NASA Revela Imagens Espetaculares Feitas pelo Telescópio James Webb

Por: Fenomenum Comentários: 0

Um berçário estelar onde nascem estrelas, interações entre galáxias e uma visão única de um exoplaneta são apenas algumas das novas imagens cósmicas que estão sendo compartilhadas na terça-feira.


Neste artigo:


Introdução

Depois de décadas de espera, finalmente chegou a hora do mundo ver as primeiras imagens tiradas pelo telescópio espacial mais poderoso de todos os tempos – o Telescópio Espacial James Webb.

O desenvolvimento do principal observatório espacial do mundo começou em 2004 e, após anos de atrasos, o telescópio e seu enorme espelho dourado finalmente foram lançados em 25 de dezembro.

As imagens valem a espera – e elas mudarão para sempre a maneira como vemos o universo.

O presidente Joe Biden divulgou uma das primeiras imagens de Webb na segunda-feira, e é “a imagem infravermelha mais profunda e nítida do universo distante até hoje”, segundo a NASA. O restante das imagens coloridas de alta resolução fizeram sua estreia na terça-feira.

Esta imagem fornecida pela NASA na terça-feira, 12 de julho de 2022, mostra o Stephan’s Quintet, um agrupamento visual de cinco galáxias capturadas pela Near-Infrared Camera (NIRCam) e Mid-Infrared Instrument (MIRI) do Telescópio Webb. Este mosaico foi construído a partir de quase 1.000 arquivos de imagem separados, de acordo com a NASA. [NASA, ESA, CSA e STScI]

O observatório espacial pode investigar os mistérios do universo observando-os através da luz infravermelha, invisível ao olho humano.

O Webb examinará as próprias atmosferas dos exoplanetas, alguns dos quais são potencialmente habitáveis, e poderá descobrir pistas na busca contínua por vida fora da Terra.

O telescópio também observará todas as fases da história cósmica, incluindo os primeiros brilhos após o big bang que criou nosso universo e a formação das galáxias, estrelas e planetas que o preenchem hoje.

Agora, Webb está pronto para nos ajudar a entender as origens do universo e começar a responder perguntas-chave sobre nossa existência, como de onde viemos e se estamos sozinhos no cosmos.

As primeiras imagens

A primeira imagem, divulgada na segunda-feira, mostra o SMACS 0723, onde um enorme grupo de aglomerados de galáxias atua como uma lupa para os objetos atrás deles. Chamado de lente gravitacional, isso criou a primeira visão de campo profundo de Webb que inclui galáxias incrivelmente antigas e fracas.

Algumas dessas galáxias distantes e aglomerados de estrelas nunca foram vistas antes. O aglomerado de galáxias é mostrado como apareceu há 4,6 bilhões de anos.

A imagem, tirada pela câmera infravermelha do Webb, é composta por imagens feitas em diferentes comprimentos de onda de luz ao longo de 12,5 horas. As observações de campo profundo são longas observações de regiões do céu que podem revelar objetos fracos.

Outros alvos primários de Webb para o primeiro lançamento de imagem incluem a Nebulosa Carina, WASP-96b, a Nebulosa do Anel Sul e o Quinteto de Stephan.

Esta imagem fornecida pela NASA na terça-feira, 12 de julho de 2022, mostra que a paisagem de “montanhas” e “vales” salpicados de estrelas brilhantes é, na verdade, a borda de uma região jovem e próxima de formação de estrelas chamada NGC 3324 na Nebulosa Carina. [NASA, ESA, CSA e STScI]

O estudo de Webb do planeta gasoso gigante WASP-96b é o espectro mais detalhado de um exoplaneta até hoje. O espectro inclui diferentes comprimentos de onda de luz que podem revelar novas informações sobre o planeta. Descoberto em 2014, o WASP-96b está localizado a 1.150 anos-luz da Terra. Tem metade da massa de Júpiter e completa uma órbita em torno de sua estrela a cada 3,4 dias.

O espectro de Webb inclui “a assinatura distinta da água, juntamente com evidências de nuvens e neblina, na atmosfera ao redor de um planeta gigante gasoso quente e inchado orbitando uma estrela distante semelhante ao Sol”, segundo a NASA.

A observação demonstra “a capacidade sem precedentes do Webb de analisar atmosferas a centenas de anos-luz de distância”, segundo a NASA.

A Nebulosa do Anel Sul, também chamada de “Eight-Burst”, está a 2.000 anos-luz de distância da Terra. Esta grande nebulosa planetária inclui uma nuvem de gás em expansão ao redor de uma estrela moribunda.

Esta combinação de imagens fornecida pela NASA na terça-feira, 12 de julho de 2022, mostra uma comparação lado a lado das observações da Nebulosa do Anel Sul em luz infravermelha próxima, à esquerda, e luz infravermelha média, à direita, da Telescópio Webb. NASA, ESA, CSA e STScI

 

A visão do telescópio espacial do Quinteto de Stephan revelará a maneira como as galáxias interagem umas com as outras. Este grupo compacto de galáxias, descoberto pela primeira vez em 1787, está localizado a 290 milhões de anos-luz de distância na constelação de Pégaso. Quatro das cinco galáxias do grupo “estão trancadas em uma dança cósmica de repetidos encontros imediatos”, de acordo com um comunicado da NASA.

Localizada a 7.600 anos-luz de distância, a Nebulosa Carina é um berçário estelar, onde nascem as estrelas. É uma das maiores e mais brilhantes nebulosas do céu e abriga muitas estrelas muito mais massivas que o nosso sol.

Agora, seus “Cosmic Cliffs” são revelados em uma nova imagem incrível do Webb.

Os alvos foram selecionados por um comitê internacional, incluindo membros da NASA, da Agência Espacial Européia, da Agência Espacial Canadense e do Space Telescope Science Institute em Baltimore.

A missão, originalmente prevista para durar 10 anos, tem capacidade de combustível em excesso suficiente para operar por 20 anos, de acordo com a vice-administradora da NASA, Pam Melroy.

Estas serão apenas as primeiras de muitas imagens que virão de Webb nas próximas duas décadas, o que promete alterar fundamentalmente a maneira como entendemos o cosmos.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.