Noite Oficial: Relatos e Depoimentos

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Milhares de pessoas, entre civis, militares e pilotos, foram testemunhas das aparições da Noite de 19 de maio de 1986. Seus depoimentos são fascinantes. 


Artigo anterior sobre a Noite Oficial dos OVNIs Próximo artigo sobre a Noite Oficial

Por Jackson Luiz Camargo

A área de abrangência das manifestações de OVNIs ao longo da noite de 19 para 20 de maio é gigantesca, com centenas ou milhares de cidades sobrevoadas por estes objetos e um número incontável de testemunhas diretas. Em nossa pesquisa, pudemos encontrar vários destes testemunhos, alguns com possibilidade de identificação do nome da testemunha. Conhecer seus relatos permite entender melhor estas manifestações.

Testemunhos militares e pilotos (dados de identificação omitidos)

“Meu irmão era da Polícia da Aeronáutica na Base Aérea de Brasília, e nesse tida ‘tava’ de serviço na guarnição do Capitão Rubinho. [Ele] Disse que foi um corre corre infernal. Até os quatro ministros militares foram acionados e também o ministro chefe da casa civil, salvo engano, o pernambucano Marco Maciel. Foi demais essa noite !!!”

“Eu lembro desse episódio. Meu tio estava de plantão na Base Aérea de Santa Cruz e viu todo o movimento de procedimento das aeronaves para decolagem. Meu tio era soldado na época. Aí, a princípio não falaram nada pra ele. Porém, depois ele soube que toda a movimentação não era um exercício. Era sério. Alvos desconhecidos sobrevoando o espaço aéreo nacional. Só os pilotos veteranos decolaram. Alguns até nem de plantão estavam, e foram chamados, até hoje não se sabe que objetos eram esses e sua finalidade”. 

“Nesse acontecido, eu tinha um instrutor de voo, que era piloto particular CBT Cia Brasileira de Tratores. Ele estava em voo em um Learjet, chegou a ter contato visual também. O que ele relatou foi que não tinha visto nada igual. O objeto não tinha propulsão, voava e mudava de trajetória em ângulos retos, sem curva, em alta velocidade e a luz que emitia era como se fosse estrobo, intensa”. 

“Eu estava presente na ocasião, como controlador de voo, em Brasília. Existe a gravação das minhas instruções, ao avião do Comandante Ozíres Silva, quando pousava em São José dos Campos. Experiência Fenomenal. Lembro até hoje”. 

“Meu tio era controlador de voo em CWB, nesta mesma noite ele relatou 22 acontecimentos destes. E toda aeronave que entrava em contato também avistava relatava as anomalias. Ele sempre falou sobre isso comigo. Com bastante cautela, ele elaborou um dossiê extra oficial”.

“Eu era controlador de voo do CINDACTA I, na noite dos OVNIs. De fato, foi notado tais alvos nos radares de rota do ACC Brasília, onde eu era um dos controladores. Começamos a nos comunicar com outros órgãos de controle e todos, a seu tempo, começaram a cotejar informações. Tanto quanto as TWR’s (Torres de Controle) que os viam a olhos nus, quanto os Controles de Aproximação (APP’s) da região Sudoeste do Centro Brasília. Não foi um só objeto. Foram muitos objetos desconhecidos. Apesar deste evento, outros houveram mas sem repercussão, pois que contidos na esfera militar e por serem de menor envergadura. O fato de objetos desconhecidos serem percebidos pelos radares de quando em quando não serem publicados não invalida a existência deste fenômeno”. 

“Meu pai, na época, ‘tava’ servindo o Exército e todo o batalhão dele viu isso.”

Em 1986, o meu pai estava no Exército. Ele já me falou que lembra de ter visto várias luzes durante a noite (quando ele ‘tava’ de serviço). Mas ele não lembra exatamente quando. Só que foi 1986, e pelo ano é bem possível que foi durante esses dias dos OVNIs”.

“Eu estava de serviço nesse dia. Era do AIS MIL (Serviço de informações aeronáuticas no âmbito militar), e essa sala era ao lado do 4º ETA. Recebi um contato interno via TF3 da Torre e confirmei não ter feito nenhum plano de voo, exatamente entre 20h00 e 20h30. E os telefones da Base Aérea de São Pàulo ficaram congestionados e um soldado que estava de serviço transferiu algumas ligações para mim. Anotei alguns números, ouvi alguns relatos, mas não tinha nada oficial para falar e esse foi meu envolvimento nesse episódio. Para minha surpresa, o Ministro Octávio Moreia Lima deu entrevista na TV Cultura. Isso foi real”. 

“Eu estava na Torre do radar neste dia e tivemos que ficar em alerta, após tocar o alarme e ver aquelas luzes. Foi um momento que eu nunca esquecerei”.

“Eu era militar da aeronáutica. Estava exatamente naquela hora, me espantei ao ver as chamas nas turbinas dos F-5. Era uma correria dentro do hangar e o comando da base acordado. Tem um relato do caçador surpreendente, perseguindo o suposto OVNI!”

“Eu estava de serviço de Oficial de Operações, na BASC, na ocasião. No início da madrugava, fui acordado por uma ligação telefônica do Controle Rio,que tinha alvos no radar. O controlador relatou que os alvos se movimentavam a velocidades incríveis. Um F-5 já havia sido acionado. S.M.J. Ainda lembro o nome do piloto caçador, que nada pôde fazer, senão observar e relatar”. 

“Meu tio, já falecido, era militar na base de Anápolis (GO). Era mecânico de aeronaves e viveu o evento, pois estava na ativa, nesse dia. Em 1990, aqui em Belém, ele me disse algo que nunca mais esqueci. Ele disse: ‘Meu filho, nenhum aparelho cirado pelo homem, voando a Mach 2, faz curvas repentinas para os lados. Ele se desintegra na hora. Acima da velocidade do som só se voa em linha reta, E os radares dos Rirage mostravam os objetos voando de um lado para o outro bem acima de Mach 2″. Eu nunca esqueci isso que ele falou. Não sei se tem fundamento, mas nunca esqueci”.

“Nessa época meu marido trabalhava na antiga Vasp. Me lembro que ele chegou em casa falante e assustado, pois o comentários entre os colegas de serviço, foi um alvoroço. Um dos aviões da Vasp foi seguido pelas luzes por algumas horas até Brasília”.

 

Relatos no Estado de São Paulo

“Em Araraquara (SP), houve avistamentos sobre Furnas, uma central de energia que opera até hoje. Lembro perfeitamente desta noite”.
[José Antônio Poli]

“Eu também vi. Eu morava em Artur Nogueira, cidade do interior de São Paulo.  O céu estava limpo. As luzes eram 3 esferas (vermelha, amarela e verde), que pareciam dançar no céu. De repente se uniam, tornando uma única esfera na cor branca. Foi uns 2 minutos e sumiu, num apagar de luzes” Impressionante e inesquecível”.
[Katia Bispo Insaurrade]

“Eu sou de Caçapava (SP) e também avistei daqui, no rumo de São José dos Campos (SP). Eu vi 7 luzes voando baixo, em conjunto, na mesma direção, várias cores, branco, amarelo, verde, vermelho e laranja”.
[Rodrigo Barrinuevo]

“Eu e minha família morávamos em Campinas (SP), nessa época, em um condomínio. Essa noite foi incrível. Todos nós vimos os OVNIs e eles pareciam estar dançando no céu. Deu pra ver até a nave-mãe lançando as naves. Essas naves ficaram tanto tempo no céu, que deu para chamar os amigos para ver. Já vi outros OVNIs, mas nada comparado a essa noite em específico”. 
[Juliana Peluso de Oliveira]

“Sou de Guaratinguetá (SP) e também testemunhei esse evento. Muitas pessoas na cidade viram. Eu estava em frente ao estádio Dario Rodrigues Leite e vi os objetos passarem bem acima do estádio. Foi uma coisa incrível!” 
[Nome omitido]

“Posso dizer que sou um ‘felizardo’, pois fui testemunha ocular desse fenômeno. Vi o fenômeno, por volta das 22h30 – 23h, na cidade de Mogi das Cruzes, em maio de 1986. Estava com mais dois amigos, voltando de carona para casa, quando avistei um objeto no céu, de luz branca, em direção à Serra do Mar. A noite estava com céu limpo, sem nuvens. O objeto realizava manobras que mesmo hoje julgo serem impossíveis, pela velocidade em ângulos retos e desenhos geométricos. A velocidade era incrível, percorria distâncias enormes em fração de segundos e parava instantâneamente. Não era tampouco uma projeção (laser) era um objeto brilhante sólido. Lembro bem que foi um fato de grande repercussão, entrevistas com o Ministro da Aeronáutica, Brigadeiro Moreira Lima, os pilotos e não havia ninguém tentando desmentir ou mesmo atribuindo o fato à algum fenômeno natural. Era impossível, pois era latente que alto “inteligente” estava “pilotando”. Outro fato curioso é que não emitia nenhum tipo de ruído e quando percorria um trajeto linear a grande velocidade também não provocava o famoso estrondo supersônico. Não acredito que naquela época houvesse alguma tecnologia que pudesse realizar manobras como aquelas velocidades inimagináveis. Mesmo nos dias de hoje, acho pouco provável”.
[Nome omitido]

 

“Esse fato dos anos 80 eu meu marido e cunhado estávamos atravessando a Via Dutra do Jardim Diamante para Vila Tatetuba e testemunhamos uma dessas aparições, foi a coisa mais incrível que eu já vi na vida”.
[Maureen Aguiar Dapena]

“Presenciei esse dia histórico quando tinha 13 anos, no sítio onde morava, no município de Santa Isabel. O local fica do lado esquerdo da cidade e até hoje essa área só tem pasto. E o sítio que eu morava se chama Jamic. Era umas 17 horas e estava escurecendo. Vi todas elas aglomeradas, fixas e brilhantes e mudavam de cor. Algumas faziam movimentos de um lado a outro. Depois de 1 horas foram desaparecendo”. 
[Wilson Tavares]

“Olá, boa tarde, meu nome é Ricardo e sou de São José dos Campos e vi com meus olhos os objetos não identificados. Eu tinha apenas 14 anos e morava no bairro Vista Verde e sei que vi uma tecnologia que não existia na época. Meus pais trabalhavam na Embraer e eu já sabia distiguir aviões de outras coisas. Hoje moro em Ubatuba (SP), e conheci uma pessoa aqui, que disse ter visto o que eu vi e a data estava marcada por uma final de campeonato de surf, Sundek 86, na praia de Itamambuca. Ele relata exatamente os objetos como eu havia visto em São Jose naquele dia. Essa pessoa conheci uns 20 anos depois e olhamos e batemos as datas pela net e confirmamos que era no mesmo dia.”
[Ricardo Filgueiras]

“Eu morava no CTA quando isso ocorreu. Naquela noite estava cansado de estudar (e a noite de estudos ainda seria muito longa) e decidi caminhar um pouco. Naquela época era tudo muito escuro por lá. Cerca de 20:00 avistei uns 3 ou 4 pontos de luz, de muito maior intensidade que as estrelas e planetas mais brilhantes e que mudavam frequentemente de cor (vermelha, Branca e verde) a uma frequência de quase uma cor por segundo. Não eram estrelas pois as vezes estavam fixas, às vezes se movimentavam e não mantinham a mesma distância entre si. Achei muito interessante é que podia ser algum experimento com LASER feito por algum instituto, mas descartei devido à ausência de nuvens – não era reflexão pois a noite era muito limpa. Só um bom tempo depois fiquei sabendo dessa história toda. Não tenho a menor ideia do que poderia ser”.
[Alfredo Patrício]

“Eu moro em São José dos Campos e na época morava em frente ao CTA (Centro Técnico de Aeronáutica). Eu e minha mãe vimos essas luzes no céu, exatamente como eles descrevem no fundo de casa, no céu ao longe, e de repente elas se deslocaram pela lateral da casa numa velocidade absurda, nós corremos pra ver, foi qdo pararam em cima do campo do CTA e passaram atrás de uma arvore enorme de eucalipto e nesse instante sumiram. Me intriga até hoje isso. Depois vieram todos os relatos e reportagens sobre, pra confirmar o que aconteceu. Queria mto ver de novo!”
[Milena Pulheis]

“Em São Paulo, houve várias ligações para o aeroporto. Luzes brancas e objetos grandes foram reportados para Congonhas. Um amigo trabalhava no aeroporto e ligou para a família, nossos vizinhos, falando sobre isso. Disse que todo o sistema estava em alerta. No dia seguinte, quase nada apareceu nos jornais”.
[Tania Veiga]

Esse dia eu estava em Sta Branca – SP, a noite estava limpa sem nenhuma nuvem no céu, eu e meus primos vimos diversos objetos luminosos indo e vindo foi alucinante fiquei dias sem dormir eu tinha 12 anos na época, dia seguinte ouvimos na rádio outros relatos do acontecido.
[ Luiz Arruda]

“Hoje tenho 49 anos, então na época tinha 17. Não sou estudosa do assunto e tão pouco entendo dele, mas quero deixar registrado para gerações futuras que sou de São José dos Campos e que eu e toda minha família (éramos 6) fomos testemunhas pela janela do nosso apartamento, essa incrível noite dos avistamentos e foi exatamente o que foi falado segundo o relatório e pelo senhor aqui nos comentários, que época morava no CTA. Estávamos sentados na sala de jantar e quando olhamos pela janela haviam mais de um desses plots parados no céu e depois começaram a se movimentar voando pelos céus, soltando cores diferentes de um lado para o outro e fomos todos para a janela e é claro que ficamos de boca aberta! Meu pai, irmão e avô que já faleceram, minha mãe e irmã, todos viram! Nunca mais esquecerei essa noite!”  
[Nome omitido]

Tinha 15 anos e vi da garagem do prédio onde morava em São Paulo na Vila Mariana, eu e mais dois amigos. A garagem era suspensa e sem teto e a vista dava para o Bairro Ipiranga, perto da Av. Ricardo Jaffet. Era por volta de 19h/20h e vimos uma luz muito forte, pouco acima das casas e prédios. Ela estava imóvel, mudava de cor e desfocava… depois de uns dois minutos, numa velicidade alucinante começou a fazer movimentos triangulares percorrendo espaço bem grande se comparado a linha do horizonte… ficamos paralizados, sem palavras… e de repente subiu e sumiu rápido como um raio. Uns 20 a 30 minutos depois, um avião da FAB passou pouco acima do nosso bairro, bem baixo e devagar, todo apagado em direção a luz que tinhamos visto. Nunca mais esquecerei. Só muitos anos depois foi que fiquei sabendo dos avistamentos naquela semana.
[Willian Matos]

“Nessa noite eu peguei uma ponte aérea na perna SDU-CGH. Na região de São José dos Campos, eu estava do lado esquerdo da aeronave Electra, vi pela janela mais atrás uma luz bem intensa. Ele tinha luz de cor amarelada muito forte, parecia com um farol de trem. No momento pensei que fosse outra aeronave”.
[Emerson Tako]

“Eu estava neste voo (não lembro a empresa) e por sorte, na janela sobre a aasa do lado direito. Meu ex-marido viu primeiro e me avisou. Após alguns minutos o piloto chamou a atenção de todos para o fato. As luzes mudavam de cor, sendo o vermelho o predominante. Elas ficaram juntas da asa e nos “seguiram” de São José dos Campos até São Paulo, quando desapareceram do mesmo modo que apareceram. Ainda é muito forte a lembrança”.
[Sônia Dessotti]

“Eu vi essas luzes no céu de São Paulo na noite dos OVNIs, eu morava em São Paulo nesta época. Em Santana na zona norte, Vila da Base Militar Campo de Marte. Estava vendo um filme, era tarde, olhei pela janela pois me chamou a atenção as luzes coloridas no céu, eram 6 , de cores verde, amarela, vermelho, azul. Faziam formação como um avião no dia de apresentação festiva do dia do aviador. Mudavam de posição todo instante e as luzes oscilavam bem acima da pista do Aeroclube Fiquei olhando até elas sumirem, demorou uns 40 minutos. Partiram já passava de 01:00 da manhã. Era diferente de tudo que já havia visto, não era avião, tenho certeza, pois sabia diferenciar um, meu marido era piloto ,e dava aulas de pilotagem no Aeroclube. Inclusive acho que ele te conhece. Anos mais tarde ele foi transferido e fomos para Brasília”.
[Nome omitido]

“Eu fui uma testemunha desta noite. Durante anos fiquei sem saber o que tinha visto. Só sei que eram várias luzes que pairavam naquela noite estrelada. Luzes alaranjadas e às vezes avermelhadas. Essas luzes ficaram por quase meia hora. Chamei meu vizinho, meu pai e todos viram a mesma coisa. Como pareciam que estava cada vez mais baixas, fui até a rua para acompanhar. Até então estava vendo dos fundos da minha casa, e realmente estava muito baixo, mas de repente eu vi muitas passarem em grande velocidade. Muitas mesmo. Riscando o céu de alaranjado. Confesso que fiquei com medo e entrei para dentro de casa. Eu morava na Zona Norte de São Paulo, Jardim Tremembé e só anos mais tarde é que fiquei sabendo da dimensão dos fatos naquela noite. Muito bom lembrar dessa noite arrepiante”.
[Rubens Ferreira]

“Nessa noite eu estava dirigindo meu automóvel na Rodovia Raposo Tavares, altura do Km 12, sentido São Paulo, próximo as 0:00 hs, quando olhei para cima, o céu totalmente sem nuvens e claro e vi a Lua e um pouco só lado outra lua, um pouco menor, ambas totalmente brancas. Chegando bem casa após uns 10 minutos, fui até a casa de uma pessoa que tinha um binóculo e da laje da casa, observei que essa segunda Lua já não estava mais lá, porém, observando a região da Av. Paulista, pude observar várias luzes agrupadas que mudavam de cores, branca, amarelo e vermelho. No dia seguinte toda a imprensa estava noticiando o ocorrido”.
[João Carlos Rezende]

“Pois é Eu viiiiii! Vimos, eu mais 4 pessoas da minha família. E te garanto uma coisa meu amigo, não tem tecnologia “neste mundo” capaz de realizar o que vimos. Uma pequena luz que piscava no infinito do céu. Paramos o carro na beira da estrada e saímos pra observar melhor. A pequena luz veio em nossa direção, em segundos sem ruído algum, sem fumaça, sem cheiro de combustível. Parou. Sobre nós e pudemos observar aquela MARAVILHA!!! Luzes!!! Luzes!!! Por todo lado da parte de baixo da nave. Não era firma de disco e sim de uma arraia. Muito grande!!!! Enchemos de adrenalina e medo ! Corremos pro carro e seguimos s estrada. Aquela maravilha seguiu na nossa frente. Na altura de Santo Antônio do Pinhal, a nave sumiu atrás das montanhas. Isto foi na Serra da Mantiqueira”.
[Nome omitido]

“Vou lhe contar um fato dessa noite que não escutei ninguém comentando: Nessa noite as 23:20, eu estava chegando em casa (Morava na Av. Ricardo Jafet, 321) quando vi duas luzes cruzarem o céu, uma no sentido centro – litoral e outra no sentido Museu do Ipiranga para a Paulista. Fui para o ultimo andar do prédio e me deparei com uma bola vermelha parada no céu há uns 200 metros. Peguei um binóculos para observar e chamei alguns vizinhos para presenciar o fato. Essa esfera, olhando a olho nu, parecia com a luz vermelha de um semáforo (bem brilhante), porem olhando com o binóculos, vi detalhes de que ela era avermelhada e girava, mudando em seu interior as cores para amarelo e verde misturando com o vermelho que era mais predominante. A esfera não era grande, talvez de 2 a 4 metros de diâmetro. Tinha o formato de uma esfera perfeita solida no seu contorno, porem no centro, ela se esfumaçava. Ela ficou no céu por mais de 50 minutos completamente parada, quando começou a desaparecer lentamente. Esse fato foi presenciado por mim, pelo meu pai que era Capitão da Forca Aérea do IV COMAR e por um vizinho que era Sargento da Policia. Infelizmente, eu não estava com a minha câmera fotográfica naquele dia”. [Nome omitido]

Eu e meus irmãos estávamos na sala assistindo televisão. Era bem tarde da noite e estávamos em um chácara na região leste de São José dos Campos (SP). Meus pais estavam dormindo e de repente observamos um clarão vindo de fora. A TV ficou chiando e percebemos que alguma coisa tinha estacionado em cima de nossa casa, pois estávamos com a luz da sala apagada e lá não existia, naquele tempo, luz nos postes das ruas,m ou seja, era uma escuridão total. A Luz que veio de fora era muito forte e ficamos com medo de abrir a porta ou a janela. Minha irmã mais velha decidiu abrir a folha do vitro da janela e quando ela conseguiu, o negócio simplesmente desapareceu! E até hoje ficamos nos perguntando o que era aqui e não temos resposta. Mas no meu ponto de vista foram discos voadores, pois aconteceram na mesma época da aparição em São José dos Campos (SP).
[Valter Santos]

“Eu estive lá pessoalmente, e vi ao vivo tudo o que aconteceu naquela noite, com meus próprios olhos, … acreditem. Nesta época eu trabalhava na GERDAU no RJ no departamento de Compras e ao sair da empresa por volta das 23 hrs aproximadamente (após cumprir hora extra de trabalho) a empresa tinha acionado um taxi para me levar em casa e foi dentro do taxi, passando pela Rodovia Rio Santos entre os bairros de Itaguaí e Santa Cruz, que ao olhar para o céu , vi várias luzes coloridas e brancas que sobrevoavam o céu desta região. Na hora não sabia quantas eram mas notei que eram muitas… poucos segundos após, eu e o motorista daquele taxi, paramos e saímos do taxi e vimos e ouvimos também o barulho de Caças F16 da Força Aérea Brasileira sobrevoando o céu em perseguição destas esferas que logo depois imprimiram uma grande velocidade e sumiram em direção ao mar…. jamais esquecerei. Durante toda a minha vida, já vi OVNIsem outras 14 vezes. Não sei dizer o que é, mas sei bem tudo que vi”.
[Luiz Gomes]

Eu e minha família avistamos também nesta da próximo as 19:30 hr em São José do Rio Preto na área rural da cidade que inclusive o carro do meu pai no momento sofreu interferência chegando a desligar o carro o objeto era aproximadamente de uns 30 metros de diâmetro e emitia uma luz forte na cor azul claro o objeto vinha em nossa direção quando o mesmo deu a volta atrás do carro subindo ao céu em seguida no momento deste ocorrido entramos em Pânico juntamente com meu pai que aos berros se perguntava o que era aquilo na época eu tinha 5 anos de idade mas me lembro como se fosse ontem inclusive após este avistamento os porcos do meu apareciam sem os órgãos reprodutores sem língua e olhos outra coisa estranha era que as aves comedoras de carcaça urubus não chegavam perto nenhum animal chegava perto levando meu pai a enterrar os porcos pois os corpos dos animais não era consumido por nenhum bicho.
[Nome omitido]

 

Relato na Bahia

“Nesta mesma data em 1986, eu com 10 anos e meu irmão com  16, estávamos a cavalo, em um trajeto rotineiro noturno, de 2 quilômetros, que fazíamos entre a fazenda do meu pai até um povoado que se chama Tabuleiro, no estado da Bahia, próximo à Bom Jesus da Lapa. Dois discos voadores desceram sobre as nossas cabeças, da altura de um poste de rua e ficaram cerca de 5 minutos acima de nós. Posteriormente apareceram mais 3 vaqueiros da região. Ficamos olhando um bom tempo e depois eles, na mesma altura que estavam, se distanciaram por cerca de 500 metros e sumiram”.
[Nome omitido]

“Nesse dia, eu ainda tinha 14 anos, e estava indo para a pracinha do bairro onde eu morava (Bairro da Conquista, em Ilhéus-Bahia), quando uma bola de fogo de mais ou menos 1 metro e meio de diâmetro veio numa velocidade incrível que nem deu tempo nos mexermos, pois achávamos que iria se chocar contra mim e meus amigos. Mas a bola de fogo simplesmente parou sobre a pracinha e ficou ali por alguns minutos, e ninguém conseguia se mexer nem para de olhar para ela. De repente, a bola de fogo saiu na mesma velocidade que chegou em direção ao céu e sumiu. Ninguém quis falar nada, e todos saíram da pracinha em silêncio e nunca falamos sobre isso, por medo!”
[Lindomar Assunção]

Relato no Estado de Porto Alegre

“Eu falo pra você que nesta data em Porto Alegre (RS), a uma hora da manhã. A casa nossa fica em um morro zona leste de Porto Alegre. Olhando para o céu rumo Gravataí, bem em cima, umas cinco luzes azuis vermelhas elas se movimentavam. Às vezes elas se juntavam. Elas ficaram mais de uma hora e nós ficamos na janela olhando eu minha mãe e meus dois irmãos. Nunca esqueci. Não conhecíamos celular, apenas máquina datilografa.”
[ Nome Omitido]

Relatos no Estado do Rio de Janeiro

“Lembro até hoje dessas luzes. Estava na Barra da Tijuca e vi o agrupamento de luzes se deslocando rapidamente em horizonta, vertical e diagonal. Isso que despertou estranheza a quem estava no local. A movimentação muito livre e rápida”.
[Elisa Sales]

“Eu vi esses OVNIs. No Morro do Borel, onde moro. Por volta das 22h00, eu e meu grupo musical vimos em formação: 1 maior no meio e 6 ou 7 dos lados. Uma visão magnífica”. 
[Miramar Castilho]

“Eu, minha família e vários vizinhos do nosso prédio vimos tudo isso acontecer, no Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro (perto de Santa Cruz). Acordamos justamente com o estrondo! Pensamos que tinha caído um prédio e fomos pra janela. Foi aí que vimos as luzes e os caças durante uns 20 minutos. E mais um fato: nossas TVs, ficaram fora do ar”.
[Giuliano Nascimento]

“Eu me lembro. Era jovem e saia de uma festa em Olaria. Foi incrível. Foram na direção da floresta da Tijuca.Durante muitos anos guardei a matéria que saiu no jornal O Globo e passou no Fantástico”.
[Nome omitido]

“Morava na Zona Oeste do Rio e, juntamente com alguns amigos, vimos inicialmente 2 luzes brancas alinhadas que não se moviam e estavam toalmente paradas no espaço. Sem imaginarmos de onde vieram, uma terceira luz, também branca, essa bem maior que as duas outras, chegou do nada e após se alinhar com as outras, deslizou, isso mesmo, deslizou, para frente formando um triângulo perfeito. Todos nós, abestalhados, ficamos perguntando uns aos outros: o quê é isso? Momentos depois, tempo esse que não sei precisar, as duas luzes menores começaram a subir (tipo delizando) simetricamente e daí…pow!!! Subiram com uma velocidade tão incrível que nossos pescoços rapidamente foram jogados para trás. Mas a luz maior coninuava lá totalmente imóvel. Sei lá quantos minutos depois, exatamente como as duas outras fizeram, essa subiu lentamente e simplesmente…pow… desapareceu como as outras duas. Eu e meus amigos atônitos parecíamos pinto no lixo porque foi simplesmente sensacional. Parecia um filme dos Spileberg. Quando foi isso? 19 de maio/86. Quem teve o privilégio de vir o que aconteceu naquela noite, jamias esquecerá”.
[Cida Calixto]

“Agora vou deixar um depoimento aqui pra você. Eu não vou dizer o que eu acho que aconteceu, vou contar o que realmente aconteceu comigo e várias pessoas que estavam na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro naquela noite. O local exato foi na Avenida das Américas, com pouquíssimo movimento ainda, tarde da noite no terraço de um bar. Estava bem escuro, apenas com as poucas luzes do local acesas quando de repente olhamos pro céu e vimos em cima de nossas cabeças, repito, em cima de nossas cabeças uma nave enorme redonda, com luzes de todas as cores em toda sua volta. Levantamos atordoados, em silêncio, para ver melhor, mas imediatamente a nave desapareceu. No dia seguinte corri para ler os jornais e lá estava a notícia dessa aparição que foi linda e nunca mais esqueci. Rezo para ver de novo. Eu e meus amigos éramos bem jovens na época , na faixa dos vinte e poucos anos e hoje conto essa história para os netos. Posso dizer que participei como testemunha ocular da noite dos OVNIs no Brasil”.
[Lenita Santos]

“Em maio de 86 caminhava na praia de Ipanema e por mais de uma hora avistei uma luz na direção do por do sol. Depois iniciou movimentos rápidos em vôo rasante. Foi possível ver sua forma de luzes e seu sumiço sobre a avenida antes de se chocar nos prédios. Fiquei parado e procurei ver se alguém tinha visto. Só um casal na beira do mar parecia ter visto. Tudo isso ocorreu depois do por do sol e antes de escurecer. Nunca vou esquecer”.
[Paulo Alencastro]

“Eu vi essa frota da Urca RJ. Estava com uma amiga. O céu estava estrelado. Olhamos para o céu e havia pontos luminosos que se moviam em várias direções, cada como se movia em direção diferente numa velocidade incrível, e paravam abruptamente até se mover de novo”.
[Márcia Leal]

“Naquela noite, na minha região apareceram por volta das 23hs, 6 objetos em fila indiana sendo que um menor ficava no final da fila mais distanciado dos demais. A noite era clara e não era uma estrutura mas sim, objetos separados e moviam muito lentamente na direção Sul. De repente após 5 minutos, todos mudaram a cor laranja para o azul e partiram em direção sul, numa aceleração espantosa um de cada vez como uma sequência de tiros de pistola sendo que o menor e último da fila demorou alguns segundos para seguir os outros. Faziam um ruído muito baixo mas, faziam. Ligamos o rádio no “Globo no Ar” da meia noite para saber notícias do evento já, que no sul ficava o Rio de Janeiro. O jornal confirmou. Eu estava acompanhado de mais 5 pessoas e todos nós, fomos testemunhas desse dia. É possível que no passado eles fossem confundidos com anjos ou deuses. Não havia nenhum aparato tecnológico da época produzido pelos humanos que pudesse fazer manobras espantosas e velocidades daquela natureza. Ainda hoje, não há!”
[Eduardo Gomes]

Relatos no Paraná

“Lembro dessa noite. Em Paranaguá, pelas 20h, houve um blackout e passou no céu uma luz laranja que cobria cerca de 1/3 da abóboda celeste, em uma velocidade incrivelmente rápida, como um flash de luz cruzou o céu em sentido sul norte. Depois, chegando em casa me minha mãe informou que tinha relatos na TV sobre fenômenos aéreos não identificados em campos do Jordão”.
[Marcelo Luiz Stefaniak]

 

 

Relatos em Minas Gerais

“Este evento foi verdadeiro, sou testemunha visual, naquela noite em Uberlândia MG, por volta das 20:00 horas sai na porta de casa olhei para o céu que estava claro e limpo mas visualizei e contei 20 ovnis voando aleatóriamente o que me chamou a atenção, mas passei a ficar com medo quando estas luzes amarelas avermelhadas passaram a fazer uma formação triangular como seguissem um lider como fazem os passaros na migração, após fazerem a formação seguiram em direção ao estado de São Paulo, assustado entrei para dentro de casa, pois tinha certeza que para fazer tal formação aqueles objetos precisavam ter um comando inteligente e não meras luzes flutuando”.
[Gilberto Ramos]

 

 

 

 

Referências:


  1. Arquivos CIPEX
  2. CAMARGO, Jackson Luiz. Noite Oficial dos UFOs no Brasil. Curitiba: Revista UFO, 2021.
  3. BAÈRE, Mauro. UFOs e Extraterrestres: Uma Jornada em Busca da Verdade. São Paulo: Editora Brilho coletivo, 2021.
  4. PETIT, Marco Antonio. Um Mergulho na Ufologia Militar Brasileira. Campo Grande: Revista UFO, 2007.
  5. CAMARGO, Jackson Luiz. REVELAÇÃO: A Noite Oficial dos UFOs no Brasil. Revista UFO, nº 287, p. 26 à 38, Fevereiro de 2022.
  6. CAMARGO, Jackson Luiz. Um novo olhar sobre a espantosa onda ufológica brasileira de 1986. Revista UFO, nº 235, p. 42 à 50, Junho de 2016.
  7. Ofício nº 008/CMDO/C-138, de 2 de junho de 1986, assinado pelo Comandante Interino do CODa, Brigadeiro José Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, contendo o relatório final de investigação dos fatos ocorridos na noite de 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, contendo 8 páginas (3.36 MB).
  8. Relatório Manuscrito da Força Aérea Brasileira; Telex da Base Aérea de Anápolis para o Comdabra; relatório de voo e relatório dos pilotos envolvidos. Arquivo em PDF com 27 páginas (9.50 MB).
  9. Relatório do Tenente Hugo Nunes Freitas, Chefe controlador do COpM I, para o Chefe da Seção de Informações do COpM I. Arquivo em PDF com 4 páginas (1.65 MB).
  10. Ofício nº 07/OOP/C-130, de 29 de maio de 1986, com encaminhamento de documentos e gravações, emitido pelo Comandante do CINDACTA I para o o Comandante do COMDA. Arquivo em PDF com 11 páginas (3.29 MB).
  11. Ofício nº 001/SCOAM/C-046, emitido pelo comandante da Base Aérea de Anápolis, Coronel João Fares Neto, para o Comandante do COMDA, contendo quatro relatório, sendo de 3 pilotos de caça e de um controlador de voo. Arquivo em PDF com 5 páginas (1.95 MB).
  12. Relatório pessoal do Capitão Márcio Jordão, sobre seu voo de interceptação à OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com uma página (421 Kb).
  13. Relatório pessoal do Tenente Kleber Marinho, sobre seu voo de interceptação à OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com 2 páginas (362 Kb).
  14. Relatórios de voo, de caças que decolaram em missão de interceptação aos OVNIs, em 19 de maio de 1986. Arquivo em PDF, com 7 páginas (2.14 MB).
  15. Despacho nº 022/A2/C-376, relatando fatos ufológicos ocorridos em setembro de 1986, envolvendo pilotos da FAB. Arquivo em PDF, contendo 9 páginas (2.84 MB).
  16. Relatório Mensal do COpM, de agosto de 1986, contendo transcrição de ocorrências ufológicas registradas pelo CINDACTA I, e dois questionários feitos à testemunhas. Arquivo em PDF contendo 17 páginas (4.54 MB).
  17. Ofício nº 11/OOP/C-199, de 14 de julho de 1986, contendo relatos, depoimentos e transcrições do livro do Ajudante de Chefe Controlador do COpM, envolvendo registros de OVNIs em maio e junho de 1986. Arquivo em PDF contendo 19 páginas (4.27 MB)
  18. Informe nº 005/SI/86-CINDACTA II, de 5 de junho de 1986, referente à aparecimento de OVNI próximo à cidade de Bandeirante (PR). Arquivo em PDF, com 1 página (483 KB).
  19. Relatório de avistamentos ufológicos registrados pela FAB nas noites seguintes à Noite Oficial. Arquivo em PDF, com 12 páginas (2.63 MB).
  20. Ofício nº 006/A-2/C-046, do Comandante do III COMAR, contendo relatórios de avistamentos ufológicos na região de Uberaba, em 5 e 28 de Agosto de 1986. Arquivo em PDF contendo 3 páginas (1.30 MB).
  21. Telex contendo relato de avistamento na costa do Espírito Santo, em agosto de 1986. Arquivo em PDF, contendo 2 páginas (494 KB).
  22. Transcrição do Livro de Ocorrência Operacional do Ajudante Chefe Controlador, com relato de avistamento de piloto de caça em Junho de 1986. Arquivo em PDF contendo 2 páginas (774 Kb).
  23. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (1). Arquivo em PDF, contendo 4 páginas (6.06 MB).
  24. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (2). Arquivo em PDF, contendo 8 páginas (9.34 MB).
  25. Reportagens de jornal, coletadas pela FAB, sobre os eventos de 19 de maio de 1986 (3). Arquivo em PDF, contendo 5 páginas (8.85 MB).
  26. Documento do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, emitido com base em informes da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Contém duas páginas (136 KB).
  27. REIS, Carlos Alberto. Voltam os Discos Voadores (e com intensidade máxima)!. Revista PSI-UFO nº 1, p. 29 à 31. Setembro de 1986.
  28. GRANCHI, Irene. OVNIS Entre o Céu e a Terra: Não se tapa o Sol com a peneira!!! Revista PSI-UFO nº 1, p. 32 à 35. Setembro de 1986.
  29. GEVAERD, A. J. Aconteceu tudo de novo: Voltam os OVNIs! Revista Ufologia Nacional e Internacional, nº 10, p. 4 e 7. Outubro de 1986.
  30. COVO, Claudeir. Maio de 1986: A mobilização no céu brasileiro. Revista Planeta: O Assunto é Ufologia,  nº 14, p. 12 à 23.
  31. AMPEU Pesquisa. OVNIs em Montes Claros – Um Espanto. Revista UFO Lógica., p.4 e 5. Outubro de 1987.
  32. CARMO, Alberto Francisco. FAB e OVNIs: Opinião. Revista UFO Lógica., p.18. Outubro de 1987.
  33. RAAD, Mariana. A Noite!: Objetos voadores não identificados nos céus do Brasil. Revista Força Aérea, Ano 11, nº 43, p.44 à 55. Junho, Julho e Agosto de 2006.
  34. ALBINO, Wallacy. Aviões versus UFOs. Revista UFO, ed. 94, p. 14 à 19. Dezembro de 2003
  35. BOAVENTURA JR, Edison. Maio de 1986: Continua o Silêncio!. Boletim GUG, nº 40, p. e 7. Abril/Junho de 1996.
  36. Coronel Ariel Sanchéz, em entrevista à A.J. Gevaerd, publicado na Revista UFO, edições 185 e 186, de Fevereiro e Março de 2012.
  37. COVO, Claudeir. Confirmado: Os registros militares sobre a Noite Oficial dos UFOs no Brasil, de 19 de maio de 1986, coincidem com as investigações realizadas por ufólogos civis sobre aquela que é considerada a maior movimentação ufológica do país. Revista UFO, ed. 111, p. 18 à 21, de Junho de 2005.
  38. MARTINHO, Jeferson. UFOs registrados pela Aeronáutica Brasileira. Revista UFO nº 78, p. 14 à 19. Agosto de 2001.
  39. É hora de encerrar o segredo sobre os discos voadores. Revista UFO, nº 200, p. 15 à 25. Maio de 2013.
  40. PETIT, Marco Antonio. Invasão: O Governo Brasileiro libera documentos secretos sobre a Noite Oficial dos UFOs no Brasil, que confirmam que uma grande frota de UFOs sobrevoou o país em 19 de maio de 1986. Revista UFO, nº 200, p. 44 à 51. Maio de 2013.
  41. PETIT, Marco Antonio. Moreira Lima faz revelações sobre UFOs. Revista UFO nº49, p. 12 à 16. Fevereiro de 1997.
  42. MARTINHO, Jeferson. Política com tom ufológico.  Revista UFO, nº 99, p. 12 à 15. Maio de 2004.
  43. Lockheed SR-71 Blackbird. Revista Asas de Guerra, nº 7, p. 134 à 137. 1997
  44. BARANOFF, Basílio. Onda ufológica de 19/05/86. Revista PSI-UFO, nº 4, p; 28 à 33, de Janeiro/Fevereiro de 1987.
  45. PETIT, Marco Antonio. OVNIs no Rio de Janeiro. Revista PSI-UFO, nº 3, p.11 à 15, de Novembro/Dezembro de 1986.
  46. CURY, Rafael. Discos Voadores e a FAB. Revista Realismo Fantástico nº 6,  p. 26 à 28.  Julho de 1995.
  47. PETIT, Marco Antonio. Fim do Acobertamento ufológico: A hora da verdade. Revista UFO, edição 138, p. 16 à 19. Janeiro de 2008.
  48. VISONI, Rodrigo Moura. A Noite Oficial dos OVNIs. Aeromagazine, nº 301, p. 74-81. Junho de 2019.
  49. BOAVENTURA Jr, Edison e SANTANA, Sérgio. Noite Oficial dos OVNIs: Dez dias de invasões nos céus do Brasil. Revista OVNI Pesquisa, nº 2, p. 6 à p. 11. Agosto de 2018.
  50. SANTANA, Sérgio. A Noite Oficial dos OVNIs. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p.20 à 22. Julho de 2020.
  51. BOAVENTURA JR, Edison. A Noite Oficial dos OVNIs. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p. 24. Julho de 2020.
  52. OLIVEIRA, Rafaela. Eventos extraordinários sendo tratados com descaso. Revista OVNI Pesquisa, nº 6, p. 24. Julho de 2020.
  53. Macro Efeitos da  Micro-onda de 1986. Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores, nº 168/173, de Janeiro/Dezembro de 1986.
  54. https://www.tvkz.com.br/regiao/araxa/ovnis-foram-vistos-em-araxa-e-uberlandia-na-noite-dos-discos/12014
  55. https://oberhalbthoth.blogspot.com/2018/05/a-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil_19.html
  56. https://portalcontexto.com/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  57. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-59953278
  58. https://g1.globo.com/ciencia/noticia/2022/01/14/a-noite-em-que-21-ovnis-invadiram-o-espaco-aereo-brasileiro-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab.ghtml
  59. https://economia.uol.com.br/todos-a-bordo/2021/05/18/noite-oficial-ovnis-35-anos.htm
  60. https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2022/01/a-noite-em-que-21-ovnis-invadiram-o-espaco-aereo-brasileiro-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab.shtml
  61. https://noticias.r7.com/hora-7/noite-oficial-dos-ovnis-os-misterios-do-maior-caso-ufologico-brasileiro-22032019
  62. https://www.aereo.jor.br/2022/01/16/a-noite-em-que-21-ovnis-foram-perseguidos-por-cacas-da-forca-aerea-brasileira/
  63. https://sjc.com.br/2020/06/28/noite-oficial-dos-ovnis/
  64. https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/noite-dos-ovinis-um-misterio-de-34-anos-nao-solucionado-pela-forca-aera-brasileira.phtml
  65. https://history.uol.com.br/ovnis-e-misterios/noite-oficial-dos-ovnis-continua-ser-um-dos-maiores-misterios-ufologicos-do
  66. https://redegeek.com.br/2017/09/19/ultrageek-305-noite-oficial-dos-ovnis/
  67. https://www.sjcantigamente.com.br/34-anos-da-noite-oficial-dos-ovnis/
  68. https://www.saindodamatrix.com.br/noite-oficial-dos-ovnis/
  69. https://www.megacurioso.com.br/ciencia/120957-noite-dos-discos-voadores-assustou-o-brasil-ha-quase-36-anos.htm
  70. https://www.taiadaweb.com.br/a-noite-dos-ovnis-21-ovnis-estiveram-em-sjc-e-cacapava-e-foram-perseguidos-por-cacas-da-fab/
  71. https://www.mundofreak.com.br/2018/02/22/mundo-freak-confidencial-190-noite-oficial-dos-ovnis/
  72. https://www.eusemfronteiras.com.br/relatos-noite-oficial-dos-ovnis/
  73. https://jws.com.br/2022/01/a-noite-dos-ovnis-no-brasil-entrevista-com-ozires-silva-fundador-da-embraer/
  74. https://rollingstone.uol.com.br/noticia/ha-35-anos-noite-dos-discos-voadores-assustou-moradores-em-estados-do-brasil/
  75. https://ufosfacts.org/2021/09/23/relatorio-noite-oficial-dos-ufos-ministerio-da-aeronautica/
  76. https://www.wemystic.com.br/noite-oficial-dos-ovnis/
  77. https://7minutos.com.br/noticias/anapolis/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  78. http://www.portalburn.com.br/tag/noite-oficial-dos-ovnis/
  79. https://ufosfacts.wordpress.com/2012/06/14/noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil/
  80. https://www.pressreader.com/brazil/mundo-em-foco/20220131/281934546367070
  81. https://arquivoufo.com.br/2012/04/19/21-ovnis-foram-perseguidos-por-cacas-sobre-o-ceu-de-sao-paulo-1986/
  82. https://arquivoufo.com.br/2017/06/21/noite-oficial-dos-ovnis-e-o-caso-ufologico-mais-legitimo-do-mundo/
  83. https://portalcontexto.com/anapolis-esteve-na-rota-da-noite-oficial-dos-ovnis-no-brasil-ha-35-anos/
  84. https://livrosderomancebeatrizfield.blogspot.com/2016/10/curiosidades-sobre-noite-oficial-dos.html
  85. SILVA, Ozires. A decolagem de um sonho: História da Criação da Embraer. São Paulo: Lemos Editorial, 1998.
  86. Gravações da Noite Oficial: Fita 1 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  87. Gravações da Noite Oficial: Fita 1 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  88. Gravações da Noite Oficial: Fita 2 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  89. Gravações da Noite Oficial: Fita 2 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  90. Gravações da Noite Oficial: Fita 3 – Lado A – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  91. Gravações da Noite Oficial: Fita 3 – Lado B – Audio da Torre de Controle do Aeroporto de São José dos Campos
  92. Gravações da Noite Oficial: Fita 4 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar 98 e a Defesa Aérea
  93. Gravações da Noite Oficial: Fita 4 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar 98 e a Defesa Aérea
  94. Gravações da Noite Oficial: Fita 5 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock 07 e a Defesa Aérea
  95. Gravações da Noite Oficial: Fita 5 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock 07 e a Defesa Aérea
  96. Gravações da Noite Oficial: Fita 6 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar-116 e a Defesa Aérea
  97. Gravações da Noite Oficial: Fita 6 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jaguar-116 e a Defesa Aérea
  98. Gravações da Noite Oficial: Fita 7 – Lado A – Gravações telefônicas diversas
  99. Gravações da Noite Oficial: Fita 8 – Lado A – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock- 17 e a Defesa Aérea
  100. Gravações da Noite Oficial: Fita 8 – Lado B – Gravação das Comunicações entre o caça Jambock- 17 e a Defesa Aérea
  101. ROCHA JR, J. S. Invasão de Tráfego Aéreo em 1986. Revista UFO, nº 55, p. 27. Novembro de 1997.
  102. EQUIPE UFO. Entrevista com Brigadeiro Sócrates Monteiro. Revista UFO, 163. Março de 2010
  103. Reportagem do programa Fantástico da Rede Globo exibido em 22/05/2016.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 × dois =