O Caso da Floresta de Rendlesham

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

O caso da Floresta Rendlesham envolve uma série de relatos de avistamentos de luzes não identificadas perto da Floresta Rendlesham, em Suffolk, Inglaterra, em dezembro de 1980 e que foram associados a pousos de OVNIs. Os eventos ocorreram nos arredores da Base Aérea de Woodbridge, que na época era utilizada pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF). Várias pessoas testemunharam esses incidentes. Entre eles o pessoal da USAF, incluindo o vice-comandante da base, tenente-coronel Charles I. Halt.


Neste artigo:


Introdução

Trata-se da ocorrência ufológica mais famosa no Reino Unido, e está entre os mais conhecidos relataram eventos de OVNIs em todo o mundo. Foi comparado ao incidente do OVNI em Roswell nos Estados Unidos e às vezes é chamado de “Roswell da Grã-Bretanha”.

O Ministério da Defesa do Reino Unido declarou que o evento não representou nenhuma ameaça à segurança nacional e, portanto, nunca foi investigado como uma questão de segurança.

Os céticos explicaram os avistamentos como uma interpretação errônea de uma série de luzes noturnas: uma bola de fogo, o Farol de Orfordness e estrelas brilhantes.

O Incidente

A Rendlesham Forest é propriedade da Comissão Florestal e consiste em cerca de 5,8 milhas quadradas (15 km 2) de plantações de coníferas, intercaladas com cinturões de folhas largas, charnecas e áreas úmidas. Ele está localizado no condado de Suffolk, cerca de 13 km a leste da cidade de Ipswich.

O incidente ocorreu nas proximidades de duas antigas bases militares: Bentwaters, que fica logo ao norte da floresta, e Woodbridge, que se estende pela floresta a partir do oeste e é delimitada pela floresta nas bordas norte e leste. Na época, ambos estavam sendo usados pela Força Aérea dos Estados Unidos e estavam sob o comando do comandante de ala, Coronel Gordon E. Williams. O comandante da base era o coronel Ted Conrad, e seu vice era o tenente-coronel Charles I. Halt.

Por volta das 3h do dia 26 de dezembro de 1980 um guarda, posicionado próximo ao portão leste da Base Aérea viu luzes aparentemente descendo para a floresta vizinha de Rendlesham.

Os militares inicialmente pensaram que se tratava de uma aeronave com problemas. Cinco deles entraram na floresta, para investigar, e em dado momento depararam-se com um objeto brilhante, de aparência metálica e luzes coloridas. Ao tentarem se aproximar do objeto, ele pareceu se mover por entre as árvores e “os animais de uma fazenda próxima entraram em frenesi”.

Um dos militares, o sargento Jim Penniston, afirmou mais tarde ter encontrado uma “nave de origem desconhecida” enquanto estava na floresta, embora não tenha havido nenhuma menção publicada sobre isso na época e não haja corroboração de outras testemunhas.

Mapa da área onde o caso ocorreu.

Um dado interessante é que nessa incursão, os militares dispunham de rádios, um gravador, um contador Geiger, óculos de visão noturna e lanternas. Os rádios, que operavam em três frequências diferentes e durante todo o período apresentaram interferência e só funcionavam de forma intermitente. O farol portátil, que os militares levaram para iluminar o local apresentou falha e não funcionou enquanto estiveram na floresta.

Os militares observaram um objeto luminoso, cuja cor oscilava entre vermelho e amarelo. Em dado momento, houve um efeito luminoso, semelhante à uma explosão e em seguida surgiram de três a cinco luzes de cor branca brilhante, emitindo cor vermelha, verde e azul, que realizavam movimentos erráticos no céu.

Mapa indicando o trajeto feito pelos militares até o local do pouso.

 

 

A 1,6 Km da sua posição, o aviador John Burroughs estava em um veículo tentando acionar o seu farol, que apresentava falha. Em dado momento, passou por ele uma luz azulada brilhante, que passou pelas janelas do veículo. Justamente nesse momento, o farol do veículo voltou à funcionar e em seguida apagou-se de novo, logo após o desaparecimento do objeto luminoso.

Outra testemunha da aparição do OVNI foi o taifeiro Larry Warren, que estava próximo ao portão Leste. Ele observou um objeto luminoso aproximando-se de sua posição. Em dado momento, ele pôde perceber que se tratava de um objeto estruturado, com aproximadamente 9 metros de comprimento por 6 de altura.

Desenhos feitos pelos militares representando o objeto.

 

Segundo alguns relatos, outros militares presentes na base tinham câmeras e fizeram registros em vídeo do misterioso objeto.

Pouco depois das 04h, a polícia local foi chamada ao local, mas informou que as únicas luzes que conseguiam ver eram as do farol de Orford Ness, a alguns quilômetros de distância, na costa.

Investigações Oficiais

Após o amanhecer da manhã de 26 de dezembro, os militares retornaram a uma pequena clareira perto da borda leste da floresta e encontraram três pequenas marcas no chão em um padrão triangular, bem como marcas de queimaduras e galhos quebrados nas proximidades.

Às 10h30, a polícia local foi chamada novamente, desta vez para ver as impressões, que eles pensaram que poderiam ter sido feitas por um animal.

O vice-comandante da base, tenente-coronel Charles Halt, visitou o local com vários militares na madrugada de 28 de dezembro de 1980 (relatado como 29 de dezembro por Halt). Eles fizeram leituras de radiação no triângulo de depressões e na área circundante usando um AN/PDR-27, um medidor padrão de pesquisa de radiação militar dos EUA.

Embora tenham registrado 0,07 miliroentgens por hora, em outras regiões detectaram 0,03 a 0,04 miliroentgens por hora, próximo ao nível de fundo. Além disso, eles detectaram uma pequena ‘explosão’ a mais de 800 metros de distância do local de pouso.

O local de pouso do objeto.

 

Em 1984, uma cópia do que ficou conhecido como “Halt Tape” foi liberado para pesquisadores de OVNIs pelo Coronel Sam Morgan, que já havia sucedido Ted Conrad como superior de Halt.

Esta fita, com duração de 17 minutos e 57 segundos, narra a investigação de Halt na floresta em tempo real, incluindo leituras de radiação, o avistamento da luz piscando entre as árvores e os objetos parecidos com estrelas que pairavam e brilhavam.

Uma das marcas deixadas pelo objeto.

 

Foi durante esta investigação que uma luz intermitente foi vista no campo a leste, quase alinhada com uma casa em um sítio. Segundo algumas fontes isso teria sido semelhante ao observado pelas testemunhas na primeira noite. O farol de Orford Ness é visível mais a leste na mesma linha de visão.

Os militares também fizeram fotografias do local. Georgina Bruni, em seu livro “Você não pode contar às pessoas”, publicou uma fotografia do suposto local de pouso tirada na manhã seguinte ao primeiro avistamento. Essas fotografias também compõem a documentação oficial existente sobre o caso.

Documentos Oficiais

Atualmente existem centenas de páginas de documentação oficial sobre este caso disponíveis na Internet. Entre estes documentos está um relatório, escrito pelo tenente-coronel Charles I. Halt, e que foi encaminhado ao Ministério da Defesa (MoD). Conhecido como o “memorando Halt”, ele foi disponibilizado publicamente nos Estados Unidos sob a U.S. Lei de Liberdade de Informação em 1983.

O memorando foi escrito em 13 janeiro de 1981 sob o título “Luzes Inexplicáveis”, descreve os acontecimentos relacionados ao incidente. Ele contém algumas imprecisões em erros e datas, mas apesar disso é peça importante no entendimento do caso.

Uma das marcas deixadas pelo objeto.Uma das marcas deixadas pelo objeto.

 

De acordo com o memorando de Halt, três luzes semelhantes a estrelas foram vistas no céu, duas ao norte e uma ao sul, cerca de 10 graus acima do horizonte. Halt disse que o mais brilhante deles pairou por duas a três horas e parecia emitir um feixe de luz de vez em quando.

Evidências de um arquivo substancial do Ministério da Defesa sobre o assunto levaram a alegações de encobrimento. Alguns interpretaram isso como parte de um amplo programa de acobertamento informações sobre a verdadeira natureza de objetos voadores não identificados, tanto pelos governos dos Estados Unidos quanto do Reino Unido.

Charles Halt, em foto atual (esquerda) e em foto da época (direita).

 

Contudo, quando os arquivos foram divulgados em 2001, constatou-se que consistia maioritariamente em correspondência interna e respostas a perguntas do público. A falta de qualquer investigação aprofundada nos documentos divulgados publicamente é consistente com a declaração anterior do MoD de que eles nunca levaram o caso a sério.

Incluída nos arquivos divulgados está uma explicação dada pelo ministro da defesa, Lord Trefgarne, sobre o motivo pelo qual o Ministério da Defesa não investigou mais profundamente.

O arquivo policial de Suffolk sobre o caso foi divulgado em 2005 sob a Lei de Liberdade de Informação do Reino Unido. Inclui uma carta datada de 28 de julho de 1999, escrita pelo inspetor Mike Topliss, que observa que um dos policiais que compareceu ao local na primeira noite voltou ao local à luz do dia, caso tivesse perdido alguma coisa.
Não havia nada para ser visto e ele não está convencido de que a ocorrência fosse genuína”, disse ele.

A área imediata foi varrida por poderosos feixes de luz de um farol de pouso na RAF Bentwaters e no farol de Orfordness. Sei por experiência própria que à noite, em certas condições climáticas e de nuvens, esses feixes eram muito pronunciados e certamente causavam efeitos visuais estranhos.”

Novas Investigações

Em 1997, o pesquisador escocês James Easton obteve os depoimentos originais das testemunhas feitas pelos envolvidos nos avistamentos da primeira noite. Uma das testemunhas, Ed Cabansag, disse em seu depoimento:
Pensamos que as luzes vinham do outro lado da floresta, já que nada era visível quando passamos pela floresta arborizada. Veríamos um brilho perto da luz do farol, mas à medida que nos aproximávamos, descobrimos que era uma casa de fazenda iluminada. Chegamos a um ponto de observação onde pudemos determinar que o que estávamos perseguindo era apenas um farol distante”. Outro participante, John Burroughs, também afirmou: “Podíamos ver um farol circulando, então fomos em direção a ele. Nós o seguimos por cerca de 3 quilômetros antes que pudéssemos ver que ele vinha de um farol.”

Burroughs relatou um barulho “como se uma mulher estivesse gritando” e também que “você podia ouvir os animais da fazenda fazendo muito barulho”. Halt ouviu os mesmos ruídos duas noites depois. Esse barulho pode ter sido feito por veados Muntjac na floresta, que são conhecidos por latir alto e estridente quando alarmados.
Em junho de 2010, o coronel reformado Charles Halt assinou uma declaração autenticada, na qual resumiu novamente o que tinha acontecido e depois declarou acreditar que o evento era extraterrestre e que tinha sido encoberto tanto pelo Reino Unido como pelos EUA. Foram apontadas contradições entre esta declaração e os fatos registrados na época no memorando e na gravação de Halt.

O farol de Osford Ness.

 

 

Em 2010, o comandante da base, coronel Ted Conrad, forneceu uma declaração sobre o incidente a Clarke. Conrad afirmou que “não vimos nada que se assemelhasse às descrições do tenente-coronel Halt, nem no céu nem no solo” e que “Tínhamos pessoas em posição de validar a narrativa de Halt, mas nenhuma delas conseguiu”.

Numa entrevista, Conrad criticou Halt pelas afirmações no seu depoimento, dizendo que “ele deveria estar constrangido e envergonhado pela sua alegação de que o seu país e a Grã-Bretanha conspiraram para enganar os seus cidadãos sobre esta questão”. Ele sabe melhor. Conrad também contestou o testemunho do sargento Jim Penniston, que alegou ter tocado uma nave alienígena; ele disse que entrevistou Penniston na época e não mencionou tal ocorrência. Conrad também sugeriu que todo o incidente pode ter sido uma farsa.

Um artigo da Omni de 1983 diz: “O Coronel Ted Conrad, o comandante da base… lembra que cinco policiais da Força Aérea avistaram luzes do que eles pensaram ser um pequeno avião descendo na floresta. Dois dos homens rastrearam o objeto a pé e encontraram uma grande nave montada em um tripé. Não tinha janelas, mas estava repleto de brilhantes luzes vermelhas e azuis. Cada vez que os homens chegavam a 50 metros do navio, relata Conrad, ele levitava quase dois metros no ar e recuava. Eles o seguiram por quase uma hora pela floresta e por um campo até que ele decolou em “velocidade fenomenal”. Agindo com base nos relatórios feitos por seus homens, o Coronel Conrad iniciou uma breve investigação do incidente pela manhã. Ele foi para a floresta e localizou um padrão triangular feito ostensivamente pelas pernas do tripé. …ele entrevistou duas das testemunhas oculares e concluiu: ‘Aqueles rapazes viram algo, mas não sei o que era‘.”

Análise cética

Como não podia deixar de ser, a comunidade cética tentou explicar o caso. Uma teoria proposta é que o incidente foi uma farsa. A BBC informou que um ex-policial de segurança dos EUA, Kevin Conde, assumiu a responsabilidade por criar luzes estranhas na floresta ao dirigir um veículo policial cujas luzes ele havia modificado. No entanto, não há evidências de que essa pegadinha tenha ocorrido nas noites relacionadas ao caso.

Outras explicações para o incidente incluem um satélite espião soviético abatido, mas igualmente nenhuma evidência foi produzida para apoiar isso.

A explicação mais amplamente pelos céticos aceita é que os avistamentos foram devidos a uma combinação de três fatores principais. O avistamento inicial às 03h00 em 26 de dezembro, quando os aviadores viram algo aparentemente descendo para a floresta, coincidiria com o aparecimento de uma bola de fogo brilhante sobre o sul da Inglaterra. Os supostos pontos de pouso foram identificados pela polícia e pelos silvicultores seriam escavações feitas por coelhos.

Já as luzes observadas seriam originadas no farol de Orfordness e isso seria corroborado em alguns relatos das testemunhas que relataram as luzes na mesma direção e na mesma taxa de intermitência das luzes do farol.
De acordo com os depoimentos das testemunhas de 26 de dezembro, a luz brilhante vista da floresta estava na mesma direção do Farol de Orfordness. Quando as testemunhas oculares tentaram se aproximar da luz, perceberam que ela estava mais longe do que pensavam. Uma das testemunhas, Ed Cabansag, descreveu-o como “um farol apagado à distância”, enquanto outro, John Burroughs, disse que era “um farol”.

Os objetos semelhantes a estrelas que Halt relatou pairando a baixa altura ao norte e ao sul são considerados por alguns céticos como interpretações errôneas de estrelas brilhantes distorcidas por efeitos atmosféricos e ópticos. A mais brilhante delas, ao sul, corresponderia à posição de Sirius, a estrela mais brilhante do céu noturno.

Em seu podcast Skeptoid de 6 de janeiro de 2009, intitulado “The Rendlesham Forest UFO,” O céptico Brian Dunning avaliou os relatos originais das testemunhas oculares e as gravações em áudio, bem como as reportagens resultantes deste incidente na mídia. Em sua análise, Dunning concluiu:

A meticulosidade do coronel Halt foi louvável, mas até ele pode estar enganado. Sem exceção, tudo o que ele relatou em sua fita de áudio e em seu memorando escrito tem uma explicação perfeitamente racional e normal… Tudo o que resta é a história de que os homens foram interrogados e ordenados a nunca mencionar o evento, e avisaram que “as balas são baratas”. Bem, como vimos na televisão, todos os homens falam livremente sobre isso, e até o coronel Halt diz que até hoje ninguém o interrogou. Portanto, esta parece ser apenas mais uma invenção dramática para a televisão, talvez de um dos homens que expandiram as suas histórias ao longo dos anos. Ao examinar cada evidência separadamente com base em seu próprio mérito, você evita a armadilha da correspondência de padrões e de encontrar correlações onde não existem. Os meteoros não tiveram nada a ver com o farol ou com as escavações dos coelhos, mas quando você ouve as três histórias contadas juntas, é fácil concluir (como fizeram os aviadores) que a luz acima se tornou uma espaçonave alienígena na floresta. Lembre-se sempre: peças separadas de evidências ruins não se agregam em uma única evidência boa”.

Uma explicação cética ainda mais surreal afirma que o caso teria ocorrido por uma ação militar do Reino Unido dentro das instalações da USAF, na Base Aérea de Woodrige.

Esta possível explicação surgiu em dezembro de 2018. Segundo ela, o incidente da Floresta de Rendlesham teria sido uma armação do SAS como um plano de vingança contra a USAF. De acordo com esta história, em agosto de 1980, o SAS saltou de pára-quedas na área da Base Aérea de Woodbridge para testar a segurança na instalação nuclear. A USAF tinha atualizado seu radar e detectado os pára-quedas do SAS enquanto desciam para a base.

As tropas do SAS teriam sido interrogadas e espancadas, com o insulto final de serem chamadas de “alienígenas não identificados”.

Por vingança, a equipe do SAS teria esperado o mês de dezembro para instalar luzes e sinalizadores coloridos na floresta. Balões de hélio preto também teriam sido acoplados a pipas controladas remotamente criar o efeito de luzes no céu, que seriam ativadas por rádio-controles”.

O ufólogo britânico David Clarke investigou esta possibilidade e não encontrou qualquer evidência plausível de que tenha ocorrido.

Uma Visão Realista

Os principais eventos do incidente, incluindo o suposto pouso ou desembarque, ocorreram na floresta, que começa na extremidade leste da pista base ou cerca de 0,3 milhas (0,5 km) a leste do Portão Leste da RAF Woodbridge, de onde os guardas de segurança notaram pela primeira vez luzes misteriosas parecendo descer na floresta. A floresta se estende para leste cerca de 1,6 km além do Portão Leste, terminando no campo de um fazendeiro em Capel Green, onde eventos adicionais supostamente ocorreram.

O Farol de Orfordness, que os céticos identificam como a luz piscante vista na costa pelos aviadores, fica na mesma linha de visão, cerca de 5 milhas (8,0 km) mais a leste de a borda da floresta. Naquela época, era um dos faróis mais brilhantes do Reino Unido.

As cores da luz do OVNI, relatadas pelos militares, não combinam com o farol. Eles relataram cor vermelha, azul e também uma luz branca. O feixe de luz do farol não era vermelha nem azul. Além disso, essas luzes eram frequentemente relatadas como próximas, acima ou nas árvores. A luz branca referida no primeiro encontro também está próxima, seja dada na beira da estrada ou quando o OVNI se acendeu antes de partir quando os aviadores atingiram o solo em resposta.

Burroughs descreve seu encontro com a luz branca e a arte da seguinte forma:

Houve um flash repentino de luz intensa, os dois homens caíram no chão para proteger os olhos. O objeto subiu mais de um metro acima do solo e moveu-se cuidadosamente entre as árvores. Isso então aumentou sua altura para algumas centenas de metros, pairou e desapareceu num piscar de olhos. Percebemos então luzes à distância e as seguimos, mas elas também desapareceram. Em seguida, examinaram o local de pouso para descobrir que havia marcas deixadas no solo, três formas triangulares com cerca de três metros de distância. Eles então retornaram à base.

O relato das testemunhas falam de um objeto triangular, algo bem diferente de um farol costeiro.

Soma-se à isso o nível de radiação no local indicado de pouso, que era consideravelmente maior do que o índice de radiação do ambiente e as próprias marcas encontradas precisamente no local indicado pelos militares.

Militares, que atuavam há anos na base e sabiam da existência do farol e suas características, inviabilizando a hipótese de eles terem confundido a luz do farol.

Com informações de:


 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =