OVNIs podem ser humanos do futuro, segundo Mike Gallager

Por: Fenomenum Comentários: 0

Congressista de Wisconsin considera possível que o fenômeno OVNI seja originado em atividades de humanos do futuro, que voltaram no tempo e atualmente estão agindo em todo o planeta.


Neste Artigo:


Introdução

Após uma audiência aberta no Congresso na terça -feira sobre os agora denominados “fenômenos aéreos não identificados”, (UAP), o representante Mike Gallagher (do partido Republicado do estado de Wisconsin) cogitou a possibilidade de que os UAPs pudessem ser “nós do futuro.”

Aparecendo no Pat McAfee Show no dia seguinte à audiência, Gallagher sugeriu uma possibilidade que não foi tão aceita para avistamentos de UAPs insolúveis, além da tecnologia secreta ou extraterrestres, é que eles poderiam ser nossa própria tecnologia voltando no tempo até o presente.

Volte 200 anos e você diria: ‘Vocês não têm carros, Internet, boas metralhadoras; o que está acontecendo?’” Gallagher disse. “Então, vamos do nosso ponto na história, 200 anos adiante, e quem quer que tenha sobrado, nesse ponto, se pudermos evitar nos bombardear, dirá: ‘Espere, vocês não podem dobrar o espaço e o tempo? Descobrimos isso há 50, 100 anos.

Ele acrescentou que há alguma base científica para esta hipótese, e que é considerada “mais plausível” do que outras teorias por “pessoas sérias” com antecedentes credenciados que analisaram a questão. “Nós já, no meu entendimento – e novamente, não sou tecnólogo – temos tecnologia, tecnicamente, que pode fazer o teletransporte de algo chamado neutrinos, e tecnologia que prova que partículas subatômicas podem se mover mais rápido que a velocidade da luz. Einstein nos diz que isso é verdade. Teoricamente, a viagem no tempo é possível”, disse ele. “Então, essa é a terceira hipótese: as pessoas no futuro, nós, descobrimos como dobrar o espaço e o tempo, e é nossa tecnologia voltando do futuro.

O Congressita Republicano Mike Gallagher (à esquerda) e John Hillen na conferência do National Review Institute, “The Case for American Power”, 9 de maio de 2022. (Isaac Schorr)

 

Gallagher enfatizou que ele não estava “privilegiando” essa teoria “sobre outra”, mas apenas enfatizando que “temos que entrar nesse debate, não excluir nada só porque achamos estúpido falar sobre alienígenas, e o Washington Post vai chamá-lo de teórico da conspiração.

Seus comentários vieram após uma audiência de um subcomitê de inteligência da Câmara na terça-feira, da qual ele participou, trazendo à tona um incidente ainda inexplicável de 1967 na Base Aérea de Malmstrom, no qual um objeto não identificado tornou inoperantes as armas nucleares alojadas na base, bem como um memorando contestado de um ex-diretor de inteligência nacional, Thomas Wilson, que supostamente delineou toda uma série de programas governamentais que lidam e supervisionam evidências de encontros extraterrestres.

Gallagher ficou insatisfeito com as partes aberta e fechada da audiência, pois dois funcionários do governo representando o Grupo de Sincronização e Identificação de Objetos Aerotransportados do Pentágono não conseguiram responder adequadamente às suas perguntas. “Ainda estou frustrado com a falta de respostas”, disse Gallagher. “Ontem foi fundamentalmente inaceitável.

O congressista de Wisconsin acredita que uma abordagem melhor para esta importante questão, que tem implicações críticas para a segurança nacional, independentemente da explicação final, seria desclassificar o máximo possível, envolver o setor privado e tentar chegar ao fundo do mistério. “Vamos seguir a evidência onde quer que ela leve. E eu ainda não sei onde isso vai levar. Mas vamos apenas segui-lo.” Ele acredita, além disso, que, quando se trata da discussão sobre UAPs, “o gênio está fora da garrafa”, e as pessoas continuarão falando sobre isso de qualquer maneira. “A conversa aumentou muito e tem muita gente séria interessada nisso.

 

 

Com informações de:


  1. https://www.nationalreview.com/corner/wisconsin-representative-mike-gallager-ufos-could-be-us-from-the-future/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.