Caso Paulo Coutinho - Resumo do Caso

Um impressionante caso de abdução do jovem Paulo Coutinho, ocorrido no bairro Aricanduva, em São Paulo (SP), em 23 de junho de 1976.

Página principal do caso


Página 1 - Resumo do caso


Página 2 - A Pesquisa da SBEDV


Por SBEDV - Pesquisa

 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Dados sobre o episódio:

A testemunha: Paulo Coutinho, estudante, de 37 anos de idade (na ocasião do rapto), quarto filho do casal Maria Coutinho e José Coutinho (de 59 anos de idade, aposentado).

Local do seqüestro: Rua Moisés Marx, uma das principais do populoso bairro de Aricanduva. Este bairro fica na cidade de São Paulo, a uma distância de aproximadamente 12 a 15 km do centro.

Residência da testemunha: Rua Júlio Colaço, nº 399, Vila Aricanduva – São Paulo (Capital), distante cerca de 700 metros do local do seqüestro.

Datas:

  • Do seqüestro: 23 de junho de 1976, aproximadamente às 24 horas;

  • Da devolução do seqüestrado: 24 de junho de 1976, cerca de 20 horas após o rapto;

  • Da pesquisa: 16 a 24 de outubro de 1976; 26 de março e 15 de maio de 1977.

Agradecimento: O nosso agradecimento vai para os familiares de Paulo e para Carlos Artur Ribeiro da Rocha (que mui habilmente nos informou sobre o presente caso, alem de também outros). Passamos agora a narrar o episódio propriamente dito, e chamamos a atenção dos leitores, para as importantes peculiaridades de que o mesmo se reveste.

O Episódio

Antecedentes: Paulo Coutinho freqüentava o segundo ano, na escola Zalina Rocha, em horário noturno. Esta escola fica situada na Rua Dr. Luiz Carlos, distante cerca de três quadras da sua residência.

No dia do incidente Paulo havia saído de casa cerca de 18:45 hs. Antes de seguir para o colégio, ele passou pela casa de sua namorada, que estuda no mesmo estabelecimento. Ambos chegaram à escola por volta das 19:25 hs.

OBS.:Instado por nós a fazer um relato minucioso de tudo o que se passou naquela noite, Paulo narrou um fato interessante: Entre 21:15 hs e 22:45 hs, ele havia feito uma prova de matemática. Normalmente, nesta matéria, ele obtinha a nota mínima(“D”). Entretanto, na prova que mencionamos, Paulo conseguiu, inexplicavelmente, a nota máxima (“A”).

Paulo e sua namorada saíram do colégio, aproximadamente às 23:30 hs. Ele deixou a moça em casa e se dirigia para a residência dele.

Seu trajeto era a Rua Moisés Marx, que alcançou, aproximadamente, às 23:45 hs. Conforme se pode observar em algumas fotos que acompanham o texto, essa rua apresenta uma topografia irregular, com altos e baixos; ela passa pela igreja de São Pedro, segundo uma orientação leste-oeste, e apruma-se a seguir, em direção ao centro da cidade de São Paulo.

OBS.:O colégio estadual de Vila Aricanduva (CEVA) Zalina Rocha, situado na esquina das ruas Dr. Luiz Carlos e Prof. Miguel Russiano, serve a aproximadamente 2 mil alunos, oriundos não só daquele bairro, como também, das vilas Guilhermina, Artur Alvim, Matilde Dalila e Cidade Patriarca.

Calcula Paulo haver deixado a escola às 23:30 hs em companhia de sua namorada, que deixou às 23:45 hs, na esquina da rua onde a mesma residia. Isto foi confirmado, posteriormente pela mãe da moça, que a aguardava naquela ponto e acrescentou que o encontro ocorrera por volta de 23:45 hs. Cronometrando-se o tempo que se gasta para ir daquela esquina até o local do seqüestro (assinado no mapa), evidencia-se que Paulo deve ter gasto, no percurso, uns 4 min, o que indica ter o incidente ocorrido aproximadamente às 23:47 hs.

Descrição do episódio: Paulo caminhava na direção leste-oeste, na calçada direita da rua Moisés Marx. De repente, a um ângulo de aproximadamente 60º acima do horizonte, ele avistou uma luz branca. Aparentemente, esta luz se afastava em direção ao centro da cidade.

O estudante parou para observar melhor a estranha luz. Nisto, percebeu que, ao invés de afastar-se, a luminosidade inverteu seu movimento e rapidamente aproximou-se do rapaz. Assustado, Paulo procurou afastar-se depressa do local. Só então notou que isto já não era mais possível. Repentinamente, sentiu-se impedido de fazer qualquer movimento com os membros e com o resto do corpo. A única exceção eram seus olhos, por meio dos quais continuou a acompanhar a vertiginosa aproximação da luz.

Durante os dois segundos seguintes, a luminosidade aproximou-se o suficiente para se distinguir sua forma. Tinha o feitio de uma esfera de aproximadamente 2m de diâmetro. A lua, antes branca, mudara para uma tonalidade alaranjada (comparável à do padrão Letrafilm 280 M). A esfera baixou ao nível do solo, sobre a calçada, distando cerca de 6 m de Paulo. O objeto luminoso ficou perto da murada das casas e jardins. Mais tarde, Paulo se lembrou de que a luz da esfera iluminava um arbusto que se erguia a uns 80 cm acima do muro.

Paulo acredita que ficou imobilizado e observando o objeto por uns 2 ou 3 minutos. Gradualmente, a luz da esfera foi desaparecendo. Após o total desaparecimento, surgiu, em lugar da esfera, a figura de um indivíduo anão, com uma estatura aproximada de 90 cm. A sua cabeça era exageradamente grande, com cerca de 30 cm de diâmetro, ocupando quase um terço do volume do corpo.

Os olhos mediam aproximadamente 3 cm de diâmetro. Embora proporcional ao tamanho da cabeça, eram bem maiores que o olho humano comum. A esclerótica era grande e branca. Sobressaía no centro do olho a pupila, também grande, e cercada por íris de um azul pálido. A cabeça do estranho ser era totalmente calva. Paulo continuava imobilizado. Durante uns 2 ou 3 minutos, ele e o anão ficaram se observando mutuamente. O estudante pôde então distinguir tais pormenores graças à luz de mercúrio, oriunda de um poste de iluminação pública, que ficava próximo. Ele pôde notar, também, que as feições da criatura não se pareciam com as de um terrestre. O anão apresentava um nariz feio, arrebitado, como um focinho de porco; a boca era relativamente pequena e ele vestia um macacão de tecido bem grosso, sem nenhuma emenda, de cor cinza-azulada.

Em seguida, sem que ele próprio pudesse achar uma explicação para o seu gesto, Paulo começou a movimentar-se na direção daquela ser. Prosseguiu até reduzir a distância entre ambos, de 6 metros, para apenas 50 cm. Depois, colocou-se do lado esquerdo do ser, paralelamente a este (nesta posição, ele fica entre o anão e o muro). Paulo havia dado, portanto, uma volta de 180º com o corpo. Tudo isto ele percebeu apenas com os olhos, uma vez que se encontrava totalmente impedido de fazer outros movimentos, além dos descritos.

Uma viagem

Paulo e o anão estavam postados na Rua Moisés Marx, no sentido leste, adiante deles ficava a Igreja de São Pedro. O estudante observou então que a igreja começou a situar-se lentamente num plano inferior ao dele. Dirigindo o olhar para o plano da rua, Paulo notou que outro se afastava cada vez mais. A princípio, duvidou que isto significasse a elevação do seu corpo, no ar. Mas, percebeu de soslaio que o ser ao seu lado também acompanhava esse movimento de ascensão. Logo notou que ambos ultrapassavam a altura dos postes de iluminação, que possuem aproximadamente 20 metros de comprimento. A elevação dos dois processou-se lentamente, até alcançarem uma altura de uns 30 m. Isto aconteceu num intervalo de aproximadamente 10 ou 15 segundos.

A seguir, a ascensão tomou um ritmo vertiginoso. Paulo notou isto porque viu a Terra distanciar-se deles em poucos segundos. O nosso planeta apresentou-se com a forma de um globo, com uma das metades preta (à esquerda), e a outra azul.

O estudante acredita que avançaram no espaço por mais 25 ou 30 segundos. Nesse instante, ele começou a perceber um objeto à distância. Esse objeto possuía a forma de um charuto, com uns 200 ou 300 metros de comprimento; a sua cor era de um vermelho cintilante. Este cilindro estava colocado horizontalmente em relação ao campo visual de Paulo.

Dentro de uma nave

Paulo e o ser extraterrestre aproximaram-se então vagarosamente do cilindro. Nesse instante, a cor do objeto mudou para cinza claro (padrão Letrafilm 171 M). No centro do cilindro, havia uma certa marca retangular de cor cinza escura (padrão Letrafilm 230 M). O rapaz e seu acompanhante chegaram perto desta marca e, por ela, passaram para o interior do cilindro. Paulo acreditava que o fato aconteceu desta forma, pois ignora a maneira exata como se deu a passagem. Lembre-se apenas de que sentia uma tonteira, e, repentinamente, encontrou-se estendido sobre um chão poroso, no interior de um círculo cinza escuro (padrão Letrafilm 174 M). Ele notou que se achava em um cômodo quadrado, com certa de 3 metros de lado. As paredes e o chão do compartimento eram de cor cinza clara.

Ao lado do estudante, havia mais dois anões, de pé, além daquele que o trouxera para a nave. As feições destes dois outros seres eram idênticos às do primeiro. Porém, diferiam um pouco na altura, pois um deles era mais alto que o outro. Além disso, apresentavam pequenas diferenças características nos traços do rosto.

Duvidando ainda que estivesse vivendo um fato real, Paulo quis colocar-se de pé. Ele desejava tocar nos estranhos com as próprias mãos, para se convencer melhor de tudo. Entretanto, não conseguiu ficar de pé. A altura do quarto onde se achava era de aproximadamente 1,20m, e a estatura de Paulo é de 1,74m. Assim, o rapaz viu-se forçado a ficar de joelhos no chão. Quando tentou colocar as mãos nos extraterrestres, este gesto também foi impedido, porque, repentinamente, o estudante viu-se de novo imobilizado. Simultaneamente, surgiu na mente de Paulo esta mensagem: “Nós não vamos fazer coisa alguma contra você. Assim, também, não tente coisa alguma contra nós!”. Uma vez que este pensamento não se originava de seu próprio raciocínio, Paulo julgou que a idéia estava sendo emitida para ele, pela mente de um dos extraterrestres.

OBS.: Paulo não fez referência, em nenhum momento, a qualquer aparelho, nas mãos dos astronautas, que se pudesse responsabilizar pela paralisação que sofreu: quer no interior da nave, quer ainda na Terra, na rua Moisés Marx, quando foi seqüestrado. Nestas condições, não podemos dar aos estudantes nenhuma das explicações oferecidas em casos semelhantes, discutidos, às vezes, sob título “Efeitos fisiológicos de raios”, como nos casos relatados nos Boletins da SBEDV, nº42/44 (pág. 1 e 2), 48/50 (pág.:6 a 7), 54 (pág.: 19), 55/59 (pág.: 13 à 15), 66/68 (pág.: 89 a 90), 74/79 (pág.: 25 a 26), 80 (pág.: 22) e 94/98 (pág. 7)

Logo em seguida, nova mensagem surgiu na mente de Paulo: “Siga-nos”!. Dois seres, à sua frente, dirigiram-se em direção à uma das paredes do quarto. Paulo acompanhou-os, tendo, à sua direita, o mesmo anão que o raptara. Os movimentos de Paulo agora haviam recuperado a liberdade. Contudo, enquanto os seres moviam-se com destreza, Paulo arrastava-se penosamente de joelhos. Na parede em frente, repentinamente a parte central desapareceu, deixando um vão de aproximadamente 2m. Por esta abertura, todo o grupo atravessou para uma sala contígua.

Esta sala era mais extensa que a anterior, também quadrada, apresentando cerca de 10 m de lado. Entretanto, a altura era idêntica à do quarto, e, como neste, havia superfícies curvilíneas de encontro (concordância) entre as paredes e entre estas e o teto. Não havia, nesses locais, as linhas retas (arestas) usuais. A cor e abertura do chão e das paredes eram conforme as do quarto. Nesta sala havia mais seis criaturas. Tais seres apresentavam aspecto semelhante ao daquele que acompanhava Paulo. Ao todo, havia agora nove tripulantes. Conforme o estudante notou, um dos tripulantes estava encostado à parede e de tal modo que à sua direita ficava a abertura por onde o grupo havia penetrado. Este ser tinha uma das mãos colocada numa saliência da parede. Com o desenrolar dos acontecimentos, Paulo interpretou que esta saliência seria um posto de comunicação interna com outros compartimentos da nave. O estudante arrastou-se em direção à parede oposta à que lhe servira de passagem. Quando faltavam cerca de 2 metros para chegar até a mesa, recebeu ordem (telepática) para permanecer onde estava. Obedeceu à ordem e sentou-se para mais bem se acomodar.

A Morfologia dos extraterrestres

Paulo achou esta sala arejada. Isto porque sentia o frio do suor que lhe corria pelo rosto e pelo corpo (devido ao medo que estava experimentando). Observando mais atentamente os tripulantes da nave, notou que todos usavam roupas iguais às dos outros que o introduziram na sala. Todos vestiam macacões de um tecido cinza azulado (Letrafilm 115 M), fechado no pescoço e nos punhos. Usavam sapatos de cor prateada, com sola inteiriça, lisa, grossa e bicuda. Entretanto, tamanho dos calçados, de aproximadamente 27 cm de comprimento, era desproporcional em relação à reduzida altura dos anões (cerca de 90 cm). Contudo, os cinco dedos visíveis, das mãos, eram de dimensões bem proporcionais em relação aos corpos. Todos os tripulantes eram calvos, à semelhança dos anteriores. Possuíam pele branca, e ombros largos. Os olhos eram também grandes, com esclerótica branca e íris de um azul claro, quase branco. Impressionava bastante o formato amendoado, que possuíam os olhos, com diâmetro de uns 3 cm, conforme anteriormente mencionamos. Todos possuíam o mesmo tipo de nariz arrebitado. Apresentava uma fronte ampla, com duas protuberâncias, sendo que a da esquerda se acentuava mais que a do lado direito. A pele de seus rostos parecia mais sólida que a dos terrestres, rugosa, comparável à das palmas das mãos (conforme interpretação do próprio Paulo). Na boca, não se enxergavam os dentes, uma vez que não a abriam o suficiente para que fossem vistos, e nem sorriam. Entretanto, dentre os seis tripulantes que se encontravam na sala, havia três que apresentavam feições mais harmoniosas e delicadas. As suas orelhas, ao invés de seres bicudas e grandes como as dos demais, eram menores, bem formadas com o pavilhão auricular de forma quase circular. Como se soube mais tarde, estes últimos tipos de tripulantes corresponderiam à mulheres daqueles extraterrestres.

OBS.: O leitor já deve ter reparado os croquis explicativos, de boa qualidade, que acompanham o texto. Estas ilustrações foram feitas por Paulo. Isto contribui enormemente para a pesquisa, não só do caso em foco mas também talvez para outros que vierem eventualmente a ocorrer, para o futuro, especialmente os que se referirem à seres extraterrestres semelhantes aos agora descritos.

Transmissão de pensamento comanda uma tela de projeção

Pelos cálculos de Paulo, ele teria permanecido cerca de 40 a 60 segundos naquela sala, quando se lembrou com saudade, então, da ultima pessoa que lhe havia feito companhia na Terra, a sua namorada. Nesse momento, na parede à sua frente, iluminou-se como que uma tela, com cerca de 2 metros de largura. Nela surgiu uma imagem tridimensional, a cores, mostrando a namorada a caminhar, durante o dia, e de tal modo que a distância entre eles parecia ser de aproximadamente 1 metro.

Como ele havia deixado à noite, e como julgava que ele havia sido raptado há cerca de 15 minutos passados, Paulo concluiu que a projeção à sua frente significava apenas uma filmagem (ou cena gravada) de sua namorada, e não uma transmissão ao vivo.

Em seguida viu ainda, na mesma “tela”, dois colegas seus, do colégio, que estavam de motocicleta. A cena se passava também durante o dia e os dois rapazes perseguiam nas ruas um balão de festas juninas. Reconheceu Paulo, no quadro uma rua que ficava perto de sua casa. Paulo irritou-se por ver os amigos a se divertirem, ao invés de estarem à sua procura.

OBS.: Achamos esquisita essa reação de Paulo, uma vez que, no caso anterior, de sua namorada, ele já havia entendido que se tratava de um filme gravado.

Com tristeza, lembrou-se também dos pais. No mesmo instante, estes apareceram também na tela. Primeiramente, o rapaz viu que sua mãe, chorando, e depois viu o pai, inquieto e preocupado, ambos no interior de sua residência.

Observando tudo isso, Paulo virou-se para que os seres que lhe faziam companhia e perguntou-lhes revoltado, em português, alto e bom som: “Que querem vocês comigo?”. Como se fosse uma resposta, surgiu na mente do rapaz esta idéia:”Fique tranqüilo; nós não vamos lhe fazer mal...”.

Paulo arriscou, então a seguinte pergunta aos extraterrestres: O que vocês vêm fazer aqui, na Terra?”. A resposta veio em forma idêntica às anteriores, através do pensamento: “Estamos estudando como a vida surgiu, nos planetas e no Universo. Estamos também aqui para ajudar...”.

“E Deus existe?, perguntou Paulo. Teve a impressão de que a resposta foi “Sim”. Contudo, ficou na dúvida se sua pergunta havia sido compreendida. Na tela, Paulo viu ainda o acoplamento de um foguete americano, com outro russo, no espaço. Aliás, ele já havia observado isto no aparelho de televisão de sua casa e, posteriormente, recebera, na escola, explicações a respeito do assunto, feito por um de seus professores. Paulo perguntou ainda aos tripulantes da nave se era bom o grau de tecnologia terrestre. Foi-lhe respondido mentalmente: “Se todos os países do planeta unissem seus esforços, em comum, o resultado teria um alcance muito maior. Este era o caso daqueles seres, habitantes de um outro sistema estelar, também assinalado graficamente em uma das projeções na tela.

Paulo pediu, então, para ver a Terra. De imediato, o nosso planeta apareceu com um diâmetro de uns 50 cm, numa tonalidade azul, com uma faixa preta colocada agora do lado direito. Em seguida, a Terra começou a diminuir rapidamente, até desaparecer em cerca de um segundo, como se velozmente se afastasse.

Métodos de educação e algumas das finalidades de uma raça de extraterrestres

Na ocasião, Paulo se lembrou de ter visto no aparelho de televisão de sua casa, um filme de ficção chamado “Perdidos no Espaço”. Perguntou então, ao seu cicerone, se eles também empregavam robôs como os que vira no filme. A resposta foi “Não”, mas que os seres que acabava de conhecer eram preparados.cada um, cuidadosamente, para uma tarefa específica, a qual desempenhariam mais tarde. Assim, para se criar um novo ser, tanto a mulher como o homem doavam a parte genética necessária, em um laboratório constituído especialmente para tal finalidade. A nova criatura seria então criada e preparada, nesse laboratório, para as suas tarefas.

Todas essas explicações mentais transmitidas a Paulo eram simultaneamente acompanhadas de projeções explicativas no vídeo. Dessa maneira, lhe foi também chamada a atenção para as diferenças existentes entre os homens e as mulheres daquela raça extraterrestre.

O próprio guia, que o acompanhava, assegurou que ele mesmo havia sido preparado para uma tarefa de comunicação com outros seres. Naquele momento, ele estava, portanto exercendo sua tarefa junto a Paulo.

OBS.:Pelo resumo dos conhecimentos mais recentes sobre o “raciocínio, aprendizagem e esquecimento” (Denken, Lernen vergessen”) do cérebro humano, segundo o livro do Frederic Vester (Deutsche Verlags-Anstalt, Stuttgart – 1975), são de capital importância os três primeiros meses de vida.Durante eles ainda se formam as células nervosas, até que alcancem 15 bilhões, chegando 500.000 km de comprimento a soma das suas conexões. A característica destas conexões, que representará em nossa vida a maneira de raciocinar e de agir (diferente para cada um), depende entretanto da maneira como são estabelecidas estas conexões nervosas. Este estabelecimento das conexões nervosas depende das impressões externas que o lactante recebe nos três primeiros meses de vida. Assim estaria confirmada a importância destas influências externas sobre a criança, no que diz respeito às tendências e afinidades na sua futura vida de adulto.

À pergunta de Paulo, “porque os extraterrestres não descem em massa, na Terra?” lhe foi explicado que segue. “Enquanto o globo terrestre permanecesse dividido, um gesto assim provocaria uma guerra, o que os extraterrestres queriam evitar. Poderiam descer em massa, para ajudar. Mas, somente quando a Terra fosse uma única unidade, porque não queriam se envolver em facções. Existiam ainda milhões de planetas com vida, onde faziam também suas pesquisas.

Observações com relação à comunicação por telepatia

O guia de Paulo afastou-se e acercou-se do indivíduo postado no aparelho, que provavelmente era de comunicação. Os dois extraterrestres olharam-se, reciprocamente, durante 2 ou 3 minutos, em silêncio.

NOTA: (Todos os acontecimentos, nas duas salas, haviam se desenrolado, até então, no mais profundo silêncio, conforme explicou Paulo. As únicas exceções foram a exclamação e as perguntas expressadas por Paulo, em voz alta. O leitor deve lembrar-se de comunicação idêntica à do presente caso, descrita no livro de Antônio Rossi “Em um disco voador visitei outro planeta”. Leia-se também a página 36 do Boletim Especial de 1975, da SBEDV).

Em seguida, o ser que era guia de Paulo colocou a palma da mão no aparelho da parede. Depois, olhou para uma das três moças extraterrestres presentes. Ela voltou-se e encarou o seu interlocutor mental. Depois, encaminhou-se para a parede oposta, onde se abriu uma passagem com largura de 1m aproximadamente. Por esta abertura percebia-se, além, um corredor banhado de uma luminosidade avermelhada. Após a moça haver passado para o tal corredor, a parede fechou-se novamente.

Um exame médico

Enquanto isso acontecia, o guia extraterrestre voltara pra junto de Paulo. Quando indagou sobre o que significavam esses últimos acontecimentos, Paulo não obteve resposta. Entretanto, o globo terrestre reapareceu na tela, por momentos, levando cerca de 1 segundo para alcançar o diâmetro de uns 50 cms, diminuindo e desaparecendo em seguida. Nesse instante, retornou a moça que havia deixado a sala momentos antes. Agora, ela se encontrava acompanhada por mais um anão extraterrestre. A esta altura, a sala já continha onze pessoas, incluindo-se Paulo. Este recebeu, então, a mensagem de acompanhar de novo o seu guia. O estudante, o seu guia e o novo personagem masculino que penetrara na sala, movimentaram-se em direção à parede. Ali surgiu de novo a passagem inicial, utilizada anteriormente por Paulo e seus três acompanhantes. Novamente, pelo vão de aproximadamente 1 metro, os três passaram pelo centro da parede, para o quarto anterior.

Ali, Paulo ficou outra vez de joelhos, no chão, dentro daquele círculo cinza escuro, já mencionado. A seguir, da parede lateral, destacou-se uma espécie de maca. Esta padiola veio horizontalmente, flutuando a uma altura de uns 17 cms do chão, na direção de Paulo. O corpo do estudante começou também a flutuar acima do chão. A maca passou automaticamente por baixo do corpo do rapaz, a fim de sustentá-lo. Paulo estendeu a pernas, de modo que todo o seu corpo ficou apoiado na tal maca.

O extraterrestre recém chegado, que havia também acompanhado Paulo para o quarto, começou a passar a mão pelo corpo do estudante. Iniciou os movimentos pela perna esquerda, a uma distância de aproximadamente 5 cm. Entre a mão do extraterrestre e a pele de Paulo, formava-se uma luz branca e forte, que deixava eriçados os pelos da pele do rapaz. Em seguida, a mão do tripulante foi assim percorrendo o lado esquerdo, passando pela mão, pelo braço e pelo ombro, até a cabeça de Paulo. Daí, então inverteu o movimento e, de mesma forma, percorreu o lado direito de Paulo, até o pé.

Paulo indagou o que aquilo significava. Seu guia deu-lhe a entender que ele estava sendo examinado por um “médico”. Receoso, o estudante perguntou se o médico tinha a intenção e abrir seu corpo a fim de vê-lo melhor. Foi-lhe respondido que isto não era necessário, pois o funcionamento de seu organismo podia ser melhor observado independente de qualquer incisão no corpo. Caso o desejasse, até mesmo uma intervenção cirúrgica se realizaria sem que fosse previsto haver corte.


Antiga casa da família Coutinho

Retrato falado dos alienígenas, segundo descrição de Paulo Coutinho

 


Desenho representando o interior do OVNI e a experiência de Paulo Coutinho

 


Representação do aparelho instalado na parede

 


Representação do OVNI

 


Paulo Coutinho no local onde foi encontrado na noite seguinte ao seqüestro.

 


Declaração de atendimento de Paulo Coutinho em 24 de junho de 1976

 

Resumo do Caso
Relatório do Caso Paulo Coutinho (Caso Aricanduva)

A Pesquisa da SBEDV
Relatório de pesquisa da SBEDV sobre o caso

Galeria de Imagens do Caso
Galeria de imagens do caso.


Comentários (7)

Você está revendo: Caso Paulo Coutinho
Sort
4/5 (6)
1 2 > último
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Benevides De Sordi Jr. (São Paulo, Brazil) diz...
Não achei local para me comunicar com o pessoal do site. Gostaria de saber se vocês tem algum material sobre caso ocorrido na Radial Leste (Av. Alcântara Machado), São Paulo-SP, provavelmente em 1979, na altura da Praça Kennedy/ fábrica da Alpargatas (atual faculdade Anhembi Murumbi). Eu tinha recortes de jornais que se perderam. O caso ocorreu no início de uma madrugada com um ovni, no dia seguinte apareceram vários iguais no Rio de Janeiro. Dois policiais, com viatura estacionada na ... Leia mais
29 June 2019 00.39
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
paulo cesar marques (taiobeiras mg, Brazil) diz...
acho meio estranho essa abdução por grays, pois em lugares de muitas casas não abduzem, mas achei interessante a maneira que ele revela tudo com detalhes, mas pode ser verdade, uma pessoa estudiosa e inteligente não iria se por ao ridiculo
5 January 2017 00.09
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Adilson Santos (Sao Paulo) diz...
A existencia do fenomeno Ovni é um fato comprovado . Entretanto, este caso em particular posso afiançar que é uma fraude, pois fui colega de Paulo Coutinho na escola onde estudávamos , Cursando o 1.colegial Professora Zalina Rolim ( e náo Zalina Rocha como consta no Texto ). Era uma pessoa com habitos mitomanos e que ficava ouvindo as conversas que tinhamos sempre após sairmos das aulas no final da noite sobre Física, astronomia , Mistérios e Discos Voadores . Quando ocorreu o fato, ... Leia mais
20 July 2016 17.14
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
geovani maciel (São Paulo) diz...
Amigo qual sua idade hoje em dia?
11 April 2018 19.36
Gravatar
Full StarFull StarFull StarEmpty StarEmpty Star
Eliel (Tupã SP, Brazil) diz...
Prezado, essa denúncia é gravíssima. Seria necessário uma nova investigação para comparar dados e depoimentos para um laudo final que reafirmasse ou excluísse esse caso dos anais da ufologia. Como perguntou o colega abaixo nessas postagens poderia nos informar sua idade? Poderia também dizer sua atual profissão e nos contar mais sobre os acontecimentos àquela época?
24 September 2018 10.18
1 2 > último
Página 1 de 2

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  •  

 


- Boletins
  • B53 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 126-128

 


- Artigos de Revistas
  •  

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs
  •  

 


- Outros
  •