Walt Cunningham, astronauta do programa Apollo, morre aos 90 anos

Por: Fenomenum Comentários: 0

Astronauta participou da missão Apollo 7, tendo alguns avistamentos ufológicos durante seu voo espacial.


Neste artigo:


Introdução

Walt Cunningham, um dos primeiros astronautas da Apollo morreu, na terça-feira, após complicações de uma queda. Ele tinha 90 anos.

Walt Cunningham voou no espaço apenas uma vez, em 1968, em uma missão espacial muito importante, porém muitas vezes esquecida do programa espacial que tinha por objetivo colocar astronautas na superfície lunar.

Cunningham foi o piloto do módulo lunar da Apollo 7, em uma viagem de 11 dias ao redor da Terra, com a missão de testar o módulo de comando usado ao longo de todo o programa.

A verdadeira conquista, é claro, foi o primeiro pouso tripulado na lua“, declarou Cunningham em 2016. “Mas esse foi o quinto do que sempre descrevi como cinco passos gigantes. O primeiro foi a missão Apollo 7 , claro. Teste completo da espaçonave Apollo.

O lançamento veio depois de um momento difícil para a NASA. Apenas 21 meses antes, um incêndio na plataforma de lançamento matou três astronautas durante um teste da Apollo 1 . Nesse ínterim, a NASA mudou muitos procedimentos e o módulo de comando passou por uma série de melhorias de segurança.

Cunningham disse em 2016 que se a Apollo 7 não tivesse corrido bem, os EUA não teriam pousado na lua antes do final da década de 1960. “Historicamente, o que o público não percebe”, disse ele, “ainda é o primeiro voo de teste mais longo, mais ambicioso e mais bem-sucedido de qualquer nova máquina voadora de todos os tempos”.

Havia tantas coisas que precisavam ser testadas“, lembrou ele. Durante o voo, a tripulação testou o motor que colocaria a Apollo dentro e fora da órbita lunar, simulou manobras de atracação e fez a primeira transmissão ao vivo de uma espaçonave americana.

Era difícil imaginar que poderíamos passar por todas essas coisas [em uma missão de 11 dias] sem que algo desse errado e dissessemos: ‘ei, você precisa voltar para casa’“, disse Cunningham.

Astronauta Walter Cunningham, durante a missão Apollo 7.

 

A missão foi considerada um sucesso, mas foi a última vez que esses astronautas voaram no espaço. Havia tensão entre o comandante da Apollo 7, Wally Schirra, e o controle da missão. À medida que o vôo se arrastava, Schirra pegou um resfriado, assim como o astronauta Donn Eisele, e as brigas da tripulação pioraram com os controladores de solo. Apesar disso, Cunningham disse: “Ao olhar para trás, foi um trabalho, um desafio e uma tarefa que no final foi muito bem executada.”

Cunningham deixou a NASA em 1971, depois de trabalhar como gerente da Skylab, a estação espacial americana. Ele se aposentou da reserva do Corpo de Fuzileiros Navais como coronel e frequentou a Harvard Business School, se envolvendo com capital de risco. Ele também apresentou um talk show de rádio.

Cunningham era um físico e mais tarde ficou conhecido por suas visões céticas sobre as mudanças climáticas, discordando da crença científica esmagadora de que os humanos são os culpados pelo aumento das temperaturas globais. Ele escreveu: “Há uma guerra acontecendo entre aqueles que acreditam que as atividades humanas são responsáveis ​​pelo aquecimento global e aqueles que não acreditam.”

Experiências ufológicas

Os astronautas da Apollo 7, à exemplo das missões anteriores dos programas Mercury e Gemini, não apenas avistaram UFOs no espaço como documentaram vários deles.

Oficialmente, os astronautas contavam com apenas uma câmera Hasselblad 70mm, com qual obtiveram 533 fotografias ao longo da missão, sendo que destas, podemos observar objetos não identificados em pelo menos 22 delas. Atualmente, estas fotografias estão disponíveis no site ToTheMoon, em altíssima resolução.

O primeiro registro foi obtido logo no começo da missão, aproximadamente 40 minutos após entrar em órbita. Neste momento, os astronautas desfrutavam de um breve descanso e, enquanto se adaptavam à falta de gravidade, aproveitavam o tempo para verificar as condições da Apollo 7 e observar a Terra, a partir do espaço.

Walter Cunningham e seus dois companheiros observaram luzes de cor alaranjada abaixo da cápsula espacial.

Aos 43 minutos e 33 segundos, os astronautas ainda estão maravilhados com a beleza de nosso planeta, quando repentinamente observam novas luzes contra a superfície terrestre:

Don Eisele: Agora você pode ver o horizonte? Olhe pela vigia. Vê isso Walt?
Walter Cunnhingham: Sim… É lindo
Don Eisele: Lá no horizonte, Walt?
Walter Cunnhingham: Oh sim, é lindo.
Don Eisele: Olhar pra fora daqui? Vamos ver… eu acho que é.
Walter Cunnhingham: Eu posso ver isso daqui. O que são aqueles flashes que eu vi.
Don Eisele: Você viu alguns flashes? Eu vi também.

Após o trecho acima, o astronautas comentaram o fato e acreditavam que o flash era produzido pelo último estágio do foguete Saturno 1B, que os levou ao espaço. O astronauta Walter Cunnhingham resolveu fotografar o estranho brilho, mas ele desapareceu rapidamente.

Menos de um minuto depois, ocorreu um novo avistamento. O astronauta Don Eisele observou outros dois objetos luminosos contra a superfície terrestre. Imediatamente, os outros dois tripulantes confirmaram que também estavam observando tais luzes.

Don Eisele: Oh, que estranho. Vejo dois pontos de luz no chão. Parecem estrelas.
Walter Schirra Jr.: Sim… eu vi isso.
Walter Cunningham: Sim… eu vi também.

Walter Cunningham, que manuseava a câmera neste momento, obteve uma fotografia destas estranhas luzes. Nesta imagem, identificada como AS07-03-1512, se observa claramente os dois objetos luminosos contra a superfície terrestre, vistos a partir de uma das janelas do Módulo de Comando.

Fotografia feita pelo astronauta Walter Cunningham, durante o voo da Apollo 7, pouco depois de entrar em órbita. Os dois objetos eram avistados e foram alvos de comentários entre os astronautas.

 

 

 

 

 

Com informações de:


 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + catorze =