Posturas Governamentais Frente aos UFOs

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Artigos, documentos e materiais selecionados sobre a relação entre os mais diversos governos mundiais e o Fenômeno UFO

O Fenômeno OVNI manifesta-se em todos os lugares do planeta Terra. Todos os países, desde aqueles localizados em regiões polares até os países localizados ao longo da linha do Equador são palco de ocorrências envolvendo estranhos objetos voadores cujas principais características são a alta tecnologia empregada na construção destes veículos e a presença de uma inteligência controlando suas evoluções.

Por essa natureza insólita os mais diversos países ao redor do globo criaram comissões específicas com o objetivo de pesquisar as ocorrências ufológicas em seus territórios. Os Estados Unidos foram os mais envolvidos com a questão, não só registrando as ocorrências mas também criando unidades específicas com o objetivo de abater estes objetos para estudo. Em algumas oportunidades o Governo Estado-unidense teve êxito em resgatar estes objetos acidentados em território americano bem como barganhar estes objetos com governos de outras nações. Através da captura e posterior análise destes objetos foi possível desenvolver novas tecnologias empregadas em diversas áreas.

Os norte-americanos foram também pioneiros no acobertamento de fatos envolvendo o Fenômeno OVNI. Os outros países apenas seguiram as determinações ou adotaram o padrão americano. Entretanto, nos Estados Unidos este acobertamento foi muito mais intenso e atuante que em outros países. O Governo Americano utilizou diversos meios lícitos e alguns ilícitos com o objetivo de acobertar os casos e denegrir a imagem de pesquisadores. Existem indícios muito fortes de vários ufólogos foram silenciados por esta máquina governamental.

Em outros países, felizmente, a situação foi menos delicada. Desde 1947, quando o Fenômeno OVNI passou a preocupar, vários países admitiram, em alguma ocasião, a realidade do Fenômeno ou ainda estiveram seriamente envolvidos com o estudo do tema.

Posicionamentos

Brasil 1954
Coronel João Adil é responsável pela primeira abertura ufológica oficial no Brasil. Nesse ano ele reuniu informações, casos e testemunhas do Fenômeno e apresentou em uma conferência de Imprensa na Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro.
1958
Por ocasião do Caso da Ilha de Trindade, o Governo Brasileiro deu pareceres favoráveis à veracidade do caso.1967
Por ocasião de um caso ufológico envolvendo aeronaves civis e militares, a Base Aérea de Canoas emitiu notas à imprensa confirmando os fatos.1969 – 1972
Neste período funcionou o Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados (SIOANI), que mantinha canais de comunicação com alguns grupos ufológicos.

1977
Durante a onda Chupa-chupa, na Amazônia, entrou em funcionamento a Operação Prato, que extra-oficialmente confirmava os casos locais. Alguns documentos e fotografias gerados pela Operação chegaram às mãos de ufólogos.

1986
Em 1986, após a detecção de 21 OVNIs sobre os Estados da Região Sudeste, e posterior envio de caças de interceptação, o então Ministro da Aeronáutica, Brigadeiro Otávio Moreira Lima, confirmou o episódio em coletiva de imprensa apresentando os militares envolvidos com o caso [mais detalhes].

2008
Por força do Movimento UFOs – Liberdade de Informação Já, promovido pela Comissão Brasileira de Ufólogos, a Força Aérea Brasileira desclassificou documentos outrora sigilosos sobre o Fenômeno OVNI


Espanha Década de 1960
Desde a década de 1960, o Fenômeno OVNI é investigado pela Força Aérea Espanhola. Entre 1962 e 1992 vários casos foram investigados com metodologia própria e muita seriedade pelos militares espanhóis.1972
12 Relatórios de casos ufológicos da Força Aérea Espanhola, redigidos entre 1967 e 1976, são entregues à J. J. Benitez, conhecido escritor espanhol.1984
Relatórios de 25 casos ufológicos são liberados pela Guarda Civil Espanhola, e entregues aos pesquisadores A. Faber Kaiser e J. Plana. São casos ocorridos entre 1953 e 1983.

1992
A Força Aérea Espanhola desclassifica várias páginas de documentos outrora secretos, sobre casos ufológicos


Chile 1984 – 1985
Alguns relatórios ufológicos são publicados no Jornal Aeronáutico.1996
O general e atual, senador vitalício Ramón Vega, amigo do ex-ditador Pinochet e de 9 em cada 10 militares do país, conseguiu levar o debate ufológico para os meios oficiais, com certeza forçado pela crescente onda ufológica que atingia o Chile e que inclui ocorrências em plena luz do dia sobre Santiago. Vega estimulou e conseguiu que fosse fundado o Centro de Estúdios de Fenómenos Aeroespaciales (CEEFA) dentro da Força Aérea Chilena. Este organismo é misto e o representante de UFO no Chile, Rodrigo Fuenzalida, toma parte em suas discussões e pesquisas.

França 1976
O próprio presidente Alain Giscard d’Estaing apresentou-se num programa especial de TV e confirmou que os UFOs existiam, que eram extraterrestres e que estariam se aproximando da Terra. Nesta oportunidade, perante a estupefata opinião pública, mostrou dezenas de fotos e filmes de UFOs sobre o país e fundou uma entidade oficial de pesquisas ufológicas, o Groupment d’Études des Phénomènes Aeriens (GEPAN).

Itália 1978
6 Relatórios da Força Aérea são liberados para grupos ufológicos italianos.1986
Pequenas notas e sumários são liberados para grupos ufológicos italianos.1988
Pequenas notas e sumários são liberados para grupos ufológicos italianos.

1993
Força Aérea Italiana publica um estudo estatístico de 111 casos ufológicos.

1996 – 2001
Força Aérea Italiana disponibiliza 372 relatórios totalizando 3 mil páginas de arquivos, para um grupo ufológico italiano.

2008
Força Aérea Italiana disponibiliza formulários para registro on-line de avistamentos no país.


Austrália 1982
Desde 1982 o país vem realizando uma abertura gradativa em seus arquivos ufológicos. Nestes é possível encontrar documentos diversos que variam desde simples avistamentos, captações por radar e avistamentos ocorridos durante vôos comerciais.

Reino Unido 1983
Os primeiros documentos ufológicos do Governo Inglês foram disponibilizados à ufóloga Jenny Randles1998
C. Ridyard obtém alguns documentos do Controle de Tráfego Aéreo Inglês, relacionado à alguns incidentes ufológicos.2005 até hoje
Vários documentos expiraram seus prazos de sigilo e foram liberados pelas autoridades inglesas, sendo disponibilizados nos arquivos oficiais do Governo Inglês.

Argentina 1965
Capitão O. Pagani, da Marinha Argentina, enviou ao NICAP relatórios de atividade UFO na Antártida.1991 – 1999
Um grupo semi-oficial realizou investigações ufológicas emitindo um relatório ao Ministério da Defesa, em 1997.

México 2004
Um polêmico caso, ocorrido em 5 de março, envolvendo aeronaves militares ganha repercussão na imprensa internacional, sendo confirmado pelas autoridades mexicanas.

Estados Unidos 1947
Durante a primeira fase da onda ufológica de 1947, o governo americano confirmava estranhas ocorrências em seu espaço aéreo. A partir da queda de Roswell suas declarações se invertem e passam a negar o fenômeno.1949
Relatórios do Projeto Saucer (Sign) são disponibilizados na mídia.1952
41 relatórios sobre UFOs são liberados para Donald Keihoe.

1956
Começa o projeto Blue Book para pesquisa de OVNIs.

2000
Arquivos de diversas agências do Governo Americano começam a serem disponibilizadas na Internet confirmando um grande interesse pelos OVNIs.


Canadá 1980
Começa a liberação dos arquivos ufológicos canadenses, sendo liberados até 1995 mais de 7700 relatórios.2007
Uma nova iniciativa de liberação de documentos ocorreu no país, sendo todos os arquivos digitalizados e publicados no site do Arquivo Nacional do País.

Suécia 1968
Alguns arquivos a Força Aérea da Suécia foram disponibilizados ao pesquisador K. Gosta Rehn.1975
Novos documentos são disponibilizados à um grupo ufológico suéco (AFU).2009
Em 10 de maio, o Governo da Suécia desclassificou relatórios de 18 mil casos registrados no país.

Alemanha 2009
Radares detectaram um OVNI em alta velocidade manobrando sobre o país. Uma investigação oficial foi iniciada sem que pudesse ser esclarecido a origem do Fenômeno.

Nova Zelândia 1975
O Arquivo Nacional da Nova Zelândia possui arquivos relacionados à ocorrências ufológicas no país, entretanto o acesso ainda é restrito.

Uruguai 1979
Uma comissão mista entre civis e militares pesquisa a nível oficial os casos ufológicos ocorridos no país, gerando 1100 relatórios. Seu nome é Comisión Receptadora e Investigadora de Denuncias OVNI (Cridovni).1982
Um ex-presidente admitiu que os UFOs existem e confirmou a existência de uma entidade de pesquisas do assunto dentro da Forca Aérea Uruguaia, fundada em 1979. É a Comisión Receptadora e Investigadora de Denuncias OVNI (Cridovni), uma entidade aberta e mista de civis e militares.2000
Coronel E. Aguirre, fundador do CRIDOVNI publica um livro com 19 casos pesquisados pela entidade.

2009
A Força Aérea disponibiliza 2100 relatórios, envolvendo 40 eventos inexplicados.


Bélgica 1994
Em meio à uma fantástica onda ufológica que assolou o país naquele ano e seguintes, especialmente envolvendo observações de misteriosos triângulos voadores, o ex-ministro de Defesa da Bélgica, Brouer, admitiu que o assunto é serio e que a Forca Aérea iria pesquisá-lo oficialmente. Há rumores de que haja um centro de pesquisas estabelecido mas nada está confirmado.

Granada 1978
O então Primeiro-ministro da Ilha de Granada, Sir Eric Gairy, admitiu a existência o Fenômeno e conseguiu levar o tema para discussão na Organização das Nações Unidas (ONU).

URSS 1969
O então ministro das Ciências foi à TV e admitiu que a União Soviética considerava o assunto UFO como muito sério e afirmou ser uma nova obrigação dos cidadãos soviéticos relatar às autoridades todas e quaisquer observações destas naves. Após o programa mais de 100 mil cartas foram recebidas com tais relatos, enviadas por pessoas de todos os cantos da URSS. Após isso nunca mais o governo soviético tocou no assunto.

Rússia 5 de fevereiro de 1997
Em 05-02-1997, o Governo Russo declarou na Academia Bandeira Vermelha da Defesa Anti-Aérea que: “Os O.V.N.I.’s existem e tem havido uma ingerência na vida Civil e Militar por parte desses visitantes”. Estavam presentes representantes políticos e militares (alguns Generais), além da F.S.B. (extinta KGB). Foram liberadas imagens de OVNI’s por parte do Governo Russo. Muitas dessas imagens mostram OVNI’s dentro e fora da atmosfera. Este material foi considerado secreto ou classificado durante muitos anos.

Noruega 1987
O Governo da Noruega envia 1400 páginas de documentos sobre os chamados foguetes fantasmas para o Arquivo Nacional do país.

Portugal 1990
Três relatórios ufológicos da Força Aérea de Portugal são disponibilizados para o grupo CNIFO. São casos ocorridos em 4 de setembro de 1957, 17 de junho de 1977 e 2 de novembro de 1982, totalizando 190 páginas.

Suíça 1994
18 relatórios da Força Aérea, totalizando 28 páginas, são disponibilizados.

Filipinas 2000
Relatórios envolvendo 20 casos são disponibilizados pelo governo do país.

Peru 2001
Um relatório da Força Aérea, sobre um caso ocorrido em 11 de abril de 1980, é liberado para a imprensa.2002
Oficiais da Força Aérea investigam casos ufológicos em parceria com ufólogos civis.

Equador 2007
O Presidente do Equador determina a desclassificação de 44 relatórios, sendo 22 da Força Aérea, 11 do Exército e 11 da Marinha, e 242 vídeos de OVNIs obtidos no país. A desclassificação de fato ainda não ocorreu.

Irlanda 2007
Os arquivos ufológicos do país são desclassificados por meio da Freedom of Information Act, sendo 11 relatórios totalizando 40 páginas.

Dinamarca 2009
A Força Aérea do país libera 329 páginas de documentos envolvendo ocorrências ufológicas no país.

Grécia 2009
A Força Aérea do pais libera um caso ufológico ocorrido a 11 de outubro de 2007.

Finlândia 2009
O jornalista Also Haapanen descobre vários relatórios de OVNIs no Arquivo Nacional da Finlândia.

 

O Exemplo Francês

A França, historicamente, foi o primeiro pais a criar uma lei específica destinada ao acesso à documentos do governo no ano de 1974. Na área ufológica também foi pioneira. O GEPAN, entidade criada com a finalidade de investigar fenômenos aeroespaciais anômalos, gerou uma grande quantidade de informações e documentação. Um dos documentos, o Relatório Cometa, repercutiu no mundo inteiro. Outros países seguiram o exemplo francês.

Em fins de novembro de 2002, a Inglaterra liberou, por meio da Lei de Liberdade de Informação mais de 200 páginas de documentação sobre OVNI`s. Atualmente são mais de 790 páginas de documentos oficiais sobre OVNIs, disponíveis no site do Ministério da Defesa da Inglaterra.

O Brasil, também já realizou investigações sobre o fenômeno OVNI. Sempre de caráter confidencial, estas investigações foram confirmadas através de documentos ufológicos do governo brasileiro que “vazaram” e chegaram às mãos de ufólogos.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

13 − seis =