A Queda do Tucano da FAB

Por: Jackson Camargo Comentários: 0

Polêmico caso de queda de um avião Tucano, da Esquadrilha da Fumaça em Santos (SP). Em filmagens tomadas na ocasião percebe-se a presença de uma pequena esfera passando abaixo da asa, no preciso local onde ela parte-se ocasionando a queda da aeronave.

Em 16 de novembro de 1996 a Esquadrilha da Fumaça realizava uma apresentação em Santos (SP). Havia um grande numero de pessoas acompanhando a apresentação sendo que alguns deles estavam registrando a apresentação em vídeo.

Em determinado momento uma das aeronaves mergulhou em vôo rasante sobre a multidão presente na praia para iniciar uma manobra conhecida como “lancevak”. Quando o avião começou a subir a asa se partiu resultando na queda da aeronave. Um pedaço da asa caiu sobre um banhista matando-o.

Pouco tempo após o acidente o programa Fantástico, da Rede Globo, apresentou um vídeo obtido na ocasião do acidente em que vemos um pequeno objeto esférico aproximando-se por trás da aeronave e passando justamente no ponto onde houve a quebra da asa. Analises posteriores indicaram que não houve manipulação do vídeo.

Investigações da aeronáutica indicaram a possibilidade de o acidente ter sido originado em fadiga de material, que é constituído por uma dupla chapa metálica na parte inferior da aeronave. Em e-mail enviado ao ufólogo Eustáquio Andrea Patounas, de Florianópolis, o piloto da aeronave acidentada afirma:

“A aeronave Tucano foi projetada para voar 6.000 horas de vôo e a minha estava com aproximados 3.800 horas; existe um outro controle de vida que mede, através de um fadigômetro, o esforço que a aeronave sofre através das forças G; essa vida é medida em %; quando chega a 100%, acaba a “vida” do avião; a minha aeronave estava com aproximados 48%. O que suportava o esforço de G positivo no Tucano era uma chapa dupla que ficava por baixo da aeronave, na junção entre as asas; foi constatado que esta peça, desde a sua fabricação, na fase de polimento, apresentava micro ranhuras que, com o passar do tempo se tornaram pontos frágeis e permitiram a ruptura da chapa; toda a frota do mundo parou no dia do meu acidente, com exceção dos vendidos à França e Inglaterra que pediram com uma estrutura diferente em função das características de emprego que idealizavam.”

Observa-se na referida mensagem que existia uma fadiga material na estrutura da aeronave. Seria uma coincidência a presença daquela sonda próximo ao avião no momento em que ele se acidentou? Este objeto teria influenciado no acidente? São perguntas para as quais dificilmente teremos respostas.

Tucano da Esquadrilha da Fumaça, semelhante ao envolvido nesse caso.

 

 

Referências:


  1. http://arquivoconfidencial.blogspot.com/2007/09/1997-queda-do-avio-tucano-da-fab.html
  2. http://revistahorizonte.blogspot.com/2009/01/queda-do-avio-tucano-da-fab-ovni-ou.html
  3. http://www.cubbrasil.net/index.php?option=com_content&task=view&id=3042&Itemid=83
  4. http://www.mochileiroselvagem.com/2009/01/ovni-poderia-ter-causado-queda-de.html
  5. http://ricardo5150.blogspot.com/2008/04/ovni-e-queda-de-avio-tucano-da-fab.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezessete − seis =