O Disco Voador Luminoso

Por: Fenomenum Comentários: 0

A famosa fotografia de um disco voador luminoso, atribuída à Apollo 12, é mais um caso de erro de interpretação.

Desde o início do Programa Apollo especula-se sobre possíveis contatos com naves e alienígenas durante as missões. Muitos ufólogos, entusiasmados com a possibilidade, condicionaram-se a tal ponto, chegando a ver coisas onde elas não existem. Em outros casos houveram confusões e más interpretações em possíveis objetos. Assim, pedaços da própria cápsula, restos de foguete e gazes da própria propulsão da nave acabaram sendo rotulados como naves e divulgadas no meio ufológico como tal.

Infelizmente, a maioria absoluta dos ufólogos apenas reproduziram estas imagens sem checar nos arquivos da NASA se elas eram procedentes e verídicas ou não. Neste artigo apresentamos as mais conhecidas e provamos que estes OVNIs estão muito bem identificados.

O primeiro caso de Falso OVNI é o de um objeto, com formato claramente discoidal, bastante luminoso aparentemente próximo à cápsula. De fato a imagem realmente impressiona e confunde.

 

Fotografia que circula nos meios ufológicos atribuída aos astronautas da Apollo 12. Afirma-se que este objeto seria um disco voador avistado próximo à cápsula e fotografado pelos astronautas.

 

Analisando-se toda a seqüência de imagens da Missão Apollo 9 percebemos que o objeto é na verdade parte do foguete propulsor que colocou a cápsula no espaço. Para comprovar o que afirmamos aqui apresentamos toda a seqüência fotográfica obtida na ocasião.

No arquivo de imagens a identificação da fotografia segue algumas regras. Por exemplo AS12-50-7327. O AS12 identifica a missão em que a fotografia foi obtida. O número 50 identifica o rolo de filme em que a fotografia se encontra. A ultima numeração, 7327 é o número da fotografia.

No caso do falso OVNI as fotografias foram obtidas pelos astronautas da Apollo 12 após entrar em órbita terrestre. As duas primeiras imagens, AS12-50-7325 e AS12-50-7326 mostram nosso planeta já a uma certa distância. As três fotos seguintes, AS12-50-7327, 7328 e 7329 mostram o momento da separação entre a cápsula e o módulo propulsor. Vê-se a cápsula próxima e fagulhas de gazes derivados da separação.

Fotografia AS12-50-7327, obtida pouco após início do processo de desempacotamento do Módulo Lunar. O adaptador ainda estava próximo ao Módulo de Comando da Apollo 12.

 

Fotografia AS12-50-7328, obtida pouco após início do processo de desempacotamento do Módulo Lunar. O adaptador ainda estava próximo ao Módulo de Comando da Apollo 12.

 

Fotografia AS12-50-7329, obtida pouco após início do processo de desempacotamento do Módulo Lunar. O adaptador ainda estava próximo ao Módulo de Comando da Apollo 12.

 

Já na fotografia AS12-50-7335 até a 7350 temos o módulo já mais afastado e inclinando-se no espaço, ficando com a boca iluminada pela luz solar e o resto mergulhado em sombra.

 

A AS12-50-7335 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7336 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7337 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7340 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7341 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7344 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7345 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

A AS12-50-7346 mostra o afastamento do adaptador, que vai lentamente inclinando-se criando um interessante efeito de luz e sombra.

 

Se ainda restar alguma dúvida basta darmos uma olhada nas imagens seguintes para ter a certeza de o tal OVNI não passa de um módulo descartado. São ampliações realizadas a partir de imagens em alta resolução sem qualquer tipo de tratamento especial. Percebe-se que as alegadas imagens de OVNIs são imagens desfocadas do objeto.

Comparativo entre a fotografia original e seu detalhes com o modelo de adaptador utilizado para o Módulo Lunar, no Programa Apollo.

Infelizmente esse caso não é único. Existem inúmeras outras em que fagulhas do módulo, pedaços da cápsula, módulos descartados ou em manobras, reflexos, etc., são utilizados como exemplos de registros ufológicos.

 

Referências:


  1. March to the Moon
  2. Flickr Apollo 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.