Novo relatório sobre UAP é liberado pelo Pentágono

Por: Fenomenum Comentários: 0

O novo relatório não descarta a atividade alienígena, mas também não confirma que os avistamentos tenham origem alienígena.


Neste artigo:


Introdução

Com algumas semanas de atraso, o Pentágono divulgou o novo relatório detalhando as investigações oficiais conduzidas pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos sobre fenômenos aéreos não identificados (na sigla UAP, em inglês).

De acordo com o relatório, o governo dos EUA recebeu mais de 350 novos relatórios de avistamentos incomuns  desde março de 2021 – cerca de metade dos quais ainda não foram explicados, de acordo com um relatório do Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional.

Anteriormente, o vice-secretário de Defesa dos EUA para Inteligência, Ronald Moultrie, disse que o Pentágono ainda não encontrou evidências de visitas à Terra por representantes de outras civilizações. Segundo ele, o novo departamento do departamento, criado especialmente para estudar dados sobre supostas visitas de alienígenas, recebeu várias centenas de mensagens relevantes. O porta-voz do Pentágono, Patrick Ryder, declarou que o departamento leva os relatos a sério e estuda cada uma delas.

Além disso, o Pentágono garantiu aos congressistas dos EUA que não esconderiam os fatos da descoberta de vida extraterrestre, se fossem estabelecidos. Ao mesmo tempo, representantes do departamento não vão divulgar algumas das informações relacionadas a isso, em particular, divulgar ao público os métodos pelos quais as informações sobre OVNIs são coletadas e analisadas.

O escritório do Pentágono responsável por rastrear e estudar os avistamentos identificou preliminarmente 163 dos relatórios como “balão ou entidades-balão”. Um punhado de outros relatórios foi atribuído a drones, pássaros, eventos climáticos ou detritos no ar, como sacolas plásticas.

Mas “a caracterização inicial não significa positivamente resolvida ou não identificada”, alertou o relatório. Os 171 avistamentos restantes continuam sem explicação pelo governo dos EUA.

Alguns desses UAP não caracterizados parecem ter demonstrado características de voo incomuns ou capacidades de desempenho e requerem uma análise mais aprofundada”, constatou o relatório.

Em suma, a comunidade de inteligência e o Pentágono ainda parecem não ter explicação para pelo menos alguns de uma série de objetos voadores misteriosos que foram vistos se movendo pelo espaço aéreo militar restrito nas últimas décadas. A maioria dos novos relatórios veio de pilotos e operadores da Marinha e da Força Aérea dos EUA “que testemunharam UAPs durante o curso de suas funções operacionais e relataram os eventos”, de acordo com o relatório.

Embora o relatório tenha alertado que UAPs “representam risco à segurança de voo e colisão para meios aéreos” que pode exigir que os pilotos “ajustem os padrões de voo”, o relatório afirmou que não houve colisões relatadas entre aeronaves dos EUA e UAP até o momento.

O Departamento de Defesa, sob pressão do Congresso para investigar os chamados avistamentos de OVNIs ou UAPs, incentivou ativamente os pilotos e outros funcionários a relatar avistamentos inexplicáveis. A comunidade de inteligência divulgou seu primeiro relatório sobre o assunto em 2021.

Esse relatório examinou 144 relatórios de UAPs, apenas um dos quais os investigadores foram capazes de explicar até o final do estudo. Os investigadores não encontraram evidências de que os avistamentos representassem vida extraterrestre ou um grande avanço tecnológico de um adversário estrangeiro como a Rússia ou a China, mas reconhecem que é uma possível explicação.

O documento mostra um aumento dramático nos incidentes relatados desde a emissão do relatório de 2021. Segundo os investigadores, o aumento deve-se em parte a “uma melhor compreensão das possíveis ameaças que o UAP pode representar, seja como riscos de segurança de voo ou como plataformas de coleta de adversários em potencial”, e em parte devido ao “estigma reduzido em torno dos relatórios UAP”.

Embora alguns dos 366 relatórios recém-identificados cubram incidentes ocorridos nos 17 anos anteriores a março de 2021, 250 dos avistamentos registrados ocorreram desde essa data.

Eventos UAP continuam a ocorrer em espaço aéreo restrito ou sensível, destacando possíveis preocupações com a segurança do voo ou atividade de coleta adversária”, disse o relatório. “Continuamos avaliando que isso pode resultar de um viés de coleta devido ao número de aeronaves e sensores ativos, combinado com atenção focada e orientação para relatar anomalias”.

O Pentágono e a comunidade de inteligência “continuarão a investigar qualquer evidência de possível envolvimento de governos estrangeiros em eventos UAP”, disse o relatório. Isso atende ao projeto de lei de gasts de defesa, do Congresso dos EUA, que exigiu que o Pentágono e a comunidade de inteligência estudassem e relatassem o assunto.

O deputado democrata da Califórnia, Adam Schiff, ex-presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, saudou a divulgação do relatório.

Aprecio o esforço realizado pelo ODNI para estudar e caracterizar relatórios de fenômenos aéreos não identificados e seu compromisso em garantir a transparência ao divulgar um resumo não classificado ao público americano. … Fenômenos aéreos não identificados continuam sendo um assunto de segurança nacional, e continuarei a apoiar investigações completas de todos os relatórios UAP e supervisão do Congresso”.

O ODNI disse em seu relatório que os esforços para desestigmatizar os relatórios e enfatizar que os objetos podem representar uma ameaça provavelmente contribuíram para os relatórios adicionais.

O escritório de anomalias do Pentágono também deve incluir quaisquer objetos não identificados que se movam debaixo d’água, no ar ou no espaço, ou algo que se mova entre esses domínios, o que pode representar uma nova ameaça.

O relatório de 12 páginas não especifica quando cada um dos avistamentos ocorreu e é um resumo não classificado de uma versão confidencial que foi fornecida ao Congresso sob solicitações feitas sob a Lei de Acesso à Informação da Defesa Nacional. A versão classificada do relatório aborda quantos desses objetos foram encontrados perto de locais onde operam usinas nucleares ou armas nucleares são armazenadas.

 

O relatório de 12 páginas pode ser acessado clicando neste link:

Unclassified-2022-Annual-Report-UAP.

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =