Um olhar para o futuro: O Projeto Galileu

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

O projeto Galileu recentemente tomou nota de suas realizações do primeiro ano e traçou planos para o próximo ano.


Neste artigo


Introdução

O Projeto Galileu é o primeiro programa de pesquisa científica sistemática em busca de artefatos ou remanescentes de civilizações tecnológicas extraterrestres .

Os membros da equipe da iniciativa realizaram uma conferência de três dias em 1º de agosto no Harvard College Observatory em Cambridge, Massachusetts, para registrar as realizações do primeiro ano e traçar planos para o ano seguinte.

Uma foto do segmento de vídeo do Aniversário do Ano 1 do Projeto Galileo. (Crédito da imagem: Projeto Galileo via YouTube).

 

Um item de ação digno de nota foi a abertura de um conjunto de instrumentos no telhado para analisar a questão do Fenômeno Aéreo Não Identificado (UAP), também frequentemente caracterizado como Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs).

À frente do Projeto Galileo está o astrofísico Avi Loeb, da Universidade de Harvard.

Fundado em Julho de 2021, o objetivo do projeto é trazer a busca por assinaturas tecnológicas extraterrestres de civilizações tecnológicas extraterrestres “de observações e lendas acidentais ou anedóticas para o mainstream da pesquisa científica transparente, validada e sistemática”, seu site(abre em nova aba)explica.

Objetivo estratégico

Nosso objetivo estratégico no próximo ano“, disse Loeb ao Space.com, “é fazer com que nosso conjunto completo de instrumentos funcione, filmando um filme de todo o céu em rádio, infravermelho e luz visível, além de áudio“.

Loeb disse que o fluxo de dados será alimentado em um sistema de computador especial que identificará objetos detectados nesse fluxo de informações.

Esperamos obter novos dados de alta qualidade em um local onde os UAPs foram relatados e tornar nossos dados abertos após a publicação de nossos resultados em periódicos revisados ​​por pares“, disse Loeb. “O objetivo é realizar tudo isso dentro de um ano, antes de nossa próxima conferência presencial.

Foto de grupo dos membros do Projeto Galileo durante sua conferência de primeiro ano no Harvard College Observatory, de 1 a 3 de agosto de 2022. (Crédito da imagem: Andy Mead, cortesia de Avi Loeb)

 

 

Busque melhores evidências

Loeb ressalta que o Congresso dos EUA discutiu repetidamente ao longo do ano passado relatórios de inteligência e agências militares sobre OVNIs na atmosfera da Terra. Da mesma forma, a NASA está avançando em um estudo de UAP .

A melhor maneira de entender melhor esses fenômenos é buscar melhores evidências de instrumentos de última geração e seguir o método científico que envolve uma análise transparente e agnóstica de dados abertos“, disse Loeb. “A percepção de que mesmo um único objeto pode ter se originado de uma civilização tecnológica extraterrestre ressoaria com as questões e interesses mais fundamentais da humanidade”.

Ao se envolver na pesquisa, disse Loeb, a natureza do UAP pode ser revelada antes de entendermos a matéria escura “se formos corajosos o suficiente para coletar e analisar dados de UAP publicamente, com base no método científico”.

Avi Loeb detalha o esforço do Projeto Galileo. (Crédito da imagem: arquivo Matt Checkowski/Galileo Project)

 

Outros ramos de atividade do Projeto Galileo envolvem o projeto de uma missão espacial que identificará a natureza de objetos interestelares que não se assemelham a cometas ou asteroides, como ” Oumuamua “, um intruso interestelar que passou pela Terra em Outubro de 2017.

Também está na agenda do projeto coordenar expedições para estudar a natureza dos meteoros interestelares . Uma expedição oceânica do Projeto Galileo está sendo planejada para recuperar fragmentos do primeiro grande meteoro interestelar , CNEOS 2014-01-08, do fundo do oceano perto de Papua Nova Guiné.

A humanidade está à beira de profundas descobertas sobre nossa vizinhança cósmica”, conclui Loeb.

Localização do site UAP

A chave para avaliar o UAP é que os sensores e os dados resultantes precisam ser capazes de identificar características que não podem ser duplicadas por objetos feitos pelo homem, disse Robert Powell, membro do conselho executivo da Coalizão Científica para Estudos de UAP.

Com isso em mente, Powell disse ao Space.com que os próximos passos na pesquisa de UAP devem ser “caracterizar com confiança velocidades e acelerações que não podem ser produzidas por objetos feitos pelo homem”.

Isso requer métodos robustos de triangulação óptica para calcular o alcance, usando várias câmeras, para garantir que os limites de erro finais nas estimativas de alcance sejam bem compreendidos e suficientemente estreitos, disse ele.

Além disso, Powell disse que há necessidade de resolver o problema de seleção do local, identificando áreas com “maior probabilidade de avistamentos de UAPs” para configurar equipamentos de monitoramento. Por último, há necessidade de distribuir muitos desses sistemas, disse ele.

Avi Loeb detalha o esforço do Projeto Galileo. (Crédito da imagem: Cortesia de Avi Loeb).

 

 

Inteligência social

Um grupo recém-formado focado no avanço do progresso no UAP é o Enigma Labs(abre em nova aba); eles estão usando tecnologia de ponta e inteligência social, explicando que os UAPs aparecem em todo o planeta há décadas em várias formas. A natureza transfronteiriça dos avistamentos exige uma perspectiva global, explica seu site.

Estamos entusiasmados que os cientistas do Projeto Galileo tenham alcançado este marco e apoiamos totalmente seus esforços“, disse Alex Smith, fundador da Enigma. “Se quisermos avançar na compreensão pública desse fenômeno, todas as abordagens de análise serão necessárias“, disse ele ao Space.com.

Imagens de telescópio de alta qualidade do Galileo serão fundamentais para estudos científicos conclusivos, disse Smith. Com o tempo, o suporte a imagens civis e uma rede de sensores alternativos – radar, imagens térmicas e câmeras infravermelhas – servirá como corroboração independente de avistamentos de telescópios.

Quando combinado com a grande quantidade de dados históricos, centenas de milhares de relatos de testemunhas e análises conduzidas por governos, pesquisadores e organizações não governamentais confiáveis, a existência de UAP será irrefutável e os padrões serão mais fáceis de identificar”, disse Smith. “Este é um capítulo emocionante nos estudos de OVNIs e estamos ansiosos para ver o Galileo implantar mais telescópios.

 

Com informações de:


 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + três =