Abdução em Pelotas - Caso José Inácio Álvaro [A 2ª Hipnose]

Interessante caso de abdução, ocorrido em Pelotas, Rio Grande do Sul, e envolvendo um jovem estudante gaúcho, chamado José Inácio Álvaro.
Você está aqui:
Página Inicial >> Casos Ufológicos >> Abdução em Pelotas - Caso José Inácio Álvaro [A 2ª Hipnose Regressiva]

Página 2 - A 1ª Hipnose Regressiva


Página 3 - A 2ª Hipnose Regressiva


Página 4 - A Pesquisa da SPIPDV


Equipe CIPEX

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Os resultados da primeira sessão de hipnose foram plenamente satisfatórios, permitindo recuperar inúmeros aspectos do caso que não eram lembrados conscientemente por José Inácio Álvaro. A fim de confirmar os dados obtidos e na esperança de obter novos dados, uma segunda sessão de hipnose foi realizada. Desta vez ela foi conduzida pelo Dr. Pedro Reis Louzada, odontologista, professor e hipnólogo, ocorrendo na noite de 28 de março de 1978. Desta sessão participaram o ufólogo Luiz do Rosário Real, o Dr. Guido Kaster, então diretor da faculdade de Agronomia, Eliseu Maciel então vice-reitor da Universidade Federal de Pelotas, Prof.º Rafael Alves Caldela, catedrático de Matemática, da Escola Técnica Federal de Pelotas; Profª Izenózia Silva da Silva, universitária da UCPEL (Psicologia e Serviço Social); Cláudio Wiener, universitário e Orlando Costa Silva, funcionário público.

Hipnólogo – José Inácio, procura lembrar... naquela noite, quando estava na frente da casa do teu pai, o que aconteceu comigo?

José Inácio – Vi uma luz...

Hipnólogo – E, depois o que é que houve?

José Inácio – Um raio sobre a minha mente, mostrando um filme... eu vejo... guerra... um fino raio em direção do objeto... estou com o corpo todo adormecido.. ai... ai

Hipnólogo – Pode falar. Que objeto era? Mas,fica tranqüilo... pode ficar tranqüilo... não vais ficar com o corpo todo adormecido.. tranqüilo... vamos responder... o que é que houve? Um raio luminoso... o que mais viu?

José Inácio – Meu corpo está duro... ai... ai... não posso me mexer...

Hipnólogo – Está bem! Então só nos relata o que houve.

José Inácio – Um raio... um raio azul... fino... eu vejo um filme... meu corpo fica duro...

Hipnólogo – Sim, e que mais está acontecendo?

José Inácio – Eu vejo um filme na mente... ai... ai... minha cabeça está doendo... ai... ai... então estão me conduzindo em direção à luz... meu corpo está duro...

Hipnólogo – Calma... estás sob proteção... podes falar... o que é mais que houve?

José Inácio – Eu estou caminhando em direção ao campo...

Hipnólogo – Estás indo sozinho ou acompanhado?

José Inácio – Sozinho.. eu vejo aquela luz se aproximando, cada vez mais de mim... eu estou caminhando... ai... ai... meu corpo está duro... ai... ai...

Hipnólogo – Estás chegando próximo da luz... do objeto?

José Inácio – Sim... eu estou no campo agora... meu corpo dói... ai... ai...

Hipnólogo – Que mais que houve então?

José Inácio – Eu vejo dois vultos... no campo... estão me agarrando... ai... ai... não posso me mexer...

Hipnólogo – Estamos aqui te ajudando... tem mais confiança em nós. O que mais que houve? Falastes com eles?

José Inácio – Não... eles botaram a mão na minha cabeça... fiquei todo duro e todo torto... aquela luz... entrei pra luz... estou subindo... estou subindo... eu subi...ai... ai... estou duro... ai... ai...

Hipnólogo – Calma... calma... o que mais se passou? Estás onde, José Inácio?

José Inácio – Eu só vejo na minha frente... estou com a mão toda dura... eu vejo uma luz circular lá dentro... dois vultos... ai... ai... dois vultos escuros... eles tem uma fisionomia de gene... ai... não... não... ai...

Hipnólogo – Eles falam contigo?

José Inácio – Não... telepaticamente só... minha cabeça está doendo... ai... ai... não posso sentir as minhas mãos... ai... ai...

Hipnólogo – Telepaticamente, o que é que disseram?

José Inácio – Que eu ficasse tranqüilo... mas eu estou com medo... ai... ai...

Hipnólogo – O que é que está acontecendo contigo, agora?

José Inácio – Ai... ai... sinto uma dor de cabeça...

Hipnólogo – O que eles dizem telepaticamente, José Inácio? Fica calmo... responde com calma...

José Inácio – Que eu ficasse tranqüilo... ai... ai... que é apenas uma experiência... uma das muitas experiências... que eles já fizeram... eu estou torto... ai... ai...

Hipnólogo – Que experiência eles fizeram contigo?

José Inácio – Tem uma mulher... ai... ai... uma mulher bonita... uma mulher bonita...

Hipnólogo – Ela está com roupa? Como é?

José Inácio – Sem roupa... ai... ai...

Hipnólogo – Mas, como é, a mulher é bonita e tu ficas nervoso? Vamos acalmar... como é o tipo da mulher? Vai descrevendo.

José Inácio – Alta...

Hipnólogo – Mais alta que tu?

José Inácio – Sim... mais alta...

Hipnólogo – Quanto... meio metro... um metro?

José Inácio – Não... apenas centímetros...

Hipnólogo – Cabelos curtos ou compridos?

José Inácio – Longos...

Hipnólogo – Loura ou morena?

José Inácio – Pele clara... pele bem clara...

Hipnólogo – A fisionomia, é igual às nossas mulheres?

José Inácio – Olhos... olhos claros... brilhantes

Hipnólogo – O que acontece agora? Ela está nua?

José Inácio – Nua! O “vulto” põe a mão na minha cabeça... ai... não posso falar... estou com a língua torta... ai... ai...

Hipnólogo – José Inácio, estás com a mulher à tua rente. O que é que se passou?

José Inácio – Meu braço está duro... ai... ai... o “vulto” põe a mão na minha cabeça... eu fico tonto... mas mais consciente... eu vejo a mulher mais nítida...

Hipnólogo – Bem, o que se passou depois? O vulto foi embora, ou ficou aí?

José Inácio – Não... mandou eu tirar a roupa... eu tirei... estou nu... estou nu... eles estão me examinado... é o “vulto”... eu vejo o “vulto”... eu estou vendo...

Hipnólogo – O que é que eles estão examinando em ti?

José Inácio – ai... ai.. os olhos... abriram a minha boca... eles pegaram um aparelho... parece um rádio... pequeno... luminoso... botaram no meu peito... ai... ai... estou mais calmo...

Hipnólogo – Que cor é o aparelho?

José Inácio – Eu vejo... eles estão rindo...

Hipnólogo – Ficaste mais calmo... e eles estão rindo, hein? E tu também começaste a rir? Isto... poder rir a vontade...

José Inácio – (rindo descontraidamente)... a mulher é bonita...

Hipnólogo – Sim... isso... a mulher é bonita... e eles continuaram na peça?

José Inácio – Foram embora...

Hipnólogo – E a mulher... está se chegando para ti?

José Inácio – Está... ela me acariciou... que coisa bonita! E eu também acariciei... ela está sorrindo...

Hipnólogo – Sim, e o que mais se passou? Podes falar... vamos falar com confiança.

José Inácio – Eu agarrei nos cabelos dela... cabelos prateados.. bonitos... macios... eu beijei ela... ela me beijou... ah! Que beijo...

Hipnólogo – O que mais se passou?

José Inácio – Ela me agarrou... me beijou... eu agarrei ela também... que corpo!... meu Deus!... ah!... que coisa linda!... agarrei ela...

Hipnólogo – Escuta aqui... o que mais se passou? Tiveste relações com ela?

José Inácio – Tive... ah!... ah!... (vibrando de prazer)

Hipnólogo – Escuta aqui... escuta aqui... após as relações com ela... o que mais se passou? Isto é o que nós estamos interessados em saber. O que se passou depois?

José Inácio – [José Inácio descreve maiores detalhes da relação sexual em si]

Hipnólogo – Os vultos voltaram ou não voltaram?

José Inácio – Voltaram...

Hipnólogo – Enquanto tu estavas com relações com ela, eles estavam na sala, ou não? Não viste mais ninguém?

José Inácio – Não vi... só a mulher... a mulher...

Hipnólogo – Depois, o que mais aconteceu?

José Inácio – Passaram a mão na minha cabeça... e eu fiquei mais tonto...

Hipnólogo – como era a fisionomia deles?

José Inácio – É um vulto só... um vulto escuro... de pessoa...

Hipnólogo – Não está mais iluminada a peça?

José Inácio – Está... toda iluminada...

Hipnólogo – Então, como é que tu na vês o rosto deles?

José Inácio – Só vejo uma luz... uma luz em forma de energia... escura... eles mandaram eu botar a roupa... ai... ai... eu botei... botei a roupa...

Hipnólogo – Quando tiveram relações... foi no chão?

José Inácio – é... no chão...

Hipnólogo – Era uma cama...ou como é? Procura ver bem...

José Inácio – É uma rede... uma rede grande... uma rede luminosa...uma rede fofa... iluminada... como se fosse de esponja...

Hipnólogo – Os olhos dessa mulher, eram claros? E o nariz... a boca?

José Inácio – Nariz pequeno... a boca... bonita...

Hipnólogo – Viste dentes nela?

José Inácio – Vi... sim!...

Hipnólogo – Ela procurou te morder naquele momento?

José Inácio – Não!... Ela chupou meu pescoço... ah!... ah!...

Hipnólogo – Como eram os dentes dela?

José Inácio – Bem claros... assim... igual aos meus...

Hipnólogo – Ela não falou nada contigo?

José Inácio – Não... só gestos... só gestos...

Hipnólogo – Vocês tiveram relações quantas vezes?

José Inácio – Uma só vez...foi longa... ah... foi longa...

Hipnólogo – As pernas dela... eram normais?

José Inácio – Bonitas!... todo o corpo era claro...

Hipnólogo – Como era a cor dos cabelos dela... na cabeça, debaixo dos braços e em outras partes do corpo?

José Inácio – Eu não sei... prateados... cor clara... prateada... eu acho...

Hipnólogo – Outros aspectos dela, que pudesse observar?

José Inácio – Seios grandes! ... Cheia!...

Hipnólogo – E as mãos... os dedos?

José Inácio – Dedos finos... bem finos... com unhas... as mãos delicadas...

Hipnólogo – As unhas eram compridas?

José Inácio – É com se não tivesse unhas... tinha unhas sim... mas eram muito claras...

Hipnólogo – A pele, sentiste que era de aspecto normal?

José Inácio – Era.

Hipnólogo – Me responda o que eu vou te perguntar agora:como é que notaste tudo isso na mulher, e nos dois homens tu não sabes responder como eles eram?

José Inácio – Era só uma luz... uma luz escura... eu estava prestando mais atenção na mulher... na mulher...

Hipnólogo –Mas, eles caminhavam?

José Inácio – Não sei... eu acho que não... era como se estivessem no sol... assim... flutuando... é uma pessoa comum... não dava pra ver a cabeça... o corpo... as mãos... não!... não dava para ver detalhes... um escuro... uma luz escura... os olhos é como se fossem claros...

Hipnólogo – Vai contando. Depois, o que está acontecendo?

José Inácio – Eu vejo muita luz na volta... luz de cima... luz de baixo... eu vejo uma mesa...

Hipnólogo – Como é essa mesa?

José Inácio – Redonda... acompanhando o formato do objeto... cheia de luzes colorida... como se tivesse botões...

Hipnólogo – Tu vista um painel de controle?

José Inácio – Vi!... não era uma mesa... acompanhava o formato do objeto...


José Inácio Alvaro, indicando o local do contato

Conheça este caso mais detalhadamente acessando nosso menu abaixo:
Resumo do Caso
Conheça os detalhes envolvendo o Caso José Inácio Álvaro

A 1ª Hipnose Regressiva
Transcrição de trechos a Hipnose de José Inácio

A 2ª Hipnose Regressiva
Transcrição de trechos a Hipnose de José Inácio Alvaro

Testemunhos Adicionais
Vários testemunhos adicionais confirmam vários aspectos do relato de José Inácio Álvaro

Artigo na Revista Planeta
Artigo de Luiz do Rosário Real, publicado na Revista Planeta em junho de 1985

Galeria de Imagens do Caso
Galeria com fotos, desenhos e croquis relacionados ao caso


Comentários

Sem comentários.

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  •  

 


- Boletins
  • Boletim da SBEDV - ed. 132/135 - agosto de 1980
  • Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores -- Especial 1975

 


- Artigos de Revistas
  • ROSÁRIO REAL, Luis do. O Rapto de José Inácio. Planeta Especial, São Paulo, nº 153-C, p.16-19, jun /1985.

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs
  •  

 


- Outros
  •