Missão espacial privada busca vida em Vênus

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Venus Life Finder é uma missão de três partes, financiada por fundos privados, que visa enviar naves espaciais para Vênus e coletar amostras atmosféricas, que podem indicar a presença de vida. A primeira missão do projeto pode ocorrer já em 2023. Mesmo que nenhuma vida seja encontrada em Vênus, a comunidade científica ainda obterá dados valiosos sobre o planeta.


Neste artigo:


Introdução

Nos últimos anos, nos acostumamos com empresas espaciais comerciais assumindo funções que a NASA ou a Agência Espacial Européia costumavam fazer. Agora vem outro marco emocionante: uma missão com financiamento privado que visa encontrar vida extraterrestre em nosso próprio Sistema Solar. O projeto, liderado por cientistas do MIT e engenheiros do Rocket Lab, é chamado Venus Life Finder, e o financiamento inicial para o estudo conceitual foi fornecido pela Breakthrough Initiatives.

O projeto está dividido em três grandes missões. O primeiro está programado para maio de 2023 e o financiamento está amplamente garantido, com o Rocket Lab fornecendo tanto o lançamento quanto a espaçonave, usando o foguete Electron da empresa e a pequena espaçonave Photon, cuja modesta carga científica de 1 quilograma é parcialmente financiada por ex-alunos do MIT.

A missão visa enviar uma pequena sonda atmosférica para analisar gotículas de nuvens na atmosfera venusiana inferior, que há muito se acredita abrigar vida microbiana. Um instrumento na sonda lançaria luz ultravioleta nas gotículas, conhecidas como partículas do Modo 3. A sonda gastaria apenas cerca de cinco minutos coletando dados, mas isso deve ser suficiente: se as gotículas contiverem moléculas orgânicas, elas devem fluorescer quando expostas à luz UV. A presença de moléculas orgânicas sugeriria fortemente a presença de vida, mas não provaria isso.

O momento deste primeiro lançamento em maio de 2023 é certamente ambicioso, mas mesmo que passe para a data de backup de janeiro de 2025, o tempo de desenvolvimento ainda seria muito mais rápido do que sua missão típica da NASA.

A segunda missão lançaria um balão instrumentado nas nuvens venusianas para flutuar a uma altitude de cerca de 50 quilômetros, onde analisaria a habitabilidade potencial dessa região enquanto procurava mais evidências de vida. A terceira e última missão recolheria e devolveria à Terra uma amostra de 1 litro de gás atmosférico, juntamente com vários gramas de partículas de nuvens. A análise de laboratório deve ser capaz de mostrar conclusivamente se existe vida na atmosfera venusiana.

O financiamento das missões de acompanhamento ainda não está garantido e pode depender do sucesso da missão inicial da sonda atmosférica. A possibilidade de encontrar vida nas nuvens venusianas, é claro, permanece especulativa. Deve-se notar que a missão foi planejada por muitos dos mesmos autores que relataram a detecção de fosfina na atmosfera de Vênus em 2020. Essa afirmação controversa revigorou o debate sobre se a vida é possível nas nuvens venusianas.

É exatamente assim que a ciência deve funcionar: uma hipótese é avançada e, depois que algumas evidências de apoio são encontradas, esforços são realizados para testar essa hipótese. Neste caso, requer o envio de várias naves espaciais para Vênus. É bastante impressionante que a equipe da missão, liderada por Sara Seager, do MIT, tenha conseguido obter financiamento privado em vez de esperar muitos anos pelo financiamento público do que muitos cientistas considerariam uma hipótese discutível.

Eu gostaria de ver mais iniciativas tão ousadas. Se há uma chance razoável de descobrir vida extraterrestre, por que não arriscar e ir em frente? Mesmo que nenhuma vida seja encontrada em Vênus, a comunidade científica ainda obterá dados valiosos.

Mistérios Venusianos

Vênus está desfrutando de um renascimento nos dias de hoje. Duas missões da NASA (VERITAS e DAVINCI) e uma missão da ESA (EnVision) já estão em andamento. Infelizmente, eles não chegarão até o final dos anos 2020 e início dos anos 2030, respectivamente. Não me entenda mal: todos os três farão contribuições significativas, principalmente na determinação do ambiente químico em Vênus e na obtenção de informações sobre a história do planeta. Mas a missão com financiamento privado provavelmente ocorrerá muito, muito mais rápido (pelo menos a primeira parte será) e investigará a possibilidade de vida venusiana diretamente.

Quais são as chances de encontrá-lo? O argumento é mais ou menos assim: Vênus pode ter tido oceanos primitivos semelhantes aos da Terra, onde a vida se desenvolveu de forma independente ou prosperou depois de ser transportada por asteróides da Terra. No entanto, estando mais perto do Sol e sem um mecanismo de reciclagem global (como as placas tectônicas na Terra), Vênus sofreu um efeito estufa descontrolado.

Como resultado, qualquer vida primitiva na superfície do planeta teria sido extinta. Alguns organismos, no entanto, podem ter recuado para a camada de nuvens, onde as condições ambientais são bastante benignas: pressão atmosférica semelhante à da Terra, temperaturas entre 35 e 80 o C, nutrientes potenciais e até uma pequena quantidade de água.

Agora os contra-argumentos. Não é realmente certo que Vênus costumava ser um mundo aquático. Na verdade, a história natural do planeta ainda é um mistério (aqui é onde as missões da NASA e da ESA vão realmente ajudar). Mesmo que a vida tenha surgido uma vez, existem grandes obstáculos para que ela sobreviva hoje nas nuvens. A camada inferior de nuvens é rica em ácido sulfúrico, com níveis muitas vezes piores do que qualquer micróbio amante de ácido na Terra poderia suportar.

No entanto, William Bains e seus coautores em um artigo recente apresentam uma possível maneira de contornar esse problema: eles apontam para certos organismos na Terra que secretam amônia para neutralizar seu ambiente ácido imediato. Se os supostos micróbios venusianos usarem um mecanismo semelhante, eles poderiam aumentar o valor de pH nas gotículas de nuvem para cerca de 1 – ainda muito baixo para os padrões da Terra, mas alto o suficiente para alguns micróbios terrestres sobreviverem. Isso é especialmente intrigante, já que sondas anteriores detectaram amônia em Vênus.

A baixa abundância de água pode ser um problema ainda maior para a vida potencial nas nuvens venusianas, especialmente porque a pouca água que existe está principalmente ligada ao ácido sulfúrico e, portanto, pode não ser acessível aos micróbios. Vemos o mesmo efeito no mel. Apesar do alto valor nutricional do mel, ele não estraga porque os micróbios não têm acesso a água suficiente. Uma maneira de contornar esse problema em Vênus seria a existência de microambientes que contêm mais água do que a atmosfera em geral. No entanto, exigiria várias ordens de magnitude a mais.

Outros desafios incluem o “estilo de vida” aéreo dos micróbios, o que provavelmente significa a falta dos metais traço usados ​​em muitos processos bioquímicos. É improvável que a temperatura seja um problema, apesar da superfície venusiana ser quente como um forno. Nas nuvens, as coisas são muito mais legais.

Dado o nosso conhecimento atual, esses desafios são em grande parte teóricos. A maior parte do nosso conhecimento sobre Vênus é baseado em modelagem, e precisamos desesperadamente de medições diretas. Parece claro, porém, que nenhum organismo da Terra poderia prosperar sob as condições ambientais atuais em Vênus, mesmo nas nuvens. Qualquer vida que crescesse neste mundo alienígena precisaria de adaptações bioquímicas desconhecidas em nosso planeta.

Isso não é impensável, no entanto. Ambientes altamente ácidos são raros na Terra, então nunca houve muita pressão da seleção natural para se adaptar a tais condições. Já sabemos que conjuntos ricos e complexos de moléculas orgânicas podem ser estáveis ​​em ácido sulfúrico concentrado. Talvez só precisemos manter a mente aberta e lembrar da famosa frase do Jurassic Park: “A vida encontra um caminho”. Enviar o Venus Life Finder é uma ótima maneira de descobrir se isso também é verdade em outros planetas.

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × um =