Noite Oficial: O Vôo do Jaguar-116

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

O Caça Jaguar-116 foi o primeiro caça Mirage IIIEBR a decolar, para interceptar os OVNIs que apareciam sobre o estado de Goiás, na noite de 19 de Maio de 1986. Durante sua missão, o piloto conseguiu enquadrar o objeto no alvo em quatro momentos, até que o objeto acelerasse de forma muito brusca, chegando a Mach 15.


Artigo anterior sobre a Noite Oficial dos OVNIs Próximo artigo sobre a Noite Oficial

Por Jackson Luiz Camargo – ufojack@yahoo.com

 

Os primeiros UFOs registrados na Noite Oficial concentravam-se na região de Santa Isabel, Jacareí e São José dos Campos, no estado de São Paulo. Pouco depois, outros objetos foram surgindo, sendo avistados e detectados também sobre o mar, próximo à cidade do Rio de Janeiro (RJ), além de Caçapava, Taubaté, Guaratinguetá e a própria capital, São Paulo.

Por volta das 20 horas, os objetos começaram a ser observados no Sul de Minas e pouco depois no Triângulo Mineiro. Não demorou muito e os objetos começaram a ser observados também no estado de Goiás.  Por volta das 21 horas, um destes objetos pairava sobre a cidade de Brasília (DF), enquanto outras três luzes sobrevoavam a região do Gama, também no Distrito Federal, sendo testemunhados por 120 militares da Marinha do Brasil, em treinamento no CADEST, órgão de instrução daquela organização. Outros dois OVNIs eram observados a Oeste da Base Aérea de Anápolis, em Goiás.

A Base Aérea de Anápolis, em Goiás, era responsável pela Defesa Aérea do Planalto Central.

 

Em dado momento, estes objetos começaram a ser captados pelos radares do CINDACTA I e pelos instrumentos da Base Aérea de Anápolis, deixando os militares da Força Aérea apreensivos. Este fato foi determinante para o acionamento dos caças. O primeiro avião a decolar da Base Aérea de Anápolis foi o Jaguar-116, pilotado pelo Capitão Armindo Viriato. O caça Mirage IIIEBR, prefixo FAB4913, decolou às 22h43, seguindo pouco depois para Oeste da Base Aérea, onde havia dois objetos sobrevoando uma área entre 12 e 24 Km de distância.

Capitão Armindo Viriato, a bordo de um caça Mirage IIIEBR, semelhante aos envolvidos nas interceptações da Noite Oficial.

 

Primeira Interceptação

Às 22h56, o radar de bordo do caçador registrou um sinal diretamente à frente do avião. Imediatamente o controlador de voo, sargento Fernando, determinou ao piloto que voasse em direção à esse alvo, em modo rojão, ou seja, com sistema de armas ativo. Entretanto, para a frustração dos militares, a perseguição durou menos de 20 segundos, pois o objeto rapidamente desapareceu.

Capitão Viriato: Estável 320.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Ciente. Temos plote a 13 milhas da sua proa.
Capitão Viriato: 13 milhas na proa. Ciente. Eu tenho contato.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Confirme.
Capitão Viriato: Eu tenho contato.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Em que condição? Às suas 12 horas?
Capitão Viriato: Afirmativo.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Prossiga nesse contato, ô, caçador.
Capitão Viriato: Ciente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Caçador passando a rojão.
Capitão Viriato: Ciente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Ainda com contato?
Capitão Viriato: Perdi contato agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Confirme contatos radares que estava obtendo.
Capitão Viriato: Perdi contato agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Ciente. Mantenha-se nessa proa.
Capitão Viriato: Ciente. Velocidade?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea)
Apague as suas luzes de navegação.
Capitão Viriato: Ciente. Apagadas.

 

 

A Segunda Interceptação

Às 23h06, o controle de voo o informou que havia um alvo no radar, diretamente a frente do seu caça. Seguindo as instruções do controlador de voo o piloto aproximou-se do UFO e a distância reduziu rapidamente. Mas apesar da noite límpida e clara, ele não viu qualquer coisa estranha. Pelo rádio, o controle o orientou a fazer uma manobra de 360º, ou seja, realizar um círculo no céu, que lhe permitiria verificar a presença do misterioso sinal nas telas do radar.

Às 23h09, o militar manobrou o caça, seguindo para oeste e foi neste momento que surgiu um sinal não identificado no seu radar de bordo. O alvo estava a 22 Km de distância, a sudeste. Rapidamente ele entrou em perseguição ao UFO e logo obteve um Judite (Judite é declarado pelo piloto de caça quando ele enquadra um alvo e está pronto para disparar contra ele). Capitão Viriato acelerou o avião chegando a Mach 1.3 (1.592 Km/h), diminuindo a distância em relação ao objeto. Às 23h12, essa distância era de apenas 9 Km. Entre o momento em que ele surgiu na tela de radar, à distância de 22 Km e o ponto de maior aproximação, passaram-se 3 minutos e meio. E foi justamente nesse momento que o objeto acelerou de forma brusca, aumentando muito rapidamente a sua distância. Em apenas 30 segundos, o objeto aumentou de 9 Km para 39 Km de distância, chegando a escapar do alcance do radar do JG-116.

Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Prossiga à direita 080.
Capitão Viriato: Ciente. Tem a proa do objetivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Eh… Esse plote quem está nos fornecendo é Taba, positivo?
Capitão Viriato: Confirme?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Nós não temos plote. Taba que está nos fornecendo e nós estamos em contato via quente e, de acordo com o que a Defesa informa, é que bota o caçador para essa posição.
Capitão Viriato: Ciente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Direita 095. Caçador?
Capitão Viriato: Direita 095. Estável 95.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Direita 100.
Capitão Viriato: Direita 100. Estável.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Informação de Taba é que está na sua proa.
Capitão Viriato: Ciente. Tem o nível, não?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Tenho nada, nada. Esquerda 090.
Capitão Viriato: Esquerda 90. Estável.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Cheque as suas 10 horas.
Capitão Viriato: 10 horas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Esquerda 085.
Capitão Viriato: Esquerda 085. Estável.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. 1 milha.
Capitão Viriato: 1 milha…
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Eh… de acordo com Taba, fundiram os plotes, o teu e… do… do… plote indicativo.
Capitão Viriato: Ciente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Faça um 360 nesse setor.
Capitão Viriato: 360.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Faça pela esquerda.
Capitão Viriato: Ciente. Pela esquerda.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Sua conta corrente?
Capitão Viriato: 734. Não estou visual com nada, ok?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Curve à esquerda, proa 100.
Capitão Viriato: Esquerda 100. Estável 100.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente!
Capitão Viriato: Ok, eu tenho um contato aqui a… aguarde… eu tenho um contato a doze milhas e meia… eu tô na 140.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Prossiga nesse contato.
Capitão Viriato: Ok, eu tenho Judith agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 12 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Acelere para .9 de Mach.
Capitão Viriato: Acelerando para .9. Dez milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Sua conta corrente?
Capitão Viriato: 699.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 10 milhas. Distância aumentando.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Confirme?
Capitão Viriato: Está aumentando.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Aumentando a distância? Confirme.
Capitão Viriato: Afirmativo. Ok, diminuindo de novo.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 10 milhas. 9 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Oito milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Confirme o armamento.
Capitão Viriato: Ok, vou ligar a ININTELIGÍVEL, ok?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 7 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 6 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Tem contato visual?
Capitão Viriato: Negativo. Curvando à esquerda.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 5 milhas. A distância está aumentando de novo, ok?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Passando rápido. 10 milhas. 14 milhas já.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Mantendo Judith?
Capitão Viriato: Mantendo Judith. 20 milhas, 21 milhas, tá aumentando muito rápido.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Nessa proa?
Capitão Viriato: Tá na minha antena. Ok, perdi Judith, tá? Curva à direita, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Confirme, perdeu Judith?
Capitão Viriato: Perdi Judith. Aparentemente curva à direita.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ok, curve à esquerda proa 320.
Capitão Viriato: Esquerda 320. Estável 320.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.

 

Em 1993, o programa Globo Repórter, da Rede Globo de Televisão, produziu duas reportagens especiais com o tema Ufologia e um dos casos abordados foi justamente a Noite Oficial dos UFOs. Um dos entrevistados foi o Capitão Viriato, que descreveu ao repórter Domingos Meirelles os detalhes dessa perseguição:

Capitão Viriato:

 

No radar eu cheguei a fazer quatro interceptações e todas com contato radar, mas não consegui ver em nenhum momento nada, apenas no radar. E o que me alertou foi a aceleração tomada pelo alvo a partir de um certo instante. Ele acelerou rapidamente até que o radar desacoplasse…
Domingos Meirelles: Ele estaria a que velocidade?
Capitão Viriato: Eu acredito em torno de MACH 15 (18.375 Km/h), mais ou menos, porque foi muito rápida a aceleração.
Domingos Meirelles: Quinze vezes a velocidade do som?
Capitão Viriato: Exatamente. Eu já estava a 1.2, 1.3 vezes a velocidade do som e o objeto atingiu uma velocidade bem mais alta do que eu estava”.
Domingos Meirelles: Quer dizer, não existe nenhum avião que possa desenvolver essa velocidade?
Capitão Viriato: Na atmosfera? Eu desconheço.

 

Capitão Viriato, em entrevista ao repórter Domingos Meirelles.

 

Terceira Interceptação

Decorridos 38 minutos de interceptações aéreas, a FAB havia conseguido poucas informações. Além dos registros em radar, havia os testemunhos visuais dos pilotos envolvidos, o que naquele momento ainda era pouco. Era preciso tentar novas aproximações.

Às 23h15, o Capitão Viriato logo obteve um novo contato no radar de seu caça. O objeto estava a Noroeste da Base Aérea de Anápolis, em uma distância estimada de 31 Km. Novamente ele manobrou o caça e acelerou em direção ao alvo, e logo conseguiu um novo Judite. Quando a distância para o alvo caiu para 22 Km, houve novamente uma aceleração brusca. Durante esta perseguição o piloto informou que o objeto realizava movimentos em zig-zag, rapidamente se afastando de sua aeronave, e desaparecendo em seguida.

Capitão Viriato: Ok, eu tenho um contato agora a… a 17 milhas, confirme.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Na sua proa?
Capitão Viriato: Eh.. antena 340.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Prossiga na linha de contato.
Capitão Viriato: Ciente. Judith.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Quantas milhas?
Capitão Viriato: Eh… aumentando… 18 milhas agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Ok, diminuindo… 17 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Acelere para .95.
Capitão Viriato: Acelerando.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Sua conta corrente?
Capitão Viriato: 615.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Confirme distância.
Capitão Viriato: 15 milhas. 14 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Curva à direita? Confirme.
Capitão Viriato: Afirmativo. Curvando à direita. Comportamento muito estranho esse, ok?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 12 milhas. Está aumentando a distância de novo, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Ok, mantendo 13 milhas agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: ININTELIGÍVEL fora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 16 milhas, 17 milhas, 18 milhas. Ok, perdi Judith.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Reduza a velocidade.
Capitão Viriato: Reduzindo. Vocês ainda estão tendo algum contato nesse setor?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Negativo.

 

Quarta Interceptação

Às 23h15, o Capitão Viriato obteve um novo contato no seu radar de bordo e imediatamente iniciou uma nova perseguição, em velocidade supersônica, na tentativa de aproximar, visualizar e identificar o misterioso objeto. Entretanto, após um minuto de caçada o UFO desapareceu em alta velocidade.

Capitão Viriato: 025, 8 milhas. Entrei em contato.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Contato à esquerda. É outro Mirage.
Capitão Viriato: Contato à direita.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Prossiga nesse contato. 5025 a 5 milhas.
Capitão Viriato: Ok, vou curvar à direita, ok? Contato é pela direita.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Ainda com contato?
Capitão Viriato: Afirmativo. Ok, perdi contato.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Prossiga pela direita, proa 040.
Capitão Viriato: Direita 0… Qual é a proa?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Confirme sua proa.
Capitão Viriato: 120.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Mantenha.
Capitão Viriato: Ciente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Vire à esquerda proa 060.
Capitão Viriato: Esquerda 60. O deslocamento é muito rápido, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Eu tinha ele… tinha o contato quase no centro do escope e rapidamente passou para a direita.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.

 

Quinta Interceptação

Às 23h30, Capitão Viriato detectava novo plote em seu radar de bordo. Rapidamente ele conseguiu um novo judite, com o alvo a 18 Km de distância, acelerando e curvando à direita. O piloto aumentou a potência do motor de seu caça, em perseguição, e assim a distância caiu gradativamente até 5 Km. Então, ele iniciou buscas visuais, na tentativa de identificar seu alvo, porém nada viu, embora o radar continuasse indicando que o misterioso aparelho realizava movimentos em zig-zag à frente do seu avião. A distância entre ambos diminuiu para 1.800 metros e mesmo assim ele continuava sem qualquer tipo de contato visual com o objeto. A 31 Km da Base Aérea de Anápolis, ele perdeu o judite e surpreso comentou com o controlador, Sargento Ivan, que aquilo tudo era uma loucura. O controlador, desconcertado apenas concordou com o piloto e em seguida, o orientou para o retorno à Base Aérea, onde o JG-116 pousou às 23h46.

Capitão Viriato: Ok, tenho outro contato agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. A quantas milhas?
Capitão Viriato: A… 7 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Você está com a proa com o que?
Capitão Viriato: Ah… antena 290 aproximadamente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Prossiga nesse contato. Ainda contato?
Capitão Viriato: Ok, tá bem fraco agora.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Prossiga nesse contato.
Capitão Viriato: Ok, perdi o contato.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Curve à esquerda, proa 290.
Capitão Viriato: Esquerda 290.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Conta corrente?
Capitão Viriato: 425.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente!
Capitão Viriato: Estável 290.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Curve à esquerda, proa 200.
Capitão Viriato: Esquerda 200. Estável 200.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Conta corrente?
Capitão Viriato: Judith agora 10 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ah… prossiga nesse Judith.
Capitão Viriato: Tá só aumentando a distância, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Tá aumentando a distância novamente?
Capitão Viriato: Provavelmente.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Distância?
Capitão Viriato: 14 milhas, mantendo.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Possibilidade de acelerar?
Capitão Viriato: Ok, diminuindo agora, 13 milhas. Pro lado direito. Doze milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 12 milhas. 11 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 10 milhas. Nove milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: 9 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Confirme então armamento.
Capitão Viriato: Ok, armamento checado. Canhão. 7 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. 
Capitão Viriato: 6 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Acelere.
Capitão Viriato: Acelerando. Ok, 7 milhas, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Curvando à direita?
Capitão Viriato: Curvando à esquerda. 6 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Curvando à esquerda, 5 milhas. Cinco milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Quatro milhas e meia.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Mantenha o nível.
Capitão Viriato: 4 milhas. 3 milhas.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Qual a sua procura visual, caçador?
Capitão Viriato: Ok, então, 2 milhas, curvando à direita. 1 milha.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Visual?
Capitão Viriato: Não, negativo. Nada.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Condições visuais, caçador?
Capitão Viriato: Afirmativo. Mantendo nível diabos 30, ok?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Curvando à direita, proa 1 milha.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Fazendo 360 pela direita.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Eu vou afundar.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Mantenha o diabo em 030.
Capitão Viriato: Ciente, mantendo. Bem, tem uma formação aqui de cúmulos e não dá pra ver direito, positivo?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Mantenha o céu.
Capitão Viriato: Ascendendo para o céu. Confirme distância para Maloca?
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
17 milhas.
Capitão Viriato: Ciente. Cocomi é 250 galões, ok? Então a 2 milhas. Mantendo céu, curvando à direita. Permaneço Judith, não vejo nada.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Confirme então o Cocomi.
Capitão Viriato: Ainda negativo.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente.
Capitão Viriato: Ok, perdi Judith.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Ciente. Mantenha o céu.
Capitão Viriato: Mantendo. Que loucura isso, rapaz.
Sargento Fernando
(Defesa Aérea):
Positivo. Aproe Maloca, curve à direita, proa 110.
Capitão Viriato: Ciente.

 

Este é o caça usado pelo Capitão Viriato, na noite de 19 para 20 de maio de 1986. Atualmente o caça está exposto no museu na Base Aérea dos Afonsos, no Rio de Janeiro.

 

 

Referências:


  1. Arquivos CIPEX
  2. CAMARGO, Jackson Luiz. Noite Oficial dos UFOs no Brasil. Curitiba: Revista UFO, 2021.
  3. BAÈRE, Mauro. UFOs e Extraterrestres: Uma Jornada em Busca da Verdade. São Paulo: Editora Brilho coletivo, 2021.
  4. PETIT, Marco Antonio. Um Mergulho na Ufologia Militar Brasileira. Campo Grande: Revista UFO, 2007.
  5. CAMARGO, Jackson Luiz. REVELAÇÃO: A Noite Oficial dos UFOs no Brasil. Revista UFO, nº 287, p. 26 à 38, Fevereiro de 2022.
  6. CAMARGO, Jackson Luiz. Um novo olhar sobre a espantosa onda ufológica brasileira de 1986. Revista UFO, nº 235, p. 42 à 50, Junho de 2016.
  7. Ofício nº 008/CMDO/C-138, de 2 de junho de 1986, assinado pelo Comandante Interino do CODa, Brigadeiro José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, contendo o relatório final de investigação dos fatos ocorridos na noite de 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, contendo 8 páginas (3.36 MB).
  8. Relatório Manuscrito da Força Aérea Brasileira; Telex da Base Aérea de Anápolis para o Comdabra; relatório de voo e relatório dos pilotos envolvidos. Arquivo em PDF com 27 páginas (9.50 MB).
  9. Relatório do Tenente Hugo Nunes Freitas, Chefe controlador do COpM I, para o Chefe da Seção de Informações do COpM I. Arquivo em PDF com 4 páginas (1.65 MB).
  10. Ofício nº 07/OOP/C-130, de 29 de maio de 1986, com encaminhamento de documentos e gravações, emitido pelo Comandante do CINDACTA I para o o Comandante do COMDA. Arquivo em PDF com 11 páginas (3.29 MB).
  11. Ofício nº 001/SCOAM/C-046, emitido pelo comandante da Base Aérea de Anápolis, Coronel João Fares Neto, para o Comandante do COMDA, contendo quatro relatório, sendo de 3 pilotos de caça e de um controlador de voo. Arquivo em PDF com 5 páginas (1.95 MB).
  12. Relatório pessoal do Capitão Márcio Jordão, sobre seu voo de interceptação à OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com uma página (421 Kb).
  13. Relatório pessoal do Tenente Kleber Marinho, sobre seu voo de interceptação à OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com 2 páginas (362 Kb).
  14. Relatórios de voo, de caças que decolaram em missão de interceptação aos OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com 7 páginas (2.14 MB).
  15. Despacho nº 022/A2/C-376, relatando fatos ufológicos ocorridos em setembro de 1986, envolvendo pilotos da FAB. Arquivo em PDF, contendo 9 páginas (2.84 MB).
  16. Relatório Mensal do COpM, de agosto de 1986, contendo transcrição de ocorrências ufológicas registradas pelo CINDACTA I, e dois questionários feitos à testemunhas. Arquivo em PDF contendo 17 páginas (4.54 MB).
  17. Ofício nº 11/OOP/C-199, de 14 de julho de 1986, contendo relatos, depoimentos e transcrições do livro do Ajudante de Chefe Controlador do COpM, envolvendo registros de OVNIs em maio e junho de 1986. Arquivo em PDF contendo 19 páginas (4.27 MB)
  18. Informe nº 005/SI/86-CINDACTA II, de 5 de junho de 1986, referente à aparecimento de OVNI próximo à cidade de Bandeirante (PR). Arquivo em PDF, com 1 página (483 KB).
  19. Relatório de avistamentos ufológicos registrados pela FAB nas noites seguintes à Noite Oficial. Arquivo em PDF, com 12 páginas (2.63 MB).
  20. Ofício nº 006/A-2/C-046, do Comandante do III COMAR, contendo relatórios de avistamentos ufológicos na região de Uberaba, em 5 e 28 de Agosto de 1986. Arquivo em PDF contendo 3 páginas (1.30 MB).
  21. Telex contendo relato de avistamento na costa do Espírito Santo, em agosto de 1986. Arquivo em PDF, contendo 2 páginas (494 KB).
  22. Transcrição do Livro de Ocorrência Operacional do Ajudante Chefe Controlador, com relato de avistamento de piloto de caça em Junho de 1986. Arquivo em PDF contendo 2 páginas (774 Kb).
  23. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (1). Arquivo em PDF, contendo 4 páginas (6.06 MB).
  24. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (2). Arquivo em PDF, contendo 8 páginas (9.34 MB).
  25. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (3). Arquivo em PDF, contendo 5 páginas (8.85 MB).
  26. Documento do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, emitido com base em informes da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Contém duas páginas (136 KB).
  27. REIS, Carlos Alberto. Voltam os Discos Voadores (e com intensidade máxima)!. Revista PSI-UFO nº 1, p. 29 à 31. Setembro de 1986.
  28. GRANCHI, Irene. OVNIS Entre o Céu e a Terra: Não se tapa o Sol com a peneira!!! Revista PSI-UFO nº 1, p. 32 à 35. Setembro de 1986.
  29. GEVAERD, A. J. Aconteceu tudo de novo: Voltam os OVNIs! Revista Ufologia Nacional e Internacional, nº 10, p. 4 e 7. Outubro de 1986.
  30. COVO, Claudeir. Maio de 1986: A mobilização no céu brasileiro. Revista Planeta: O Assunto é Ufologia,  nº 14, p. 12 à 23.
  31. AMPEU Pesquisa. OVNIs em Montes Claros – Um Espanto. Revista UFO Lógica., p.4 e 5. Outubro de 1987.
  32. CARMO, Alberto Francisco. FAB e OVNIs: Opinião. Revista UFO Lógica., p.18. Outubro de 1987.
  33. RAAD, Mariana. A Noite!: Objetos voadores não identificados nos céus do Brasil. Revista Força Aérea, Ano 11, nº 43, p.44 à 55. Junho, Julho e Agosto de 2006.
  34. ALBINO, Wallacy. Aviões versus UFOs. Revista UFO, ed. 94, p. 14 à 19. Dezembro de 2003
  35. BOAVENTURA JR, Edison. Maio de 1986: Continua o Silêncio!. Boletim GUG, nº 40, p. e 7. Abril/Junho de 1996.
  36. Coronel Ariel Sanchéz, em entrevista à A.J. Gevaerd, publicado na Revista UFO, edições 185 e 186, de Fevereiro e Março de 2012.
  37. COVO, Claudeir. Confirmado: Os registros militares sobre a Noite Oficial dos UFOs no Brasil, de 19 de maio de 1986, coincidem com as investigações realizadas por ufólogos civis sobre aquela que é considerada a maior movimentação ufológica do país. Revista UFO, ed. 111, p. 18 à 21, de Junho de 2005.
  38. MARTINHO, Jeferson. UFOs registrados pela Aeronáutica Brasileira. Revista UFO nº 78, p. 14 à 19. Agosto de 2001.
  39. É hora de encerrar o segredo sobre os discos voadores. Revista UFO, nº 200, p. 15 à 25. Maio de 2013.
  40. PETIT, Marco Antonio. Invasão: O Governo Brasileiro libera documentos secretos sobre a Noite Oficial dos UFOs no Brasil, que confirmam que uma grande frota de UFOs sobrevoou o país em 19 de maio de 1986. Revista UFO, nº 200, p. 44 à 51. Maio de 2013.
  41. PETIT, Marco Antonio. Moreira Lima faz revelações sobre UFOs. Revista UFO nº49, p. 12 à 16. Fevereiro de 1997.
  42. MARTINHO, Jeferson. Política com tom ufológico.  Revista UFO, nº 99, p. 12 à 15. Maio de 2004.
  43. Lockheed SR-71 Blackbird. Revista Asas de Guerra, nº 7, p. 134 à 137. 1997
  44. BARANOFF, Basílio. Onda ufológica de 19/05/86. Revista PSI-UFO, nº 4, p; 28 à 33, de Janeiro/Fevereiro de 1987.
  45. PETIT, Marco Antonio. OVNIs no Rio de Janeiro. Revista PSI-UFO, nº 3, p.11 à 15, de Novembro/Dezembro de 1986.
  46. CURY, Rafael. Discos Voadores e a FAB. Revista Realismo Fantástico nº 6,  p. 26 à 28.  Julho de 1995.
  47. PETIT, Marco Antonio. Fim do Acobertamento ufológico: A hora da verdade. Revista UFO, edição 138, p. 16 à 19. Janeiro de 2008.
  48. VISONI, Rodrigo Moura. A Noite Oficial dos OVNIs. Aeromagazine, nº 301, p. 74-81. Junho de 2019.
  49. BOAVENTURA Jr, Edison e SANTANA, Sérgio. Noite Oficial dos OVNIs: Dez dias de invasões nos céus do Brasil. Revista OVNI Pesquisa, nº 2, p. 6 à p. 11. Agosto de 2018.
  50. SANTANA, Sérgio. A Noite Oficial dos OVNIs. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p.20 à 22. Julho de 2020.
  51. BOAVENTURA JR, Edison. A Noite Oficial dos OVNIs. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p. 24. Julho de 2020.
  52. OLIVEIRA, Rafaela. Eventos extraordinários sendo tratados com descaso. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p. 24. Julho de 2020.
  53. Macro Efeitos da  Micro-onda de 1986. Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores, nº 168/173, de Janeiro/Dezembro de 1986.
  54. https://www.tvkz.com.br/regiao/araxa/ovnis-foram-vistos-em-araxa-e-uberlandia-na-noite-dos-discos/12014
  55. https://oberhalbthoth.blogspot.com/2018/05/a-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil_19.html
  56. https://portalcontexto.com/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  57. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-59953278
  58. https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2022/01/14/a-noite-em-que-21-ovnis-invadiram-o-espaco-aereo-brasileiro-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab.ghtml
  59. https://economia.uol.com.br/todos-a-bordo/2021/05/18/noite-oficial-ovnis-35-anos.htm
  60. https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2022/01/a-noite-em-que-21-ovnis-invadiram-o-espaco-aereo-brasileiro-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab.shtml
  61. https://noticias.r7.com/hora-7/noite-oficial-dos-ovnis-os-misterios-do-maior-caso-ufologico-brasileiro-22032019
  62. https://www.aereo.jor.br/2022/01/16/a-noite-em-que-21-ovnis-foram-perseguidos-por-cacas-da-forca-aerea-brasileira/
  63. https://sjc.com.br/2020/06/28/noite-oficial-dos-ovnis/
  64. https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/noite-dos-ovinis-um-misterio-de-34-anos-nao-solucionado-pela-forca-aera-brasileira.phtml
  65. https://history.uol.com.br/ovnis-e-misterios/noite-oficial-dos-ovnis-continua-ser-um-dos-maiores-misterios-ufologicos-do
  66. https://redegeek.com.br/2017/09/19/ultrageek-305-noite-oficial-dos-ovnis/
  67. https://www.sjcantigamente.com.br/34-anos-da-noite-oficial-dos-ovnis/
  68. https://www.saindodamatrix.com.br/noite-oficial-dos-ovnis/
  69. https://www.megacurioso.com.br/ciencia/120957-noite-dos-discos-voadores-assustou-o-brasil-ha-quase-36-anos.htm
  70. https://www.taiadaweb.com.br/a-noite-dos-ovnis-21-ovnis-estiveram-em-sjc-e-cacapava-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab/
  71. https://www.mundofreak.com.br/2018/02/22/mundo-freak-confidencial-190-noite-oficial-dos-ovnis/
  72. https://www.eusemfronteiras.com.br/relatos-noite-oficial-dos-ovnis/
  73. https://jws.com.br/2022/01/a-noite-dos-ovnis-no-brasil-entrevista-com-ozires-silva-fundador-da-embraer/
  74. https://rollingstone.uol.com.br/noticia/ha-35-anos-noite-dos-discos-voadores-assustou-moradores-em-estados-do-brasil/
  75. https://ufosfacts.org/2021/09/23/relatorio-noite-oficial-dos-ufos-ministerio-da-aeronautica/
  76. https://www.wemystic.com.br/noite-oficial-dos-ovnis/
  77. https://7minutos.com.br/noticias/anapolis/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  78. http://www.portalburn.com.br/tag/noite-oficial-dos-ovnis/
  79. https://ufosfacts.wordpress.com/2012/06/14/noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil/
  80. https://www.pressreader.com/brazil/mundo-em-foco/20220131/281934546367070
  81. https://arquivoufo.com.br/2012/04/19/21-ovnis-foram-perseguidos-por-cacas-sobre-o-ceu-de-sao-paulo-1986/
  82. https://arquivoufo.com.br/2017/06/21/noite-oficial-dos-ovnis-e-o-caso-ufologico-mais-legitimo-do-mundo/
  83. https://portalcontexto.com/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  84. https://livrosderomancebeatrizfield.blogspot.com/2016/10/curiosidades-sobre-noite-oficial-dos.html
  85. SILVA, Ozires. A decolagem de um sonho: História da Criação da Embraer. São Paulo: Lemos Editorial, 1998.
  86. Gravações da Noite Oficial: Fita 1 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  87. Gravações da Noite Oficial: Fita 1 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  88. Gravações da Noite Oficial: Fita 2 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  89. Gravações da Noite Oficial: Fita 2 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  90. Gravações da Noite Oficial: Fita 3 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  91. Gravações da Noite Oficial: Fita 3 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  92. Gravações da Noite Oficial: Fita 4 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar 98 e a Defesa Aérea
  93. Gravações da Noite Oficial: Fita 4 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar 98 e a Defesa Aérea
  94. Gravações da Noite Oficial: Fita 5 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock 07 e a Defesa Aérea
  95. Gravações da Noite Oficial: Fita 5 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock 07 e a Defesa Aérea
  96. Gravações da Noite Oficial: Fita 6 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar-116 e a Defesa Aérea
  97. Gravações da Noite Oficial: Fita 6 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar-116 e a Defesa Aérea
  98. Gravações da Noite Oficial: Fita 7 – Lado A – Gravações telefônicas diversas
  99. Gravações da Noite Oficial: Fita 8 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock- 17 e a Defesa Aérea
  100. Gravações da Noite Oficial: Fita 8 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock- 17 e a Defesa Aérea
  101. ROCHA JR, J. S. Invasão de Tráfego Aéreo em 1986. Revista UFO, nº 55, p. 27. Novembro de 1997.
  102. EQUIPE UFO. Entrevista com Brigadeiro Sócrates Monteiro. Revista UFO, 163. Março de 2010
  103. Reportagem do programa Fantástico da Rede Globo exibido em 22/05/2016.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.