Vida alienígena seja encontrada em 20 anos, diz astrônomo

Por: Fenomenum Comentários: 0

O professor Sasha Hinkley diz que é “cada vez mais provável” que a vida alienígena seja encontrada dentro de 20 anos.


Neste artigo:


Introdução

A humanidade detectará vida alienígena em mundos distantes nos próximos anos, previu um importante astrônomo britânico.

O professor Sasha Hinkley, professor associado de astrofísica na Universidade de Exeter, disse que está se tornando “cada vez mais provável” que os sinais reveladores de vida extraterrestre sejam descobertos “dentro de sua vida”.

Ele disse que dispositivos como o poderoso telescópio espacial James Webb de $ 10 bilhões (£ 7,4 bilhões) estão prestes a detectar ‘bioassinaturas’ – atmosferas em exoplanetas com gases emitidos por seres vivos, como oxigênio, que podem indicar vida.

Os comentários do cientista vêm como uma força-tarefa de especialistas do Reino Unido, EUA e Suíça insistiram que a vida alienígena seria encontrada em milhares de mundos nos próximos 10 a 20 anos, no que seria a maior descoberta da história da humanidade.

O professor Hinkley disse: ‘A probabilidade de vida existir de alguma forma no universo é bastante alta. Na verdade, eu diria que parece cada vez mais provável que a detecção de vida em um exoplaneta aconteça durante a minha vida.

Mas o astrofísico disse que mesmo que sinais indicadores de vida em mundos distantes fossem detectados, isso pode não significar necessariamente um encontro com extraterrestres.

Para ser claro, a detecção de vida em outro planeta não significa necessariamente que existe uma civilização alienígena em outro planeta, nem que estamos prestes a ter alguma forma de comunicação com tais formas de vida”, acrescentou ele em seu artigo para o The Spectator.

A evidência da descoberta da vida provavelmente será encontrada pela observação de desequilíbrios nas proporções de espécies químicas (ozônio e dióxido de carbono, por exemplo), que de outra forma não existiriam naturalmente sem possivelmente alguma forma de atividade biológica conduzindo esse desequilíbrio.”

Cem milhões de mundos em nossa galáxia são capazes de hospedar vida alienígena, de acordo com uma previsão “conservadora” da Nasa.

E a agência espacial afirma que poderemos encontrar essa vida nos próximos 20 anos, com grandes chances de estar fora do nosso sistema solar.

Dispositivos como o telescópio espacial James Webb, lançado em 2021, já estão observando o cosmos com detalhes sem precedentes.

Sua missão é promover a compreensão da humanidade sobre como os planetas, estrelas e galáxias são formados e evoluem.

Outra peça de kit espacial de alta tecnologia já está em andamento, disse o professor Hinkley, com a Nasa agora encarregada da tarefa de desenvolver uma missão espacial para procurar bioassinaturas em exoplanetas até a década de 2040.

Telescópios espaciais já podem analisar a luz das estrelas passando pela atmosfera de um planeta para descobrir sua composição química.

Em agosto, os astrônomos anunciaram que o dióxido de carbono havia sido descoberto pelo telescópio James Webb na atmosfera de um planeta do tamanho de Saturno a 700 anos-luz de distância.

Foi a primeira vez que os cientistas puderam dizer, com certeza, que detectaram gás em um planeta além do sistema solar.

Atenção particular está sendo dada aos planetas das ‘zonas Goldilocks’, onde os cientistas acreditam que a vida tem a melhor chance de evoluir e florescer.

As órbitas planetárias nesta zona não estão muito próximas ou muito longe de uma estrela, criando condições ideais para a existência de água líquida – que se acredita ser um ingrediente chave para a formação da vida.

Acredita-se que possa haver trilhões de planetas habitáveis ​​no universo e centenas de milhões apenas em nossa galáxia.

O professor Hinkley disse que uma das melhores áreas potenciais para a vida na Via Láctea estava no sistema planetário TRAPPIST-1.

O sistema está a cerca de 40 anos-luz de distância e é povoado por sete “planetas do tamanho aproximado da Terra” que orbitam de perto uma “estrela muito fraca e fria, não muito maior que Júpiter”, disse o professor Hinkley.

Ele acrescentou: “Três dos planetas em TRAPPIST-1 orbitam na zona habitável de sua estrela hospedeira. Esforços já estão em andamento para atingir esses três planetas com o telescópio James Webb para procurar o que os cientistas chamam de ‘bioassinaturas‘”.

Até o momento, os cientistas detectaram 5.332 exoplanetas confirmados orbitando em cerca de 3.931 sistemas planetários.

Mas isso não é nem a ponta do iceberg. Para uma perspectiva: existem cerca de 100 bilhões de estrelas em nossa Via Láctea” acrescentou o professor Hinkley.

Como agora sabemos de várias missões espaciais que a maioria das estrelas hospeda planetas, isso começa a dar uma indicação de quantos exoplanetas podem existir em nossa galáxia. E então, além da nossa galáxia, estima-se que existam 200 bilhões de galáxias no universo, cada uma contendo potencialmente centenas de bilhões de estrelas com seus próprios exoplanetas“.

No mês passado, a Dra. Emily Mitchell, da Universidade de Cambridge, acredita que é “muito provável” que sinais de vizinhos extraterrestres sejam encontrados, porque a vida é quase certamente “bastante comum” no universo.

Ela disse: “Temos apenas uma bioassinatura, aqui na Terra. Mas em 10 ou 20 anos meus colegas otimistas sugerem que teremos milhares de bioassinaturas. Podemos então descobrir como nos comparamos com a vida em outros planetas“.

 

 

Com informações de:


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 4 =