Os 37 Anos da Noite Oficial dos OVNIs

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Há 37 anos ocorria a chamada Noite Oficial dos OVNIs, onde dezenas de objetos, alguns de grandes dimensões, apareceram sobre vários estados brasileiros, ativando o sistema de defesa aérea nacional. E embora tanta coisa já tenha sido revelada sobre o caso, ainda há muita para se descobrir.


Neste artigo:


Introdução

Há 37 anos atrás ocorria a chamada Noite Oficial dos OVNIs. Um grandioso fato ufológico que entrou para a história como um dos mais importantes casos da Ufologia Mundial.

Nenhum outro caso da Ufologia Mundial possui tantas testemunhas diretas, civis e militares e pilotos comerciais, espalhados aos longo de dez estados brasileiros em um evento que durou aproximadamente 13 horas.

E como se isso não fosse o suficiente, ainda temos a confirmação oficial do governo brasileiro, com o reconhecimento dos fatos, por parte do Ministro da Aeronáutica e dos militares da Força Aérea Brasileira, que reconheceram os fatos e declararam, em coletiva de imprensa, que cinco caças armados foram enviados para interceptar estes objetos.

E prometeram também um relatório de investigação, que seria divulgado em 30 dias. Um relatório ansiosamente aguardado pela Ufologia Mundial, por quase 30 anos!

Os objetos foram vistos em diferentes pontos do país.

Com a liberação dos relatórios, bem como quase 200 páginas de documentos oficiais ligadas ao caso e gravações das comunicações entre controladores de voo e pilotos envolvidos, novas informações foram acrescentadas ao caso, desencadeando uma nova investigação que resultou na expansão de conhecimento que se tinha sobre o caso.

Hoje, à luz destas novas investigações, sabe-se que eram bem mais do que 21 OVNIs, podendo ser duas a três vezes o número oficial. Um fato corroborado pelo controlador de tráfego aéreo Sérgio Mota da Silva, uma das principais testemunhas dos eventos daquela noite.

Sabe-se também que além de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Distrito Federal, os estados do Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso e Bahia e também o Uruguai (e possivelmente Argentina e Chile) também foram palco de avistamentos naquela noite.

Alguns dos envolvidos foram disponibilizados pela Força Aérea Brasileira em uma coletiva de impresa.

 

Dezenas de pilotos civis também tiveram a oportunidade de ver esses estranhos objetos, em diferentes pontos do país naquela noite. Só o Centro Curitiba, teria recebido 22 relatos de pilotos, naquela noite.

Nem tudo foi liberado…

Apesar da Força Aérea Brasileira ter reconhecido os fatos daquela noite e liberado documentos oficiais e gravações sobre o caso, nem tudo foi liberado ou admitido oficialmente. Hoje sabe-se que telas de radares foram gravadas em video-tape. Hoje, muito provavelmente elas estão perdidas.

Sabe que as comunicações entre as aeronaves em voo eram todas gravadas. Nenhuma das comunicações com aeronaves comerciais foi disponibilizada, seja na forma de audio ou transcrita. Nenhum relatório do livro de ocorrência da Torre, nas torres de controles envolvidas, foi liberado. Comunicações entre diferentes centros de controles envolvidos também não foram liberados.

Apenas três horas de gravações da Torre de Controle de São José dos Campos (SP) foi disponibilizada publicamente. E as outras nove horas de gravações ocorridas nesta torre, ocorridas dentro daquela cadeia de eventos? O que elas contém de tão importante e perigosas que não podem ser divulgadas?

Participaram da coletiva os 5 pilotos de caça oficialmente envolvidos em perseguição.

 

Oficialmente, a Força Aérea enviou cinco caças para interceptar estes objetos. Estas missões foram monitoradas e as comunicações foram gravadas. Quatro delas foram disponibilizadas publicamente, mas uma delas permanecem em sigilo e nos questionamos o motivo de ela não ter sido disponibilizada.

E os demais caças em voo naquela noite e que a Força Aérea nunca comentou? E os dois outros caças acionados durante o dia para interceptar um objeto sobre o Rio de Janeiro e que nunca foi comentado pela Força Aérea. Aeronaves envolvidas nestas ocorrências e que nunca foram citadas em qualquer comunicado ou declaração militar.

Segredos também no Exército e na Marinha

Sabemos que o conjunto de ocorrências daquela noite chamou também a atenção do Exército e da Marinha. Militares de ambas as instituições testemunharam as aparições e medidas foram tomadas frente à esses fatos. Sendo assim, documentos oficiais existem a respeito. Onde estão estes documentos, que em virtude do tempo decorrido, já deveriam ter vindo à público, como manda a Lei.

Exército e Marinha do Brasil também testemunharam e registraram os acontecimento da Noite Oficial dos OVNIs.

 

No Gama, próximo à Brasília (DF), existia o CADEST, um centro de adestramento da Marinha. Havia mais de 120 fuzileiros navais na base, naquele horário e que testemunharam manobras fantásticas de OVNIs sobre a região. Alguns militares precisaram de atendimento médico por conta disso.

Em São José dos Campos (SP), a fábrica da ENGESA, ligada ao Exército, foi fechada, por determinação do Alto Comando, em função dos OVNIs sobrevoando o local.

Tapar o Sol com a Peneira

Essa atitude de omitir informações sobre um fato desta magnitude é como querer tapar o Sol com a peneira. Algumas informações virão à público. A população acaba entrando em contato com as informações que autoridades militares ainda tentam manter em sigilo.

E convenhamos… E postura de sigilo sobre OVNIs, além de inútil e retrógrada, é também a pior escolha a se fazer. Como a inteligência das instituições militares sabe, uma pequena parte do fenômeno OVNI não tem origem em nossa humanidade. Tampouco tem origem em fenômenos naturais, alucinações, erros e fraude. Essa pequena parcela de fatos tem natureza inteligente e faz uso de uma tecnologia muito acima das capacidades das nações mais avançadas.

Se por ventura, tais inteligências decidirem fazer um contato aberto, em massa, com nosso planeta, quem de nós estaria mais preparado? Aquele que nunca tomou conhecimento do tema ufológico ou aquele que tem conhecimento e que estava preparado para aceitar essa possibilidade de contato?

Ufólogos por décadas lutam para conscientizar a população sobre este importante tema, mas sempre encontrando dificuldades e barreiras que seriam muito melhor transpostas com o apoio governamental e militar. E não estamos falando em apoio financeiro. Bem longe disso. Estamos falando sobre apoio informacional, com os registros feitos no âmbito militar, assim como foi feito parcialmente pela FAB, em se tratando da Noite Oficial dos OVNIs. Somente com a união entre governos, militares, cientistas e ufólogos é que podemos preparar população para encarar a realidade de que não estamos sós no Universo.

 

Para saber mais sobre a Noite Oficial dos OVNIs, acesse a mais completa abordagem sobre o caso, disponível em:

 

A NOITE OFICIAL DOS OVNIS

 

Acesse também nossa playlist com reconstituições e análises da Noite Oficial, no Canal Fenomenum em:

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 4 =