Nova Técnica Para Identificar Vida em Outros Planetas

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Astrobiólogos desenvolvem um “catálogo de cores” para identificar padrões de vida alienígena.


Por Cristina Torres, para o CornellSun

 

O Instituto Carl Sagan em Cornell revolucionou a maneira como os pesquisadores pensam sobre o espaço e seus habitantes, criando um método de identificação de vida extraterrestre: catalogação de cores.

O processo de catalogação de cores envolve a análise de pigmentos de microrganismos em ambientes extremos na Terra e o registro da cor que eles refletem quando expostos a certos comprimentos de onda de luz. As cores – que vão do roxo escuro ao verde vibrante – são catalogadas para construir uma referência ao analisar os reflexos de cores das superfícies de outros planetas.

[A vida] tem formas diferentes, cores diferentes, organismos diferentes, relações diferentes entre os organismos, então varia”, disse Lígia Fonseca Coelho, astrobióloga que trabalha com a professora Lisa Kaltenegger, astrônoma e diretora do Instituto Carl Sagan “[Catálogos ] são uma maneira… de tentar resolver [essa variação].”

Prof. Lisa Kaltenegger, astrônoma do Carl Sagan Institute, que se dedica à busca por vida extraterrestre.

 

Coelho e Kaltenegger estão atualmente trabalhando na expansão de um catálogo que criaram, que engloba as cores que uma variedade de microrganismos na Terra refletem, concentrando-se especificamente nos microrganismos frígidos da Baía de Hudson, no Canadá. Eles estão fazendo isso catalogando amostras específicas de vida na Terra de tipos específicos de ambientes, a fim de adicionar suas assinaturas a um banco de dados. Kaltenegger explicou que esse banco de dados funcionará como um kit de ferramentas forenses que ajudará os pesquisadores a encontrar vida no universo, dentro e fora deste sistema solar.

Segundo Kaltenegger, o procedimento de análise da microbiota foi desenvolvido originalmente em 2015 no Instituto Carl Sagan. Coelho continuou a ajudar a desenvolver o método em 2015, ajudando a incluir microrganismos de ambientes congelados que estavam originalmente ausentes do catálogo.

Coelho coletou mais de 80 biotas diferentes de ambientes congelados. Estes são microorganismos que prosperam no gelo, espelhando algumas das condições vistas no espaço. Os microrganismos foram então levados para Portugal para serem identificados, sendo os mais vibrantes levados para o Instituto Carl Sagan em Cornell.

Astrobiologista portuguesa, Lígia Fonseca Coelho, especialista na busca por vida em ambientes extremos.

Coelho descobrira essa vibração por acaso. Depois de deixar algumas microbiotas coletadas em sua bancada, ela notou que elas eram exponencialmente mais coloridas do que as amostras que foram hidratadas e observadas. O momento do esquecimento levou à descoberta monumental de que os microrganismos apresentavam pigmentos mais vibrantes quando expostos a condições mais extremas. De uma perspectiva mais universal, essa informação pode ser aplicada ao estudo de possível vida extraterrestre em qualquer coisa, desde exoplanetas gelados até planetas desérticos extremos.

Os biopigmentos que esses micróbios produzem têm grandes benefícios. A primeira é que eles são produzidos em situações de estresse, então as cores podem ser previstas dependendo do tipo de ambiente que os microrganismos estariam habitando. A segunda é que sua vibração permite que sejam facilmente identificáveis ​​nesses ambientes extraterrestres.

Estamos usando a Terra como nossa chave para encontrar vida no cosmos – é o único lugar onde sabemos que existe vida”, disse Kaltenegger. “Ao usar a diversidade da vida na Terra como nossa chave, podemos começar a procurá-la em outros planetas e luas.

Em 15 de março, Kaltenegger e Coelho publicaram recentemente o artigo “Color Catalog of Life in Ice: Surface Biosignatures on Icy Worlds” na revista Astrobiology com algumas dessas descobertas. “[Nós] perguntamos se existe vida que pode se esforçar em ambientes gelados na Terra. Se ele pode se esforçar aqui, talvez possa evoluir em planetas congelados ou luas geladas em outro lugar também”, disse Kaltenegger. “[Se] deixar uma marca colorida em mundos congelados, podemos identificá-lo com a próxima geração de telescópios que procurarão vida no cosmos.

Kaltenegger explicou que esses coloridos microorganismos congelados na Terra são o que levam à conclusão de possibilidades de outras diversas formas de vida evoluindo de maneira semelhante.

No entanto, de acordo com Coelho, embora a Terra seja a única referência para quais cores os seres vivos refletem em diferentes ambientes, não é um sistema perfeito. Os pesquisadores reconheceram que os planetas explorados podem não corresponder exatamente às cores presentes no catálogo, mas pode dar uma ideia do que procurar.

A criação desta referência aprofundou a compreensão das cores que compõem a Terra, bem como a forma como a vida na Terra pode estar relacionada com os planetas em todo o universo. “Criamos o primeiro catálogo de espectros de vida que pode sobreviver e lutar em ambientes congelados na Terra”, disse Kaltenegger. “[Nós] temos uma chave para encontrar vida em outros mundos congelados no cosmos.

 

Com informações de:


  1. https://cornellsun.com/2022/04/24/astrobiologists-develop-a-color-catalog-to-identify-alien-life/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

catorze − oito =