Telescópio Sofia não encontra sinais de vida em Vênus

Por: Fenomenum Comentários: 0

Estudo conduzido por meio do telescópio Sofia não encontraram sinais de fosfina, um potencial indicador de vida.


Neste artigo:


Introdução

Vênus é considerado gêmeo da Terra de várias maneiras. No entanto, observações recentes feitas com o Observatório Estratosférico para Astronomia Infravermelha ( SOFIA ) deixaram uma diferença mais clara: ao contrário da Terra, Vênus não possui nenhuma fosfina detectável.

A fosfina é um gás encontrado na atmosfera da Terra. Em 2020, o anúncio da fosfina descoberta acima das nuvens de Vênus ganhou as manchetes porque tem um forte potencial como biomarcador. Em outras palavras, a presença de fosfina pode ser um indicador de vida. Embora seja comum nas atmosferas de planetas gasosos como Júpiter e Saturno, a fosfina na Terra está associada à biologia. Em nosso planeta, é formado por matéria orgânica em decomposição em pântanos, mangues e alagadiços.

A fosfina é um composto químico relativamente simples – é apenas um átomo de fósforo com três hidrogênios – então você pensaria que seria bastante fácil de produzir. Mas em Vênus, não é óbvio como isso poderia ser feito”, disse Martin Cordiner, pesquisador em astroquímica e ciência planetária no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland.

Os dados espectrais do SOFIA sobrepostos a esta imagem de Vênus da sonda Mariner 10 da NASA é o que os pesquisadores observaram em seu estudo, mostrando a intensidade da luz de Vênus em diferentes comprimentos de onda. Se uma quantidade significativa de fosfina estivesse presente na atmosfera de Vênus, haveria quedas no gráfico nas quatro localizações marcadas como “PH3”, semelhantes, mas menos pronunciadas, às observadas nas duas extremidades. Crédito: Vênus: NASA/JPL-Caltech; Espectros: Cordiner et al.

 

Pode haver outras maneiras possíveis de formar fosfina em um planeta rochoso, como através de raios ou atividade vulcânica, mas nenhuma delas se aplica se simplesmente não houver fosfina em Vênus. E de acordo com SOFIA, não há.

Após o estudo de 2020, vários telescópios diferentes realizaram observações de acompanhamento para confirmar ou refutar a descoberta. Cordiner e sua equipe seguiram o exemplo, usando SOFIA em sua busca.

O recém-aposentado SOFIA era um telescópio instalado em um avião que, ao longo de três voos em novembro de 2021, procurou indícios de fosfina no céu de Vênus. Graças à sua operação a partir do céu da Terra, o SOFIA pôde realizar observações não acessíveis a partir de observatórios terrestres. Sua alta resolução espectral também permitiu que fosse sensível à fosfina supostamente presentes em grandes altitudes na atmosfera de Vênus, cerca de 45 a 70 milhas (cerca de 75 a 110 quilômetros) acima do solo – a mesma região da descoberta original – com cobertura espacial em todo o disco visual de Vênus.

Nenhum sinal de fosfina foi encontrado pelos pesquisadores. De acordo com seus resultados, se houver alguma fosfina presente na atmosfera de Vênus, é um máximo de cerca de 0,8 partes de fosfina por bilhão de partes de todo o resto, o que é muito menor do que a estimativa inicial.

Apontar o telescópio SOFIA para Vênus foi um desafio por si só. A janela durante a qual Vênus poderia ser observada era curta, cerca de meia hora após o pôr do sol, e a aeronave precisava estar no lugar certo na hora certa. Vênus também passa por fases parecidas com a Lua, dificultando a centralização do telescópio no planeta. Adicione sua proximidade com o Sol no céu – o que o telescópio deve evitar – e a situação rapidamente se torna complicada.

Você não quer que a luz do sol entre acidentalmente e brilhe em seus instrumentos de telescópio sensíveis”, disse Cordiner. “O Sol é a última coisa que você quer no céu quando está fazendo esse tipo de observação sensível.

Um Armstrong F/A-18 voando com segurança e perseguição fotográfica para o SOFIA 747 da NASA. O SOFIA alcançou capacidade operacional total em 2014 e concluiu seu último voo científico em 29 de setembro de 2022. Crédito: NASA / Jim Ross

 

Apesar de o grupo não ter encontrado fosfina após as observações difíceis, o estudo foi um sucesso. Juntamente com dados complementares de outros observatórios que variam nas profundidades que sondam na atmosfera de Vênus, os resultados do SOFIA ajudam a construir o corpo de evidências contra a fosfina em qualquer lugar da atmosfera de Vênus, do equador aos pólos.

SOFIA foi um projeto conjunto da NASA e da Agência Espacial Alemã no DLR. O DLR forneceu o telescópio, a manutenção programada da aeronave e outros suportes para a missão. O Ames Research Center da NASA, no Vale do Silício, na Califórnia, gerenciou o programa SOFIA, a ciência e as operações de missão em cooperação com a Universities Space Research Association, com sede em Columbia, Maryland, e o Instituto Alemão SOFIA da Universidade de Stuttgart. A aeronave foi mantida e operada pelo Armstrong Flight Research Center Building 703 da NASA, em Palmdale, Califórnia. O SOFIA alcançou capacidade operacional total em 2014 e concluiu seu voo científico final em 29 de setembro de 2022.

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + quatro =