioassinatura agnóstica, que pode nos dizer que algo está vivo em um planeta, mesmo que seja totalmente estranho para nós.

Quanto mais sinais de vida soubermos procurar, melhores serão nossas chances de reconhecer a vida quando a encontrarmos”, diz Vikki Meadows, astrobióloga da Universidade de Washington em Seattle, que não participou do estudo. “Também nos ajuda a entender que tipo de telescópios devemos construir, o que devemos procurar e quais devem ser os requisitos do instrumento. O trabalho de Michaela é muito importante por esse motivo.

 

 

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 13 =