Pontos de Crise Poderiam Levar à Extinção de Civilizações Alienígenas

Por: Fenomenum Comentários: 0

Civilizações extraterrestres cresceriam tanto e inevitávelmente chegariam à pontos de crise, entrando em colapso perdendo a chance de partir para novos mundos, afirmam cientistas.


Se existe vida em outros planetas,por que eles ainda não visitaram a Terra? Esta pergunta, vista como sem noção (e com razão) no meio ufológico, intriga cientistas há décadas. Embora os fatos ufológicos falem por si, apontando a clara origem de uma parcela desses fenômenos como sendo de origem extraterrestre, muitos cientístas ignoram tais fatos e mantém sua atenção direcionada apenas para seus projetos de pesquisa.

Agora, estes cientistas acreditam que podem ter a resposta para o chamado paradoxo de Fermi.

O Dr. Michael Wong, da Carnegie Institution for Science, e o Dr. Stuart Bartlett, do California Institute of Technology, afirmam que as civilizações extraterrestres podem se tornar tão grandes e técnicas que atingem pontos de crise, perdendo a chance de visitar novos mundos.

O Paradoxo de Fermi questiona por que, dados os estimados 200 bilhões – 400 bilhões de estrelas e pelo menos 100 bilhões de planetas em nossa galáxia, não houve sinais de vida alienígena.

A contradição tem o nome de seu criador, o físico italiano Enrico Fermi, que colocou a questão pela primeira vez em 1950.

O físico italiano Enrico Fermi concebeu o chamado Paradoxo de Fermi na década de 1950. Ele explora por que não há sinal de vida alienígena, apesar dos 100 bilhões de planetas em nossa galáxia

 

Em um novo estudo, publicado na Royal Society Open Science , o Dr. Wong e o Dr. Bartlett começaram a desvendar o quebra-cabeça de 70 anos.

A dupla analisou estudos anteriores que mostraram que as cidades crescem ‘superlinearmente’ – a uma taxa mais rápida do que linear – graças à sua natureza social.

Essa escala superlinear resulta em crises chamadas ‘singularidades’, onde as demandas de população e energia substituem as inovações, levando ao colapso do sistema.

Por exemplo, na Terra, os pesquisadores dizem que a destruição da camada de ozônio, a escalada de armas de destruição em massa e a caça às baleias poderiam ter levado ao esgotamento, se não tivessem sido mitigadas.

Os pesquisadores sugerem que o esgotamento provavelmente também acontecerá com civilizações alienígenas.

Nós hipotetizamos que, uma vez que uma civilização planetária transite para um estado que pode ser descrito como uma cidade global virtualmente conectada, ela enfrentará um “esgotamento assintótico”, uma crise final em que a escala de tempo do intervalo de singularidade se torna menor do que a escala de tempo da inovação”,  afirmam.

Se as civilizações alienígenas puderem reconhecer que estão caminhando para esse esgotamento, elas poderão implementar mudanças para evitá-lo, acrescentaram os pesquisadores.

No entanto, essa repriorização de recursos pode tornar as civilizações alienígenas ainda mais difíceis de detectar.

Propomos uma nova resolução para o paradoxo de Fermi: as civilizações entram em colapso devido ao esgotamento ou se redirecionam para priorizar a homeostase, um estado em que a expansão cósmica não é mais um objetivo, dificultando a detecção remota”, escreveu a equipe.

À medida que as civilizações estão perto do esgotamento, elas podem realmente ser as mais detectáveis ​​para nós, de acordo com a equipe.

“Eles estariam alterando seus ambientes e dissipando energia livre de uma maneira insustentável – flutuações na escala planetária que exibem a maior relação sinal-ruído. Isso apresenta a possibilidade de que muitas das detecções iniciais da humanidade de vida extraterrestre possam ser do tipo inteligente, embora ainda não sábia. Observar tais esgotamentos (desde que a humanidade viva o suficiente para fazê-lo) forneceria uma confirmação potencial de parte de nossa hipótese.”

Os pesquisadores destacam que seu estudo é apenas uma hipótese, e mais pesquisas são necessárias para provar sua teoria.

“O objetivo deste artigo é simplesmente afirmar a hipótese do despertar do burnout e provocar discussão, introspecção e trabalho futuro”, concluíram.

“Como tantas outras hipóteses astrobiológicas, ainda não há evidências de que essa ideia seja verdadeira, a não ser seu enraizamento nas leis da vida que parecem governar a organização biológica na Terra.”

O estudo vem logo depois que pesquisadores da Universidade Normal de Pequim estimaram quanto tempo pode levar para realmente fazer contato com extraterrestres .

Na melhor das hipóteses, pode ser cerca de dois milênios, enquanto uma visão pessimista é muito mais longa – 400.000 anos para ser preciso.

“Como a única civilização inteligente avançada na Terra, uma das questões mais intrigantes para os humanos é se nossa existência é única”, escreveram os autores Wenjie Song e He Gao em seu estudo.

“A razão pela qual não recebemos um sinal pode ser que o tempo de vida de comunicação do ser humano não é longo o suficiente no momento.”

 

Com informações de:


  1. https://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-10781393/Alien-civilisations-grow-large-miss-chance-set-new-worlds-study-claims.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

17 − nove =