O fantástico caso Pedro Luro

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Um caso impressionante, ocorrido na província de Rio Negro, Argentina, com uma possível teleportação de um veículo.


Neste artigo:


Introdução

Em 17 de agosto de 1978, Carlos Acevedo e Hugo Prambs deixaram a cidade de Buenos Aires a bordo de um Citroen GS 1220, em cumprimento à primeira etapa do Rally Sul-Americano, organizado pelo Automóvil Club Argentino e Banco Regional Exchange.

A competição em que iriam participar era verdadeiramente árdua para homens e máquinas: uma verdadeira maratona de pouco mais de um mês durante a qual teriam de unir Buenos Aires com Caracas (Venezuela) para regressar pela costa sul-americana do Pacífico.

A tripulação do Citroen número 102 teve de enfrentar inúmeros problemas, sobretudo nas últimas etapas do Rally, que determinaram que desistissem de continuar a participar na competição. No entanto, com a determinação de Acevedo e a ajuda de outros competidores, eles conseguiram se “reinscrever”, depois de efetivada a desistência, para concluir o percurso.

No dia 16 de setembro, na cidade de Bariloche, Hugo Prambs desertou por problemas pessoais, sendo substituído por Miguel Angel Moya.

Os protagonistas, Miguel Moya e Carlos Acevedo.

 

 

Na madrugada do dia 23 de setembro, Acevedo e Moya percorreram os últimos 1.000 quilômetros do Rally. Por volta das 02h00, eles pararam no posto da ACA em Viedma (província de Río Negro) onde reabasteceram (encheram o tanque padrão de 50 litros e um tanque suplementar de 40 litros), tomaram café e conversaram por alguns minutos com outros concorrentes. Às 02h30, o Citroen número 102 estava novamente na estrada para Bahía Blanca, depois de cruzar o Rio Negro e passar pela cidade de Carmen de Patagones.

Por volta das 03h00, eles haviam deixado para trás o cruzamento da Rota 3 com a estrada local que leva à cidade de Cardenal Cagliero e estavam na altura do Salitral del Algarrobo e da Salina de Pedro, cerca de 30 quilômetros ao norte da cidade de Carmen de Patagones (aproximadamente coordenadas da localização das testemunhas: 40º 29′ Latitude Sul, 62º 49′ Longitude Oeste).

Carlos Acevedo estava ao volante do Citroen. De repente, ele observou uma luz muito forte que se refletia no espelho retrovisor de seu carro. Era uma luz densa, de coloração amarelada. A princípio distinguia-se apenas como um ponto no espelho, porém seu tamanho aumentava visivelmente.

Acevedo e Moya viajavam naquele momento a quase 100 quilômetros por hora. Apesar disso, a luz parecia estar se aproximando rapidamente. Acevedo pensou tratar-se dos faróis de um dos carros da classe de maior cilindrada (Citroén 2400 ou um dos Mercedes Benz), então ele decidiu reduzir significativamente a velocidade do seu veículo  e manter-se na margem direita da faixa de asfalto de forma a facilitar a passagem daquele que assumiu ser mais um concorrente do Rally.

A luz já preenchia o espelho retrovisor e continuava se aproximando em alta velocidade. De repente, o habitáculo do Citroén de Acevedo y Moya “encheu-se” de luz.

A trinta quilómetros de Viedma vi pelo retrovisor que se aproximava uma densa luz amarela e violeta. A princípio pensei que fosse um carro e, dada a velocidade, devia estar a uns 300 quilômetros por hora. Tentei ceder e corri para a esquerda. Então a luz inundou toda a cabine e não conseguíamos ver além do capô do carro. Era uma luz densa, muito brilhante, de cor amarela com alguns matizes violáceos. Naquele momento, o carro parecia fora de controle para mim. Olhei pela janela e vi que estávamos a quase dois metros do asfalto. Imediatamente pensei que tínhamos pulado ‘nas costas de um burro’ e comecei a voar, me preparando para o momento em que voltássemos a ter contato com o asfalto”, declarou Acevedo posteriormente.

No entanto, o carro, longe de descer, parecia continuar subindo descontroladamente.

Depois de alguns segundos, não sei, talvez 5 ou 10. Reagi, percebi que aquilo era algo completamente anormal. Eu queria olhar pela janela novamente, mas tudo que eu podia ver era aquela luz densa. Lembro que comecei a gritar E aí?, mas Moya não quis me responder. Quando olhei para a minha direita, meu parceiro não estava lá, ou pelo menos não pude vê-lo. Na verdade, eu não conseguia nem ver o painel. Eu só via aquela luz, densa, que parecia um líquido, sei lá, algo meio pegajoso”, lembrou Acevedo.

Por sua vez, Miguel Angel Moya permaneceu paralisado pelo medo e relatou:

No início também pensei um ‘lombo de burro’ e a possibilidade de capotamento assustou-me um pouco, mas quando reparei que o carro parecia flutuar no ar e não descia, fiquei ainda mais assustado. Realmente era uma situação que ele não conseguia compreender. Olhei para Carlos e o vi rígido, com os braços estendidos segurando o volante e olhando para frente. Parecia que ele estava gritando, mas eu não conseguia ouvir nada. Eu via tudo como através de uma névoa amarela, como se estivesse distante, em outro lugar. Acho que minha primeira reação foi fugir dali, e queria abrir a porta mas não consegui, parecia estar soldada. Percebi que a temperatura estava subindo, embora talvez fosse produto do meu estado de medo. De repente a luz envolveu tudo e eu não via mais nada, acho que nem via minhas mãos, nem nada“.

As testemunhas então perderam a noção do tempo. De repente, eles sentiram um solavanco e notaram que o carro estava de volta ao chão.

“Acho que se passou um ou dois minutos, não sei bem, quando senti um leve solavanco, mas imediatamente tive a impressão de que o carro estava de volta à estrada. Nesse exato momento a luz amarela parecia ficar menos intensa e aos poucos fui conseguindo enxergar ao meu redor, vi o painel, o capô do carro. Olhei pela janela e vi o terreno, estávamos no acostamento do lado errado, à esquerda da estrada, totalmente parados. De repente, a luz deixou  e observei que ela se afastava para o oeste. Algo como um cone de luz amarela, mas não terminava em um ponto, mas era truncado. Não sei, seria uns quatro ou cinco metros na base e dois ou três no topo, e uns seis metros, talvez sete, de altura. A base iluminava o terreno, embora você não pudesse realmente ver o que estava iluminando, isto é, não foi visto através da luz. Alguns segundos depois a luz, como direi?, recuou… Ou subiu como uma cortina, de baixo para cima, e a única coisa que ficou à vista foi uma luz oval, branco-amarelada, que continuou em direção ao oeste, até desaparecer na distância“, disse Acevedo.

Por sua vez, Moya demorou alguns segundos para se recuperar do choque produzido pela situação anormal vivida:

De repente tudo aconteceu, e estávamos sozinhos na estrada, nos olhamos mas não conseguíamos dizer nada um ao outro. Eu estava dormente, minhas mãos tremiam e eu sentia um aperto no peito, era difícil respirar“.

Carlos Acevedo, no volante de seu veículo Citroen GS 1220.

 

Acevedo e Moya permaneceram em silêncio por alguns segundos, incapazes de realizar qualquer ação ou atividade. Por fim, Acevedo saiu do veículo para, como nos disse, “ver se estava tudo no lugar”. Apenas um minuto depois, ele voltou para o Citroén e, a toda velocidade, eles continuaram na Rota 3 em direção ao norte.

Após 15 minutos de viagem, mais ou menos a tripulação chilena do Citroen número 102 chegou a Pedro Luro, cidade localizada na província de Buenos Aires, 123 quilômetros ao norte de Carmen de Patagones. Eles pararam em um posto de gasolina, a fim de saber a localização de um destacamento policial, e quando decidiram verificar os instrumentos do carro, verificaram fatos anômalos: o hodômetro confirmou que, da cidade de Viedma a Pedro Luro, eles havia percorrido 52 quilômetros, quando a distância real entre as duas localidades é de 127 quilômetros; por outro lado, chegaram a Pedro Luro às 05h10, tendo saído da área urbanizada de Carmen de Patagones aproximadamente às 02h50.

O Citroen GS 1220 envolvido no incidente.

 

 

As testemunhas verificariam um terceiro fato inexplicável: ao decidirem abastecer o tanque principal com gasolina, observaram que o tanque secundário estava completamente vazio, apesar de ter sido abastecido com 40 litros na cidade de Viedma. E como se não bastasse, chegaram ao controle com duas horas de antecedência, quando acabava de ser instalada a mesa que controla a chegada dos veículos. Como resultado disso, eles foram relatados como “irregulares” na corrida.

Os factos relatados confundiram ainda mais as testemunhas, que, tomadas de crescente medo, decidiram denunciar os factos à Polícia de Pedro Luro, para o que se dirigiram ao respectivo destacamento. Ali foram atendidos diligentemente pelo inspetor oficial Daniel Osimi, a quem relataram os detalhes do ocorrido.

Uma semana depois do ocorrido, a revista Somos, dedicada a questões políticas, apareceu em sua capa com a ilustração do veículo iluminado por um suposto OVNI e o título “O estranho caso do carro voador”. A nota inclui uma denúncia a Acevedo e Moya, onde repetem a história que deram a um policial no posto Pedro Luro. “Acevedo agarrou a cabeça desesperadamente; Eu estava pronto para chorar. Já Moya não conseguia articular uma palavra, parecia paralisado”, garantiu o inspetor oficial Jorge Osimi, que havia sido chamado ao local pelo vigia noturno da estação.

Luzes em um corredor

O caso permaneceu pouco lembrado pela opinião pública até o ano 2000, quando o jornalista chileno Patricio Bañados entrevistou Miguel Ángel Moya para seu bem-sucedido ciclo de OVNIs (Acevedo havia morrido em um acidente em 1987).

O co-piloto contou na ocasião que quando a luz acendeu sobre o carro “apareceu um longo corredor com portas dos dois lados. Estávamos avançando. Luzes brilharam através daquelas portas. Eu sabia que Carlos estava lá porque o ouvi gritar. Chegamos ao final do corredor e havia uma cúpula. De lá pendia uma placa, da qual as luzes giravam. Dois seres aproximaram de nós. Carlos me disse ‘O que há de errado?’ E eu respondi ‘parece que os marcianos nos pegaram, idiota’. Ali toda a cena desapareceu e voltamos para o carro.”

 

Este evento único liderado por uma dupla de pilotos chilenos no meio do rali na Argentina custou-lhes a eliminação da corrida, porque os organizadores pensaram que eles haviam feito algum tipo de “trapaça”, que nunca poderia ser verificado. Os pilotos Acevedo e Moya, comentaram que, posteriormente, na cidade de Buenos Aires, foram interrogados por pessoal da Força Aérea Argentina, que gentilmente lhes pediu que contassem detalhadamente o ocorrido, confiscaram as roupas que usavam no dia do incidente e no final foi-lhes pedido que não comentassem o sucedido para não “alarmar a população”.

Outros Testemunhos

Inspetor Jorge Osimi: Afirmou que as testemunhas, ao prestarem depoimento na Delegacia de Pedro Luro, estavam em pleno uso de suas faculdades mentais, embora demonstrassem estar muito nervosas com os fatos ocorridos. Osimi verificou a ausência de rupturas ou furos no depósito auxiliar de gasolina, pelo que o desaparecimento dos 40 litros de combustível não tem explicação.

O cabo de polícia Jesús García: Ele declarou que notou que as testemunhas estavam muito nervosas. Quase não trocaram palavras na rota Pedro Luro – Bahia Blanca. Em uma ocasião, Acevedo ficou visivelmente assustado quando um carro que seguia o Citroen sinalizou com seus faróis altos.

Héctor Forchésotto (vigia do posto de gasolina): Foi ele quem primeiro fez contato com as testemunhas após o ocorrido. Ele notou que eles estavam muito nervosos, especialmente La Moya. Ele se lembra de tê-los visto discutir o problema da quilometragem percorrida e da falta de gasolina. Na opinião de Forchesatto, as testemunhas eram sinceras e o estado de inquietação e perplexidade que revelavam era impossível de fingir. Por outro lado, Forchesatto garantiu que, entre 04h30 e 04h45, moradores da localidade de Ascasubi observaram o rápido movimento de uma intensa e poderosa luz amarelada em direção ao oeste

Comentários

Acevedo e Moya deixam a área urbanizada de Carmen de Patagones para trás aproximadamente às 02:50 horas. Um quarto de hora depois, e quando já haviam percorrido entre 25 e 30 quilômetros, visualizaram pela primeira vez a luz amarelada. Assim, entre as 03h00 e as 03h05, ocorrem os eventos já relatados. Posteriormente, eles estão parados no acostamento, próximo à Rota 3, para continuar sua marcha em direção a Bahía Blanca após um ou dois minutos.

Às 05:10 chegaram a Pedro Luro (comprovado pelo vigia noturno do posto de gasolina, Sr. Forchesatto), então percorreram o trajeto Carmen de Patagones-Pedro Luro em aproximadamente 2 horas e 20 minutos. No suposto caso de ter feito o trajeto sem problemas, e a uma velocidade média de 100 km/h, deveria ter levado no máximo 75 a 80 minutos, para os quais haveria aproximadamente 60 minutos em branco.

De Carmen de Patagones até o momento em que o fenômeno luminoso se manifesta, passam-se cerca de 15 minutos. A partir do momento em que estão parados no acostamento e retomam para estrada, até à chegada das testemunhas à Pedro Luro, demoram mais 15 minutos. Aproximadamente meia hora no total. Então o lapso de tempo em branco é de 110 minutos, ou seja, um pouco menos de duas horas!

Na opinião das testemunhas, a manifestação do fenômeno teria durado um ou dois minutos. No entanto, também declararam que ao serem envoltos no feixe de luz amarelada, perderam toda a noção de tempo e lugar e não podem afirmar categoricamente que estivam na cabine do Citroén! A luz amarelo-arroxeada era tudo o que era visível para as testemunhas, que nem se viam.

Nenhum dos restantes concorrentes no Rally observou o Citroén número 102 parado na estrada (facto que dificilmente passaria despercebido devido ao natural espírito de colaboração que existe entre os participantes neste tipo de competição).  Nenhum veículo ultrapassou a linha de viagem do veículo das testemunhas entre as localidades de Carmen de Patagones e Pedro Luro, portanto, deve-se descartar que esses 110 minutos em branco possam ser devidos a um problema normal ou pelo menos identificável.

Assim, aparentemente, o problema temporário teria se originado em decorrência do incidente causado pelo fenômeno luminoso. Resta tentar explicar o porquê deste período de tempo perdido e o que aconteceu às testemunhas e ao carro no decorrer do mesmo, mas obrigar-nos-ia a seguir um caminho das nossas próprias suposições e hipóteses, de certa forma, da literatura de ficção científica, que não é nosso assunto.

Vale ressaltar a semelhança do incidente aqui descrito com o que, em 16 de julho de 1972, envolveu os senhores Brunelli e Prochietto quando se dirigiam para a cidade de Córdoba desde Arroyito. Segundo testemunhas, em determinado momento da viagem, o veículo que os conduzia pareceu flutuar no ar. Surpreendentemente, eles não se lembravam de ter atravessado um trecho de mais de 80 quilômetros e a viagem foi reduzida em quase 40 minutos. Testemunhas também observaram um estranho fenômeno de luz a cerca de 50 metros da estrada.

Paralelamente à redução temporária, o incidente Acevedo-Moya registra outro fato singular: o contador de quilometragem do carro das testemunhas registrava um intervalo de 71 quilômetros para a rota Carmen de Patagones-Pedro Luro. Testemunhas descobriram esse fato testando o odômetro parcial na chegada a Pedro Luro (comprovado pelo Sr. Forchesatto).

É possível descartar a possibilidade de que essa falta tenha se originado no mau funcionamento dos instrumentos do veículo, uma vez que foi registrada não só no odômetro padrão do carro, mas também no próprio veículo e também nos instrumentos de precisão adicionais usados ​​pelas equipes que participam de competições de rali.

Seria então possível entender que Acevedo e Moya não percorreram aquela distância pelos meios normais. Assim como a redução temporária, a falta de 71 quilômetros é um fato preocupante e, claro, inexplicável.

Ao que tudo indica, o veículo das testemunhas não sofreu nenhum tipo de efeito em decorrência do ocorrido. A pintura permaneceu intacta, a carroceria não parece ter sido submetida a um campo magnético (desvio muito insignificante da bússola) e nenhuma radioatividade foi detectada. A instalação elétrica estava intacta. Testemunhas não podem confirmar se o motor parou no momento do incidente, embora Acevedo acredite que após o veículo ter parado no acostamento, ele deveria ter ligado novamente o motor da unidade.

Por seu lado, as testemunhas sentiram medo e desorientação no momento do avistamento. Moya lembra sentir um calor sufocante quando a luz invadiu a cabine, uma forte opressão no peito (tinha dificuldade para respirar) e um tremor incontrolável nas mãos. O aperto no tórax e o tremor nas mãos se estenderam por mais de 24 horas. Acevedo afirmou que após o incidente sentiu as pernas dormentes e um “formigamento” na região dorsal.

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 9 =